Canadá está com falta de enfermeiros

Por: Redação

Angela MacIvor
Pronto-socorro da enfermaria de Halifax.
(Elizabeth Chiu / CBC)

A Saúde da província de Nova Escócia, no Canadá, está com escassez de profissionais enfermeiros “sem precedentes” afirma Jason MacLean, presidente do Governo da Nova Escócia e do Sindicato dos Funcionários Gerais.

A Nova Scotia Health está em um “modo de crise”, enquanto tenta desesperadamente preencher centenas de turnos (plantões) deixados por enfermeiras em toda a província que estão saindo para cargos temporários em clínicas de saúde pública ou renunciando por completo, disse um líder sindical.

Ele disse que no pronto-socorro da enfermaria Halifax do Centro de Ciências da Saúde do QEII, pelo menos 25 enfermeiras pediram demissão nos últimos dois meses sem ter outro emprego agendado.

MacLean disse que o número de pessoal da sala de emergência estão pela metade da capacidade na maior parte do tempo.

“Quando você tem um lugar que normalmente funciona para 18 pessoas para enfermagem e está constantemente atendendo em torno de apenas oito pessoas, isso é uma crise”, afirmou MacLean.

Janet Hazelton, presidente do Sindicato das Enfermeiras da Nova Escócia, disse ao portal que este verão marcou a pior escassez de pessoal que ela testemunhou em 30 anos.

Grandes lacunas na Nova Escócia

Ela citou o sorteio de enfermeiras para locais de saúde pública para testagem de COVID-19 e clínicas de rastreamento e vacinas.

“Tire algumas centenas de pessoas da equipe e isso torna-se um problema ainda pior”, disse Hazelton.

Grandes lacunas no serviço de enfermagem estão sendo sentidas em toda a província – de Cape Breton a Yarmouth – em hospitais grandes e pequenos.

E a Nova Scotia Health não está contestando esses fatos.

Colin Stevenson, vice-presidente de qualidade e desempenho do sistema da organização, disse que a situação atual é “sem precedentes”.

No primeiro trimestre de 2020 – quando a pandemia começou – a baixa total de vagas de enfermagem, incluindo enfermeiras registradas (diplomadas) e auxiliares de enfermagem na Saúde de Nova Scotia, foi de 7% . Desde então, saltou para 20%.

“Esperamos que, tenhamos algumas reduções nos serviços para permitir as férias … mas o fato de estarmos entrando neste período já com 20 por cento a taxa de vacância é preocupante “, disse Stevenson.

Recursos maximizados

A falta de pessoal é agravada pelo fato de que alguns hospitais têm unidades de internação e departamentos de cuidados intensivos em plena capacidade, o que significa que não há leitos disponíveis.

Stevenson diz que idealmente, a Nova Scotia Health gostaria de operar a 85% no máximo.

“Isso cria uma pressão à qual precisamos responder, à qual nossa equipe está tentando responder e estamos tentando apoiá-los de uma forma que possam estar seguros para si mesmos, fornecendo o cuidado e o mais importante que estamos criando um ambiente seguro para aqueles que estamos aqui para servir “, disse ele.

A atual crise de pessoal pode ser atribuída principalmente à demanda dos sites COVID-19 por profissional, disse Stevenson.

Um quarto dos cerca de 800 cargos de saúde pública necessários para esses empregos foram preenchidos temporariamente por enfermeiras que anteriormente trabalhavam em funções não-públicas de saúde, incluindo temporários.

Os enfermeiros foram transferidos de cuidados intensivos, emergência, cirurgia, medicina, saúde mental e vícios e programas ambulatoriais.

Stevenson disse que, com uma redução na demanda por serviços COVID-19, a Nova Scotia Health espera que cerca de 200 enfermeiras registradas e auxiliares de enfermagem que aceitaram cargos de transferência sejam reintegrados em posições anteriores ou novas.

A Nova Scotia Health também está se concentrando em equipar os departamentos de emergência. Na zona central de saúde – que inclui a enfermaria de Halifax – 14 das aproximadamente 19 vagas vagas foram preenchidas recentemente.

Preocupações em Cobequid

Uma preocupação persistente para o sindicato das enfermeiras é o fato de que o Cobequid Community Health Center em Lower Sackville, NS, não conseguiu fechar durante a noite em várias ocasiões nos últimos meses.

O hospital está programado para fechar às 12h e transferir os pacientes para centros próximos, como o Dartmouth General Hospital ou o QEII Health Sciences Center.

“Não há capacidade para levá-los a qualquer outro lugar, então essas enfermeiras têm que trabalhar e os pacientes têm que ficar”, disse Hazelton. “O problema é que o Cobequid não está equipado para cuidar de pacientes por longos períodos de tempo.”

A autoridade de saúde tinha dito em junho, que precisava ficar aberto 20% do tempo. Em maio, Cobequid não ficou aberto.

Hazelton disse que não é ideal para pacientes porque o hospital não tem cozinha ou leitos de internação, e é cansativo para os enfermeiros porque eles têm que ficar horas além do turno programado.

Ela acrescentou que é apenas uma questão de tempo antes que o problema piore ainda mais.

“Se você trabalha 24 horas direto, vai demorar dias para superar isso. E se você fizer isso com frequência, você vai ficar doente”, disse ela.

Um comitê de gestão está sendo formado entre os sindicatos e a Nova Scotia Health para discutir a melhor forma de preencher os cargos de enfermagem a curto prazo.

Comentários