Líderes mundiais pedem um tratado pandêmico – mas Brasil, EUA e China estão em silêncio até agora

Por: Ivan Rodrigues

Portal: S&DS

Muito para combater pandemias

O principal objetivo deste tratado seria promover uma abordagem nacional e social que fortaleça as capacidades nacionais, regionais e globais e a resiliência a futuras pandemias. Isso inclui uma intensificação significativa da cooperação internacional a fim de melhorar, por exemplo, sistemas de alerta, o uso compartilhado de dados, pesquisa, bem como o desenvolvimento local, regional e global e distribuição de medidas no campo da medicina e saúde pública, por exemplo. vacinas, medicamentos, diagnósticos e equipamentos de proteção individual.

Mais transparência, cooperação e responsabilidade

Também incluiria o reconhecimento de uma abordagem “Uma Saúde” que vincula a saúde de humanos, animais e de todo o planeta. Além disso, tal tratado levaria a mais responsabilidade mútua e responsabilidade compartilhada, transparência e cooperação no sistema internacional de acordo com suas regras e normas.

Para isso, trabalharemos com líderes mundiais e todas as partes interessadas, incluindo a sociedade civil e o setor privado. Acreditamos que nós, como chefes de Estado e de governo e chefes de instituições internacionais, temos a responsabilidade de garantir que o mundo aprenda as lições da pandemia Covid-19.

Solidariedade, equidade, transparência, participação e justiça

A Covid-19 expôs nossas fraquezas e divergências. Agora temos que aproveitar a chance e agir juntos como uma comunidade global em cooperação pacífica além desta crise. Equipar nossas capacidades e sistemas para isso levará tempo e exigirá compromisso político, financeiro e social ao longo dos anos.

A solidariedade com a qual asseguramos que o mundo esteja mais bem equipado no futuro beneficiará nossos filhos e netos como nosso legado. Também limitará os danos que nossas economias e sociedades podem sofrer com futuras pandemias.

A preparação para uma pandemia requer liderança global para um sistema de saúde global que possa atender às demandas deste milênio. Devemos estar comprometidos com a solidariedade, a equidade, a transparência, a participação e a justiça para cumprir essa obrigação.

JV Bainimarama , Primeiro Ministro de Fiji; António Luís Santos da Costa , Primeiro-Ministro de Portugal; Klaus Iohannis , presidente da Romênia; Boris Johnson , primeiro-ministro do Reino Unido; Paul Kagame , presidente de Ruanda; Uhuru Kenyatta , presidente do Quênia; Emmanuel Macron , Presidente da França; Angela Merkel , Chanceler da Alemanha; Charles Michel , presidente do Conselho Europeu; Kyriakos Mitsotakis , Primeiro Ministro da Grécia; Moon Jae-in , Presidente da República da Coréia; Sebastián Piñera , presidente do Chile;Carlos Alvarado Quesada , presidente da Costa Rica ; Edi Rama , primeiro-ministro da Albânia; Cyril Ramaphosa , Presidente da África do Sul; Keith Rowley , Primeiro Ministro de Trinidad e Tobago; Mark Rutte , Primeiro Ministro da Holanda; Kais Saied , presidente da Tunísia; Macky Sall , presidente do Senegal; Pedro Sánchez , Primeiro Ministro da Espanha; Erna Solberg , Primeira Ministra da Noruega; Aleksandar Vučić , presidente da Sérvia; Joko Widodo , Presidente da Indonésia; Volodymyr Selenskyj , presidente da Ucrânia;Tedros Adhanom Ghebreyesus , Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde

Questionado sobre a ausência da China e dos EUA na carta, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus (um dos signatários e principais defensores de um tratado) minimizou as preocupações, inclusive com o Brasil.

“Não quero que isso seja visto como um problema, nem mesmo foi um problema”, disse ele durante uma coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira. “Quando a discussão sobre o tratado global de pandemia começar, todos os Estados membros estarão representados.”

“Principalmente é como um opt-in (processo). Os países interessados estavam sinalizando para aderir, mas em alguns casos também estavam convidando uma representação regional ”, acrescentou.

O diretor-geral da OMS disse que as discussões com os Estados membros, incluindo os EUA e a China, foram “positivas”, mas não confirmou se os EUA e a China (bem como a Rússia, Brasil outro ausente notável) foram questionados diretamente se queriam assinar carta.

Fonte: FAZ

Comentários