PMs elegem a cidade Estrutural como a pior para um policial trabalhar

06 de Fevereiro de 2020

Redação

Policiais militares

Pesquisa do site S&DS – Saúde & Direitos Sociais com alguns Policiais Militares sobre qual seria a pior cidade do Distrito Federal para um militar atuar, apontou que a ex-invasão Vila Estrutural, hoje, Região Administrativa XXV é o mais inóspito entre as demais cidades do DF.

“Em comparação, dadas às devidas proporções, considero a cidade Estrutural como o Rio de Janeiro dentro do Distrito Federal,” afirma um sargento M.P.F que prefere não se identificar.

Veja os dados populacionais da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios – PDAD 2018 – Codeplan/DIEPS/GEREPS/PDAD

População por sexo, SCIA/Estrutural, Distrito Federal, 2018

Masculino 17.994 – 50,7%

Feminino 17.526 – 49,3 %

Total 35.520 – 100,0 %

“Uma Companhia que é tratada como se fosse um Batalhão. Quando o bicho pega, os policiais de outras unidades têm que descer para lá. Muitos ex-detentos e familiares de ex-detentos. Não tem efetivo suficiente” declara o tenente C.P.S que também pediu anonimato.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) esteve na abertura dos trabalhos da Câmara Legislativa nesta semana (04/02), e fez menção sobre a segurança pública do Distrito Federal.

“Vou nomear o número necessário de Policiais Militares e Civis para garantir a segurança da população. O PM tem vergonha de prender bandido; ele, é o primeiro a sair da delegacia que o Policial. Precisamos mudar isso!” declarou Ibaneis em auto tom da tribuna da CLDF.   

Há uma grande inversão na valorização da Segurança Pública de todo o país. Àqueles que estão mais expostos, que talvez não voltem para suas famílias, que estão 24 horas em rondas ostensivas precisam ser valorizados tanto quanto as demais policias administrativas e judiciárias.

1 Comentário

  • Ivon Corrêa - Tenente Coronel Reformado disse:

    O grande problema é que um policiamento efetivo na localidade não dá visibilidade às ações de governo, dai que é mais interessante ser mais interessante fazer um policiamento de vitrine em áreas mais nobres, colocar o melhores equipamentos , em localidades em que a parte mais privilegiada da população veja e tenha uma melhor sensação de segurança.
    Nessas comunidades mais pobres é empregado o sobra. Não que os policiais sejam menos qualificados, mas seu baixo efetivo compromete o bom desempenho. Isso leva a um stress o profissional, refletindo na sua saúde, relações familiares e até na qualidade do atendimento ao público.
    Tem mais, Segurança Pública não é coisa somente de polícia. Onde estão os demais recurso do Estado que atendam às demandas locais. Tem atendimento médico de qualidade? Tem escolas de qualidade? Tem equipamentos de laser? As instalações dos órgãos de segurança são adequados?
    Caso as respostas acima sejam negativas o policial jamais executará um trabalho de excelência.

Leave a Comment