“Nenhum dos ex-governadores tiveram a coragem de resolver a situação do Centrad”, afirma Rafael Prudente em entrevista

31 de Outubro de 2019

Ao completar cinco anos de total desuso, o Centro Administrativo de Brasília (Centrad), um dos maiores empreendimento da capital federal continua de portas fechadas.

O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Rafael Prudente (MDB), falou ao site, em (30/10), na presidência da casa, sobre a situação do complexo de 182 mil metros quadrados, construído por meio de uma parceria público-privada (PPP) para abrigar o funcionalismo distrital.

O site: O que a CLDF tem feito, ou, tem para dizer sobre a atual situação do Centrad?

Rafael Prudente: Não participei do processo à época. Acho aquilo um absurdo, começando pelo local, na verdade todas as cidades que fizeram o Centro Administrativo fizeram nas áreas menos desenvolvidas da cidade.

O site: Em qual local, em sua opinião, o Centrad deveria ter sido construído em qual cidade do DF?

– Rafael Prudente: Deveria ter sido feito em um local que pudesse ser feito o desenvolvimento da cidade. Por exemplo: Sobradinho, São Sebastião ou perto do Paranoá, deveria ter sido feito por essas regiões em razão do grande espaço para a cidade crescer e mais fácil de fazer investimentos.

O site: Quem é o culpado ou não há no caso do Centrad?

Rafael Prudente: Eu não sou advogado nem conheço muito bem o processo, mas se o governador Ibaneis (MDB), não conseguir resolver isso, ninguém vai conseguir resolver. Porque todos os governadores que passaram – Agnelo (PT) e Rollemberg (PSB), não tiveram a coragem de colocar suas assinaturas para resolver esta situação.

O site: O governador Ibaneis de seu partido vai resolver a situação do Centrad?

 – Rafael Prudente: Tenho a convicção que alguma saída está sendo organizada pelo governador Ibaneis e o secretário de Fazenda, André Clemente, junto à Caixa Econômica.

Centro Administrativo

Ação de improbidade administrativa com pedido liminar

A ação de improbidade administrativa foi ajuizada, em 14 de janeiro, contra o ex-governador Agnelo Queiroz e o ex-administrador regional de Taguatinga Anaximenes Vale Dos Santos, pela inauguração irregular do Centro Administrativo do Distrito Federal (Centrad).

Agravo de instrumento em 2ª instância resulta no bloqueio de bens de Agnelo Queiroz e Anaximenes Santos

Após interposição de agravo de instrumento pelo MPDFT, a desembargadora da 1ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) determinou, dia 26 de fevereiro, a indisponibilidade de bens do ex-governador Agnelo Queiroz e do ex-administrador de Taguatinga Anaximenes Vale dos Santos, no valor de aproximadamente 28 milhões de reais. Eles são réus em ação de improbidade administrativa proposta pelo MPDFT pela inauguração irregular do Centro Administrativo do Distrito Federal (Centrad).

  1. Autos: 2015.01.1.002697-8

Ação civil pública cautelar, com pedido liminar de tutela inibitória

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), reiterou, na Justiça do Distrito Federal, o pedido de concessão de liminar para impedir quaisquer repasses financeiros às empresas Odebrecht e Via Engenharia, responsáveis pela construção do Centro Administrativo do Distrito Federal.

Ação para anular o habite-se do Centro Administrativo do GDF

A Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb) conseguiu a anulação do habite-se que permitia o funcionamento do Centro Administrativo do Governo do Distrito Federal, em Taguatinga. A decisão foi proferida pela Vara de Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Fundiário do Distrito Federal no dia 9 de fevereiro.

Leave a Comment