Covid-19: tratamentos com anticorpos da Eli Lilly e Regeneron

Por: Redação

Noah Higgins-Dunn @HIGGINSDUNN

  • Os EUA enviaram mais de meio milhão de doses de tratamentos de anticorpos da Eli Lilly e Regeneron que têm o potencial de manter os pacientes de Covid de alto risco fora dos hospitais.
  • Autoridades de saúde importantes disseram que os medicamentos ainda estão sendo subutilizados e pediram aos hospitais que os prescrevessem com muito mais frequência.
  • Apesar das dificuldades que surgem com a administração dos medicamentos, os hospitais devem providenciar centros de infusão para administrar os medicamentos que podem ajudar a prevenir o desgaste do sistema de saúde, disseram eles.
Nesta foto de maio de 2020 fornecida pela Eli Lilly, os pesquisadores preparam células de mamíferos para produzir possíveis anticorpos COVID-19 para testes em um laboratório em Indianápolis.
Nesta foto de maio de 2020 fornecida pela Eli Lilly, os pesquisadores preparam células de mamíferos para produzir possíveis anticorpos COVID-19 para testes em um laboratório em Indianápolis.David Morrison | Eli Lilly via AP

Os EUA enviaram mais de meio milhão de doses de tratamentos de anticorpos que têm o potencial de manter os pacientes de alto risco para a Covid fora dos hospitais, se administrados precocemente.

Isso ajudaria os hospitais já sobrecarregados a evitarem pressão adicional, mas os medicamentos ainda estão sendo subutilizados, apesar de seus resultados promissores, disseram autoridades de saúde do governo Trump na quinta-feira. Isso ocorre porque muitos pacientes não sabem como acessá-los e os hospitais não prescrevem os medicamentos ou organizam os locais de infusão necessários para administrar os medicamentos, disseram eles.

“Quero que meus colegas me ouçam”, disse o cirurgião-geral dos Estados Unidos, Dr. Jerome Adams, a repórteres. “Vocês precisam pensare e estarem dispostos a prescreverem esses medicamentos com muito mais frequência, como uma forma de proteger seus pacientes, preservar sua capacidade hospitalar e apoiar seus colegas exaustos”.

Em novembro, a Food and Drug Administration emitiu autorizações de emergência para drogas com anticorpos da Eli Lilly e Regeneron . O medicamento deste último (Regeneron) foi dado ao presidente Donald Trump , que disse que o fez se sentir melhor “imediatamente” quando foi hospitalizado com o coronavírus em outubro.

No entanto, os hospitais listaram uma série de problemas que vêm com a prescrição dos medicamentos. Os tratamentos têm o maior benefício quando administrados a alguém no início da infecção. Mas os resultados dos testes da Covid podem ser atrasados e as pessoas podem não procurarem atendimento até que já exibam os sintomas, diminuindo a eficácia dos tratamentos com anticorpos.

Os medicamentos também são difíceis de administrar. Os hospitais precisam montar centros de infusão com equipe dedicada para dispensá-los, mas alguns pacientes podem ter dificuldade em chegar a esses locais, e fornecer os medicamentos na casa de alguém exige muito trabalho. Também pode demorar mais de uma hora para administrá-los às pessoas por meio de uma infusão intravenosa e requer uma hora adicional de monitoramento depois.

Apesar das dificuldades, ainda vale a pena que os hospitais construam os centros de infusão e evitem que mais pessoas adoeçam gravemente com o vírus, disse a Dra. Janet Woodcock, diretora do Centro para Avaliação e Pesquisa de Medicamentos da FDA. Os tratamentos são úteis para pessoas com 65 anos ou mais ou com problemas de saúde subjacentes, afirma o FDA.

“Alguns desses podem ser locais incomuns, não em hospitais, mas em outros lugares, a fim de levar aquelas pessoas de alto risco que têm alta probabilidade de ficarem muito doentes internadas, indo para a UTI e assim por diante, para infundi-los com anticorpos o mais cedo possível na doença ”, disse Woodcock a repórteres.

Os EUA dobraram seus esforços para usar os tratamentos. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos lançou na segunda-feira um “localizador de tratamento” que permite que profissionais de saúde e pacientes encontrem locais potenciais para receber os tratamentos com anticorpos. Em 6 de janeiro, mais de 641.000 doses dos cursos de tratamento foram administradas, mas 75% permaneceram sem uso, disse o HHS.

O governo federal disse na terça-feira que comprou mais de 1,2 milhão do tratamento adicionais do medicamento Regeneron, que serão entregues no primeiro semestre de 2021. Isso eleva o fornecimento de ambos os medicamentos de anticorpos para quase 5 milhões de cursos, se necessário.

O fornecimento adicional e o impulso da administração Trump vêm com uma média de 245.306 pessoas com teste positivo para Covid todos os dias, de acordo com uma análise da CNBC de dados da Universidade Johns Hopkins. Há mais de 130.300 pessoas hospitalizadas com a Covid nos Estados Unidos, o dobro de pacientes desde meados de novembro antes da temporada de férias de inverno, de acordo com dados do  COVID Tracking Project , executado por jornalistas do The Atlantic.

“Portanto, esperamos que as mudanças que estamos fazendo, melhore a conscientização do público e melhor conscientização do fornecedor, levem a mais administração desses anticorpos”, disse Woodcock.

Variantes e eficácia de Covid

Os primeiros estudos experimentais mostraram que as drogas de anticorpos diminuem a carga viral em pacientes, encurta os sintomas e, mais importante, mantém as pessoas fora do hospital, disse Woodcock.

No entanto, alguns especialistas médicos estão preocupados com o fato de não haver evidências suficientes de que os medicamentos funcionam. A Infectious Diseases Society of America  recomendou contra o uso rotineiro  do tratamento da Eli Lilly, citando a falta de dados. E o National Institutes of Health, citando “dados insuficientes”, disse que o medicamento “não deve ser considerado o padrão de tratamento”.

Variantes novas e mais infecciosas do coronavírus, especialmente uma cepa encontrada na África do Sul conhecida como 501Y.V2, podem ser mais resistentes aos tratamentos com anticorpos monoclonais, disse o consultor de saúde da Casa Branca, Dr. Anthony Fauci, na terça-feira. Ao contrário das vacinas, que desencadeiam uma resposta imunológica que ataca diferentes partes do vírus, os anticorpos monoclonais têm como alvo um componente muito específico, disse Fauci  ao governador da Califórnia, Gavin Newsom, no final de dezembro.

Woodcock disse que os testes em andamento devem dar uma imagem melhor de como os medicamentos são eficazes, mas também há evidências do “mundo real” de sistemas de saúde que descobriram que os anticorpos são úteis. Ele acrescentou que os pesquisadores estão “procurando ativamente” para determinar se as novas mutações de Covid terão algum impacto nos tratamentos.

“É possível que qualquer variante, alguma variante em algum ponto, possa escapar da neutralização por qualquer um desses anticorpos”, disse Woodcock. “É por isso também que estamos buscando combinações, ou os chamados coquetéis, de monoclonais, porque é muito menos provável que qualquer variante escape de ambos ao mesmo tempo.”

Comentários