A Suíça permitirá a transição legal de gênero em cartório de registro civil a partir de 1º de janeiro

Por: Redação

Os suíços poderão mudar legalmente de gênero após buscarem um cartório de registro civil a partir de 1º de janeiro de 2022, colocando o país na vanguarda do movimento europeu de autoidentificação de gênero.

A Suíça junta-se à Irlanda, Bélgica, Portugal e Noruega como um dos poucos países do continente que permite a uma pessoa mudar legalmente de sexo sem terapia hormonal, diagnóstico médico ou avaliação adicional ou procedimentos burocráticos.

Leia também:

*Marcha do Orgulho Gay invade ruas de Jerusalém, a cidade sagrada

*Trabalhadores da Netflix fazem greve e organizam demissões por causa dos comentários contra transgêneros

Com as novas regras de mudança de gênero, a Suíça se junta a apenas duas dúzias de países em todo o mundo com o objetivo de dissociar a escolha de gênero dos procedimentos médicos.

De acordo com as novas regras escritas no código civil da Suíça, qualquer pessoa com 16 anos ou mais que não esteja sob a tutela legal poderá ajustar seu sexo e nome legal por autodeclaração no cartório de registro civil. Pessoas mais jovens e aquelas sob proteção de adultos exigirão o consentimento do tutor.

Isso marca uma mudança em relação ao conjunto atual de padrões prescritos regionalmente na Suíça, que geralmente exigem um certificado de um profissional médico confirmando a identidade transgênero de um indivíduo.

A Suíça, há muito conhecida como socialmente conservadora, votou em setembro pela legalização do casamento civil e do direito de adotar crianças para casais do mesmo sexo, um dos últimos países da Europa Ocidental a fazê-lo.

Comentários