BRB – Custo da segunda via do Cartão Mobilidade cai 72%

Por: Ivan Rodrigues

16 de Janeiro de 2020

Iniciativa anunciada nesta quinta (16) pelo governador Ibaneis Rocha beneficia população de baixa renda em caso de furto, roubo, inutilização ou perda

O valor para a emissão da segunda via do cartão do Sistema de Bilhetagem Automática (SBA) caiu 72%. O Governo do Distrito Federal (GDF) cobrava, anteriormente, R$ 18,90; agora, apenas R$ 5,40.

Antes da medida, os usuários do sistema que usam o Cartão Mobilidade pagavam o equivalente a sete vezes o valor da menor tarifa. O decreto foi assinado pelo governador Ibaneis Rocha nesta quinta-feira (16).

Com a medida, o preço caiu para duas vezes o da menor tarifa, de R$ 2,70. A iniciativa do GDF beneficia a população de baixa renda que, em caso de furto, roubo, inutilização ou perda, precisava solicitar a segunda via do cartão. Em certos casos, em função do alto custo, alguns usuários chegavam a dispensar o benefício.

A diminuição do preço da segunda via do cartão faz parte das ações do Banco de Brasília, responsável pelo sistema de bilhetagem do DF. Em 4 de novembro de 2019, o BRB assumiu o processamento (antes, o trabalho do pertencente ao extinto DFTrans.Com a migração da solução de bilhetagem, o usuário passou a ter à disposição uma rede ampliada de recarga, com 73 postos de atendimento, um novo aplicativo – o BRB Mobilidade -, além de uma central exclusiva de atendimento telefônico (61 3120-9500) para dúvidas, sugestões e reclamações.

A transferência para o banco do sistema de processamento do SBA possibilitará, também, a redução de fraudes e proporcionará ganho de eficiência operacional à atual solução. Com todas as ações previstas, o BRB Mobilidade estima uma diminuição em fraudes na ordem de R$ 300 milhões, ao longo dos próximos quatro anos.Passe Livre 100% digital.

O cadastramento dos estudantes aptos a receber o Passe Livre pode ser feito integralmente pela internet. A novidade vai beneficiar os mais de 523 mil estudantes cadastrados. O registro e as informações necessárias estão disponíveis no site do BRB Mobilidade.Para realizar ou atualizar o cadastro, o usuário deve inserir informações do RG, CPF e foto, que serão conferidas por servidores do BRB Mobilidade.

Com a mudança do sistema, os estudantes não precisam mais homologar documentos nos postos de atendimento, como a apresentação de declaração escolar, por exemplo.“Essa é a principal novidade que a gente traz para o início do ano letivo, ou seja, permitir que os estudantes façam todo o processo de cadastramento no site do BRB Mobilidade, levando todos os documentos para dentro do site sem precisar ir a nenhuma loja levar a documentação.

A ida a uma loja é estritamente para buscar os cartões dos novos estudantes. Os antigos vão fazer a atualização das suas informações no site e nem na loja vão precisar ir”, explica o presidente do Banco de Brasília, Paulo Henrique Costa.A expectativa é que a digitalização do processo reduza drasticamente as filas nos postos físicos e resolva a maior parte dos atendimentos de forma digital, facilitando todos os processos.

“Nesse período [do ano] há atraso no fornecimento do cadastro pelas próprias escolas ou diferenças de informações. Então decidimos que os estudantes vão começar o ano letivo com 30 dias de cartão desbloqueado. Isso é para que eles possam fazer esses ajustes e correções sem ter nenhum impacto no funcionamento do próprio cartão”, acrescenta Paulo Henrique Costa.

BRB Mobilidade

Para realizar o cadastro os estudantes devem acessar o site do BRB Mobilidade​ e informar o CPF próprio e não dos pais e/ou responsáveis e demais dados como nome completo, CEP, telefone, entre outros. O site contém acessibilidade em libras e, além do cadastro, é possível tirar dúvidas, solicitar 2ª via do cartão, trocar instituição, liberar o cartão e consultar o local de retirada dele.

O Passe Livre é destinado a estudantes do ensino superior, médio e fundamental da área urbana, inclusive alunos de cursos técnicos e profissionalizantes com carga igual ou superior a 200 horas-aula, reconhecidos pela Secretaria de Estado de Educação do DF ou pelo Ministério da Educação. Também têm direito ao cartão alunos de faculdades teológicas ou de instituições equivalentes os quais residam ou trabalhem a mais de um quilômetro do estabelecimento em que estejam matriculados.

Comentários