Com duas vaginas e dois úteros mulher sofre com dores menstruais agonizantes

Por: Redação

Andreea, 26, foi informada de que tinha uma condição rara aos 14 anos que significava que seus órgãos foram divididos em dois.

Andreea, 26, sente fortes dores menstruais porque tem duas vaginas e dois úteros
Andreea, 26, sente fortes dores menstruais porque tem duas vaginas e dois úterosCrédito: Caters News Agency

A gerente assistente, que não quis revelar seu segundo nome, disse: “Eu sofro de cólicas menstruais muito fortes, posso ficar dobrada e não conseguir me mover por alguns dias. Eu acho que isso vem por ter um útero extra.”

Mas ela se preocupa mais com as complicações de fertilidade que vêm com sua condição fisiológica. 

Como seu útero está dividido em dois, isso reduz o espaço disponível para o crescimento de um bebê.

Andreea que é de Salisbury, condado inglês de Wiltshire, ficou com o coração partido quando perdeu um bebê aos 17 anos.

Infelizmente, aos três meses, seu bebê parou de crescer, o que ela descobriu mais tarde ser um perigo associado à doença.

Agora em um relacionamento de seis anos com seu companheiro Oliver, 36, que não deseja compartilhar seu sobrenome nem sua foto, o casal espera um dia ter uma família.

Andreea decidiu saber mais sobre o seu estado de saúde e se poderá constituir família naturalmente, depois de quase não ter recebido nenhuma informação quando foi diagnosticada.

A condição, chamada útero didelphys, foi encontrada durante um check-up complicado quando ela era adolescente.

Mas às vezes, pode passar despercebido por anos, com sintomas apenas incluindo cólicas incomuns durante um período, uma quantidade anormal de sangue ou abortos espontâneos repetidos.

Andreea disse: “Eu sabia que um check-up de saúde sexual incluiria um exame um pouco desconfortável, mas eu estava com tantas dores que doía tanto que tive que pedir ao médico para parar.”

O ginecologista descobriu que não poderia inserir o espéculo porque Andreea tem cartilagem dividindo a entrada de sua vagina, efetivamente dividindo-a em duas.

Andreea lembra: “Ele ficou bastante chocado. Ele disse que era muito raro, mas não era algo com que se preocupar na minha idade.”

Útero didelphys é uma condição desde o nascimento, ocorre quando uma mulher tem dois úteros e dois colo do útero separados e, às vezes, duas vaginas, no caso de Andreea.

Andreea foi enviada para exames onde foi confirmado que seu útero estava dividido em dois e ela tinha uma parede divisória de tecido em torno de 2 cm dentro de sua vagina que não é visível externamente.

Após o diagnóstico, Andreea admite que realmente não discutiu o assunto novamente com seus amigos ou médicos.

Ambos os úteros funcionam, mas Andreea foi informada de que um deles tem menos chances de reprodução.

Os dois úteros geralmente são ligeiramente menores do que a média, embora às vezes um possa ser maior e mais do tamanho normal, enquanto o outro é menor.

Um útero duplo geralmente não é detectado por anos porque pode não haver sintomas.

Ela disse: “Quando eu era adolescente, não falava sobre o que estava acontecendo com meu corpo, especialmente por constrangimento. Você não quer ser vista como diferente das outras pessoas.

“Eu estava completamente cega para isso durante a maior parte da minha adolescência e início dos meus 20 anos. Não é desconfortável, então não pensei muito sobre isso até conhecer meu parceiro e, naturalmente, discutirmos nosso futuro.”

Depois de perder um bebê, Andreea disse: “Nunca tive certeza se poderia carregar um bebê a termo, então queria saber se poderíamos ter filhos. Hoje, Andreea afirma que sua condição não faz diferença em sua vida sexual e ela está confiante em seu corpo em comparação com antes.

“Ainda tenho muitas dúvidas em torno do meu diagnóstico. Tenho dois úteros, então posso engravidar enquanto estou grávida e carregar dois bebês ao mesmo tempo, mas quero saber se posso carregar um bebê com segurança.”

Houve casos de mulheres com a doença que tiveram gestações a termo bem-sucedidas, mas Andreea teme que qualquer filho que ela possa gerar possa não crescer adequadamente saudável.

“É uma área cinzenta, temos uma chance de 50/50, mas não saberei mais até tentarmos e é algo que enfrentaremos juntos quando chegar a hora”.

Andreea afirma que sua condição não faz diferença em sua vida sexual e que ela está confiante em seu corpo em comparação com antes.

Ela disse: “Agora, eu não estou nem um pouco preocupada com isso”.

“À medida que fui ficando mais velha, sempre fui honesta com as pessoas e não fui julgada por isso”.

“Minhas preocupações eram quando era adolescente, quando não sabia se isso me tornava diferente ou com quem conversar. Agora não acho estranho, sou apenas quem eu sou e somos todos diferentes de uma forma ou de outra.”

Andreea espera que, ao falar abertamente sobre sua condição, isso ajude outras meninas e mulheres a falar sobre sua saúde e corpos.

Ela ressalta: “As meninas devem conhecer seus corpos, estar confortáveis em sua própria pele e aprender a saber o que é ‘normal’ para elas.

“Agora é diferente e as pessoas podem ser mais abertas e há muito mais pesquisas e informações disponíveis. É bom conversar e saber todos os fatos,” finaliza ao The Sun.

Comentários