LGBT: ‘Orgia do Papai’ em que os convidados pensaram que os policiais ‘faziam parte do show’ e ‘tentaram arrancar suas calças’

Por: Redação

A polícia chegou para encerrar a orgia normalmente legal

Pessoas que estavam em uma orgia masculina acharam que os policiais que ordenaram o fim da festa de sexo faziam parte do show.

O organizador da orgia David Manzheley disse que alguns dos festeiros no evento, inclusive um deputado anti-LGBT foi pego tentando fugir, após tentarem tirar as calças dos policiais que foram acabar com a alegria dos participantes.

A polícia chegou para encerrar a orgia – normalmente legal – mas que quebrava as regras de isolamento contra a Covid-19

Entre os convidados estavam Josef Szajer, deputado homossexual e anti-LGBT, que tentou pular pela janela quando os policiais chegaram.

O apartamento onde a orgia aconteceu

Manzhley disse que alguns dos participantes “tentaram abrir o zíper das calças dos policiais porque pensaram que a invasão fazia parte da orgia“.

Vários diplomatas que estavam na festa do sexo foram parar na delegacia central da cidade.

As festas são limitadas a quatro pessoas na Bélgica, pois sofreu uma redução drástica em razão da Covid-19 na Europa.

NÃO ESTÁ AQUI PARA FESTA

Mas para o organizador da orgia, o estudante de doutorado David Manzheley, de 29 anos, eles não fizeram nada de errado.

“Todos os meus convidados já devem ter feito o teste para Covid-19 e não devem ter nenhum sintoma. Acredito que meus amigos não mentiram sobre isso”, disse ele ao jornal belga Het Laatste Nieuws.

“Para ser honesto, não vejo problema. Havia duas enfermeiras lá, e elas também não achavam que era perigoso.”

Ele acrescentou ainda sobre a operação: “De repente, toda a minha sala de estar estava cheia de policiais“.

PEGO EM FLAGRANTE

“Eles imediatamente começaram a gritar: ‘Cartão de identidade! Agora!’ Mas não estávamos nem de cueca. Como diabos poderíamos tirar nossos cartões de identificação rapidamente?

Isso só deixou os oficiais zangados. Eles eram muito hostis e diziam coisas maldosas sobre os gays. ”

Os policiais ficaram atordoados ao pegaram cerca de 20 pessoas, a maioria homens, nuas no ato, quando invadiram a festas do sexo para levar os participantes para a delegacia central da cidade.

Uma fonte próxima ao caso declarou: “Interrompemos um gang bang!”

Os policiais foram chamados para o local, por volta das 21h30 de sexta-feira, depois que os vizinhos reclamaram.

NEGÓCIO ARRISCADO

Szajer desde então renunciou. Getty Images – Getty

Szajer teria sido pego mancando rua abaixo com os joelhos ensanguentados depois de pular da janela do primeiro andar.

A polícia disse que ele tinha narcóticos, mas o político negou e se ofereceu para fazer um teste de drogas.

Ele anunciou sua renúncia do Parlamento Europeu e do partido Fidesz no domingo.

O partido Fidesz do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, concentra-se nos valores tradicionais da família cristã.

O eurodeputado violador ajudou a redigir a constituição húngara de 2011 que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo e tem sido usada para restringir os direitos LGBT.

Uma emenda recente garante que apenas casais heterossexuais podem adotar crianças.

Este ano, o governo disse que a Hungria não participaria do concurso de música Eurovision do ano que vem porque era “muito gay“.

Comentários

  • Carlos Fernandes disse:

    Se fosse com a polícia do Brasil, apesar de já estar com muitos gays, muitos teriam morrido ou estariam ainda em hospitais se recuperando da surra. Boa matéria.