Coinfecção – caso raro mostra que é possível ter duas variantes da Covid ao mesmo tempo

Por: Redação

Simultaneamente com as cepas alfa e beta de Covid-19.

É possível ser infectado com duas cepas diferentes do coronavírus ao mesmo tempo, dizem os especialistas, após o caso de uma mulher idosa não vacinada que foi encontrada infectada com as variantes alfa e beta de Covid-19.

A mulher de 90 anos morreu em um hospital na Bélgica em março. Os especialistas apresentaram o estudo de caso no Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas neste fim de semana, dizendo que se acredita ser o primeiro caso conhecido de uma infecção dupla e ressaltam a necessidade de estarmos alertas para essa possibilidade.

A mulher, cujo histórico médico era normal, disseram os especialistas, foi internada em um hospital em Aalst, Bélgica, no início de março, após uma série de quedas. Ela testou positivo para Covid-19 no mesmo dia e, em seguida, desenvolveu sintomas respiratórios que pioraram rapidamente. Ela morreu cinco dias depois. O sequenciamento do genoma de amostras da mulher confirmou que ela estava infectada pelas duas variantes.  

Não se sabe como e quando a mulher, que morava sozinha e recebia cuidados de enfermagem em casa, foi infectada.

Ela não havia sido vacinada contra Covid-19. Estudos mostram que as principais vacinas em uso nos EUA e na Europa (vacinas Pfizer-BioNTech, Moderna e AstraZeneca-University of Oxford) são eficazes contra as variantes de Covid que surgiram, evitando a maioria das hospitalizações e mortes. 

“Este é um dos primeiros casos documentados de coinfecção com duas variantes do SARS-CoV-2 preocupantes”, disse a Dra. Anne Vankeerberghen, principal autora do relato de caso e bióloga molecular do OLV Hospital em Aalst, em um comunicado .

Ela disse que, como ambas as variantes circulavam na Bélgica na época, a mulher provavelmente foi co-infectada por duas pessoas diferentes.

″É difícil dizer se a coinfecção das duas variantes preocupantes desempenhou um papel na rápida deterioração do paciente”, acrescentou Vankeerberghen. “Até agora, não houve nenhum outro caso publicado. No entanto, a ocorrência global desse fenômeno está provavelmente subestimada devido aos testes limitados para variantes preocupantes e à falta de uma maneira simples de identificar coinfecções com sequenciamento do genoma completo.”

Em janeiro de 2021, cientistas no Brasil relataram que duas pessoas haviam sido infectadas simultaneamente com duas cepas diferentes do coronavírus – a variante gama identificada pela primeira vez no Brasil e uma variante atualmente sob investigação que havia sido descoberta no Rio Grande do Sul – mas o estudo foi ainda não publicado em revista científica. Pesquisas anteriores relataram pessoas infectadas com diferentes cepas de influenza.

À medida que a pandemia de coronavírus progredia, surgiram várias variantes que provaram ser muito mais transmissíveis do que a cepa “original” de Covid, que surgiu na China no final de 2019.

A variante alfa, por exemplo, foi detectada no sudeste da Inglaterra no outono passado e passou a dominar o mundo. Agora, está sendo suplantado pela variante delta extra-infecciosa, identificada pela primeira vez na Índia em abril. Outra variante surgiu na África do Sul em dezembro, conhecida como variante beta.

O último relatório epidemiológico semanal da Organização Mundial da Saúde, em 6 de julho, disse que a variante alfa já havia sido relatada em 173 países, territórios ou áreas, e a variante beta em 122 países. Delta foi detectado em 104 países até o momento.

Comentários