COVID-19 | Conheça as 6 cepas da variante do Brasil que foram encontradas no Reino Unido

Por: Redação

Seis cepas da variante do Brasil foram encontradas no Reino UnidoCrédito: Alamy Live News

Acredita-se que P.1 seja mais contagioso e há uma chance de que não responda tão bem ao jab – embora não existam dados de vacina para ele.

Três das pessoas com a nova cepa foram detectadas na sexta-feira na Inglaterra, enquanto três foram encontradas na Escócia ontem.

Autoridades de saúde identificaram cinco dos casos, mas um alerta urgente foi emitido para descobrir o sexto, pois sua identidade e paradeiro são desconhecidos.

Eles não registraram o teste Covid online, o que significa que não foram identificados.

Um porta-voz do governo disse que os funcionários do The Sun estão fazendo tudo o que podem para encontrar a pessoa.

Eles disseram: “Como fizemos durante esta pandemia, continuaremos a tomar todas as medidas necessárias para proteger o público e ajudar a prevenir a propagação do vírus, com medidas fortes em vigor em nossas fronteiras.

“Quando confrontados com novas variantes, agimos rapidamente para salvar vidas e, graças aos recursos avançados de sequenciamento do Reino Unido, encontramos mais mutações do que muitos outros países.

“Muito ocasionalmente, temos um resultado de teste em que o indivíduo não forneceu seus detalhes. 

“Todos os esforços estão sendo feitos para localizar essa pessoa e, entretanto, é importante que as pessoas compareçam para o teste, continuem a seguir as restrições em vigor e fiquem em casa sempre que possível.”

Qualquer pessoa que fez um teste em 12 ou 13 de fevereiro, mas não recebeu o resultado ou tem um cartão de registro de teste incompleto, deve ligar para 119 na Inglaterra ou 0300 303 2713 na Escócia para obter ajuda o mais rápido possível.

A nova cepa foi descrita como “preocupante” em comparação com a variante P2 do Brasil que já foi encontrada no Reino Unido.

Isso ocorre porque ele compartilha mutações importantes com a variante identificada pela primeira vez na África do Sul.

Dois pacientes com a variante são da mesma família em South Gloucestershire, com testes de pico sendo lançados na área a partir das 9h de amanhã .

PHE disse que uma das pessoas voltou do Brasil e passou a doença para um membro da família, mas eles têm se isolado.

Seus casos foram acompanhados pela Equipe de Proteção à Saúde do PHE com seus contatos identificados e retestados.

Duas pessoas adicionais na mesma casa em Gloucestershire testaram positivo para Covid, mas o sequenciamento do gene ainda não confirmou se elas têm a variante P.1.

A PHE confirmou que não existe um grande risco para a comunidade e pediu aos residentes que visitassem o site do município para obter mais informações.

A PHE também está pedindo a todos que voaram no voo LX318 da Swiss Air, viajando de São Paulo para Londres Heathrow via Zurique em 10 de fevereiro, que se apresentem.

Eles esperam que todos no voo e membros de suas famílias sejam testados.

Qualquer pessoa no voo deve ligar para 0117 450 3174 para marcar um teste.

Qual é a variante brasileira P1?

A variante BRASILEIRA (P.1) carrega três mutações principais que afetam a proteína spike.

A proteína spike é a parte do vírus, SARS-Cov-2, que se liga às células humanas e permite que o vírus infecte o corpo.

Como resultado, é a parte do vírus que as vacinas Covid foram projetadas para atacar.

É por isso que os cientistas acreditam que, embora os jabs devam funcionar, eles podem ser menos eficazes contra as cepas brasileira e sul-africana.

Os especialistas detectaram a variante P.1 pela primeira vez em Manaus, norte do Brasil, em dezembro.

Ainda não se sabe se a mutação causa Covid-19 mais grave, mas as evidências sugerem que ela pode ser mais transmissível.

Os cientistas de Porton Down estão conduzindo mais análises para confirmar as evidências de que a cepa não causa nenhuma taxa de mortalidade mais alta ou que afeta as vacinas ou tratamentos.

Foi detectado no Brasil e em viajantes do Brasil para o Japão, e contém uma constelação única de mutações definidoras de linhagem.

Assim como a variante sul-africana, a brasileira carrega uma mutação na proteína spike chamada E484K, que não está presente na cepa original do Reino Unido, ou na cepa de ampla circulação Kent.

A mutação E484K está presente nas cepas da África do Sul e Bristol.

Acredita-se que a mutação E484K ajude o vírus a contornar a proteção imunológica fornecida pela infecção anterior ou vacinação por meio de anticorpos.

Cientistas que analisam a variante brasileira dizem que as mutações que ela compartilha com a variante sul-africana parecem estar associadas a um rápido aumento de casos em locais onde as taxas de ataque anteriores são consideradas muito altas.

Eles afirmam que é essencial investigar rapidamente se há um aumento na taxa de reinfecção em indivíduos previamente expostos.

Comentários