Vacina da Moderna contra a COVID-19 tem maior probabilidade de causar inflamação cardíaca do que a de Pfizer – Statens Serum Institute

Por: Redação

A vacina da Moderna contra a COVID-19 tem até quatro vezes mais probabilidade de causar inflamação do músculo cardíaco, um efeito colateral muito raro, do que sua vacina da Pfizer-BioNTech, de acordo com um estudo dinamarquês publicado no British Medical Journal.

No estudo, o qual participaram quase 85% dos dinamarqueses, 4,9 milhões de indivíduos, com 12 anos ou mais, foi investigado a ligação entre as vacinas COVID-19 baseadas em mRNA e a inflamação do coração, também conhecida como miocardite ou miopericardite.

Estudos anteriores de Israel e dos Estados Unidos indicaram um risco aumentado de inflamação do coração após a inoculação com as vacinas de mRNA desenvolvidas pela Pfizer-BioNTech e Moderna.

“A vacinação com mRNA-1273 (vacina da Moderna) foi associada a um risco significativamente aumentado de miocardite ou miopericardite na população dinamarquesa”, disse o estudo.

No entanto, o risco geral de desenvolver inflamação do coração com as vacinas, ambas baseadas na tecnologia de mRNA, era baixo, de acordo com o estudo, conduzido por pesquisadores do Statens Serum Institute da Dinamarca.

“Em geral, a taxa de miocardite ou miopericardite foi cerca de três a quatro vezes maior para a vacinação com mRNA-1273 (Moderna) do que para a vacinação com BNT162b2 (Pfizer-BioNTech)”, disse o estudo.

Os pesquisadores encontraram apenas 1 caso por 71.400 vacinados com Pfizer-BioNTech e 1 caso por 23.800 vacinados com Moderna. A maioria dos casos foi leve, disse o estudo.

A vacina da Pfizer-BioNTech foi associada apenas a um maior risco de inflamação do coração entre as mulheres, disse o estudo, contrastando com os resultados dos estudos de Israel e dos Estados Unidos.

Os autores disseram que a discrepância pode ser explicada pela idade média da população vacinada, intervalo de tempo entre a primeira e a segunda injeção ou porque menos dinamarqueses tiveram teste positivo para COVID-19.

“Nossas descobertas geralmente não ofuscam os muitos benefícios que vêm com a vacinação”, disse o autor do estudo, Anders Hviid, em um comunicado.

“É preciso ter em mente que a alternativa de contrair uma infecção com COVID-19 provavelmente também envolve um risco de inflamação no músculo cardíaco”, disse Hviid.

Comentários