‘Meu único crime foi me defender do homem que me estuprou’

Por: Redação

Roxana Santiago, 21 anos, já está presa há três meses, depois de ter matado seu agressor em maio.

Ela é acusada de homicídio depois de ter sido abusada sexualmente dentro de sua casa pelo jovem desconhecido, que a espancou quando ela tentou resistir.

A jovem de 21 anos disse que sentiu ‘terror’ e estava ‘em choque’ durante o ataque. Crédito: Newsflash

Roxana retaliou acertando o homem no rosto, causando uma grande hemorragia nasal.

Então, enquanto ele estava distraído, ela agarrou uma camiseta para enrolá-la no pescoço e estrangulou-o até a morte, afirmam.

Leia também: Estuprou e engravidou a namorada do filho de 14 anos. Informações: (92) 99115-9284 ou 181

Ela então colocou o corpo do agressor em uma bolsa e jogou-o em uma esquina na área de Benito Juárez, no México, disse a autoridade policial local.

Um vizinho a pegou e chamou a polícia antes de Roxana ser presa.

Ela escreveu em uma carta pública: “Senti medo, terror, não queria que ele machucasse mais ninguém. Não sabia o que fazer, estava em choque.

“Ele me indignou, destruiu minha dignidade, me senti humilhada, magoada, me senti vazia.

Eu sei que serei condenada por defender meu corpo, por me defender como mulher, por ter punido meu agressor, por ter agido.”

A mãe de um filho de quatro anos, havia se mudado para a região para vender batatas na rua.

Seu agressor teria se aproximado dela quando ela voltou para casa à noite.

Após ganhar a confiança, ele teria perguntado se poderia ficar na casa dela, já que a sua era muito longe – e ela concordou.

Roxana acordou durante à noite, sendo estuprada, entrando em uma luta fatal com seu algoz.

Grupos feministas condenaram a detenção da mulher, que não tem dinheiro para pagar um advogado, mas sim um defensor público.

Seus parentes não puderam pagar a viagem de nove horas até o Estado do México para visitá-la na prisão de Neza-Bordo, onde ela está detida enquanto aguarda o julgamento.

Meu único crime foi me defender do homem que me estuprou. Roxana Ruiz Santiago

Grupos ativistas, como o Nós queremos vivas Neza, criticaram o fato de o caso não estar sendo considerado sob uma perspectiva de gênero.

Eles querem que a polícia leve em consideração que Roxana foi vítima de estupro e sobrevivente de feminicídio.

Mónica, integrante do coletivo, disse: “Quando falamos da perspectiva de gênero, falamos das condições desvantajosas que as mulheres vivenciam.

“Essas condições são onde existe uma cultura que diz que nossos corpos podem ser objetos em benefício dos homens, onde sabemos que as estruturas neste caso, do Estado do México, não estão respondendo às necessidades que as mulheres têm de salvaguardar nossas vidas.

“Quando as mulheres vão para o ministério público, por exemplo, são levadas de um lugar para outro, várias horas e não têm garantias de justiça”.

Ela acrescentou: “Hoje, Roxana está viva, infelizmente ela está em uma prisão, porém, ela teve que usar essa defesa depois de ser estuprada. 

“Existem aquelas que são estupradas e assassinadas, nós sabemos disso. Roxana decidiu defender sua vida e defendeu sua vida.”

Roxana disse na carta aberta: “Eu disse a eles que o tinha matado, mas ele me estuprou e eu só queria me defender”.

Ela também alegou que os policiais a agrediram verbalmente e “nunca realizaram testes de especialistas” para provar que ela havia sido estuprada,

“Eles me apresentaram espancado, mas não tiraram fotos”, disse ela.

“Não levaram em conta a minha declaração para que eu pudesse me defender.

“Meu único crime foi me defender do homem que me estuprou.”

O julgamento está previsto para 2 de agosto.

Comentários