BioNTech e Pfizer afirmam que não há evidências de que sua vacina continuará a proteger contra a Covid-19 se a 2ª dose for aplicada mais de 21 dias após a 1ª dose

Por: Redação

BioNTech e Pfizer

A decisão do Reino Unido de adiar a administração da segunda dose da vacina contra o novo coronavírus às pessoas está se revelando no mínimo controverso, com especialistas, conselheiros e produtores da vacina, todos opinando sobre esta nova estratégia.

A Grã-Bretanha foi um dos primeiros países do mundo a lançar uma campanha de vacinação em massa contra o coronavírus, depois de aprovar a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech no início de dezembro. 

Na segunda-feira desta semana, ela começou a disponibilizar a vacina da Universidade de Oxford e da AstraZeneca, tendo sido aprovado para uso antes do ano novo.

Como ambas as vacinas requerem duas doses por pessoa, o governo do Reino Unido disse inicialmente que uma segunda dose seria administrada três ou quatro semanas após a primeira dose, dependendo de qual vacina estava sendo administrada e de acordo com os regimes de dosagem testados em ensaios clínicos.

No entanto, agora recomenda um intervalo de até 12 semanas, em um esforço para dar a mais pessoas uma primeira dose – e alguma proteção inicial contra Covid-19.

Apreensão e preocupações dos fabricantes das vacinas

A BioNTech e a Pfizer  afirmaram em um comunicado ao CNBC, nesta terça-feira, que não há evidências de que sua vacina continuará a proteger contra a Covid-19 se a segunda dose for aplicada mais de 21 dias, após a primeira dose.

“O estudo de Fase 3 da Pfizer e da BioNTech para a vacina COVID-19 foi projetado para avaliar a segurança e eficácia da vacina após um esquema de 2 doses, separadas por 21 dias. A segurança e eficácia da vacina não foram avaliadas em diferentes esquemas de dosagem, pois a maioria dos participantes do ensaio recebeu a segunda dose dentro da janela especificada no desenho do estudo ”, disseram as empresas em um comunicado ao CNBC.

“Embora os dados do estudo de Fase 3 demonstrem que há uma proteção parcial da vacina logo 12 dias após a primeira dose, não há dados que demonstrem que a proteção após a primeira dose é mantida após 21 dias.”

As empresas disseram que agora é “crítico conduzir esforços de vigilância” em qualquer programa de dosagem alternativa fora dos estudos.

A análise final dos dados dos ensaios clínicos da Pfizer / BioNTech mostrou que a vacina foi 95% eficaz na prevenção da Covid-19 sete dias após a segunda dose ter sido administrada .

Razões por trás desta decisão

A decisão de estender a janela vacinal de dosagem ocorre em um momento em que os hospitais britânicos lutam com o aumento das admissões. O coronavírus está descontrolado no Reino Unido com uma nova cepa mais transmissível do vírus se espalhando exponencialmente em Londres e no sudeste, e agora aparecendo em outras partes do país.

Até o momento, o país registrou mais de 2,6 milhões de casos de coronavírus e mais de 75.000 mortes relacionadas, de acordo com dados compilados pela Universidade Johns Hopkins. Na segunda-feira, o Reino Unido registrou 58.784 novos casos e já relatou  mais de 50.000 novos casos de coronavírus  por sete dias consecutivos. Na segunda-feira, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou um terceiro bloqueio nacional para a Inglaterra .

É neste cenário sombrio que o regulador de medicamentos do Reino Unido, o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização e os quatro diretores médicos do Reino Unido concordaram em adiar o intervalo entre a primeira e a segunda dose de vacinas para “proteger o maior número de pessoas em o menor tempo possível. ” O que não há amparo pelos fabricantes.

Há sinais de que outros podem seguir a Grã-Bretanha também, com o ministério da saúde da Alemanha agora buscando o conselho de uma comissão de vacinação independente sobre se deve seguir a tática de adiamento da dose do Reino Unido. A Dinamarca já aprovou um atraso de até seis semanas entre a primeira e a segunda injeção da vacina.

Comentários