Vestibulando Teoria da Evolução: por que é errado marcar que viemos dos macacos e outras 4 questões sobre a origem

22 de Novembro de 2019

SCIENCE PHOTO LIBRARY – Um erro muito comum é pensar que ‘descendemos dos macacos’, diz especialista

A publicação do livro A Origem das Espécies, em que Charles Darwin estabeleceu a base da teoria da evolução pela seleção natural, completa 160 anos neste 24 de novembro.

Mas o quanto sabemos de fato sobre a história da nossa espécie?

E por que é um erro dizer que “descendemos dos macacos”?

A BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, apresenta cinco questões que podem te surpreender sobre a evolução humana.

1. Não descendemos de macacos

Os homens modernos, da espécie Homo sapiens sapiens, não evoluíram dos macacos, mas compartilham de um ancestral comum com eles.

“Um erro muito comum é pensar que ‘viemos dos macacos’. Esse erro faz com que muita gente negue a teoria da evolução”, afirmou à BBC News Mundo o paleoantropólogo espanhol José María Bermúdez de Castro.

“Para começar, é melhor afirmar que somos mais uma espécie da ordem dos primatas”, diz o coordenador do Programa de Paleobiologia do Centro Nacional de Pesquisa sobre a Evolução Humana, em Burgos, na Espanha, e codiretor do projeto de pesquisa e escavação nos sítios arqueológicos da Serra de Atapuerca, também na Espanha.

Essa linhagem de primatas “começa sua história evolutiva há cerca de 7 milhões de anos. Naquela época, um ancestral comum com os chimpanzés divergiu em duas linhagens diferentes, provavelmente por razões climáticas”.

“A linhagem que deu origem aos chimpanzés, Pan paniscus e Pan troglodytes, permaneceu no oeste da África. A linhagem que acabou dando origem à humanidade atual evoluiu no sul e no leste da África.”

Ilustração da evolução
GETTY IMAGES – Os homens modernos não evoluíram dos macacos, mas compartilham de um ancestral comum

Bermúdez de Castro acrescenta que compartilhamos cerca de 99% de nossos genes com os chimpanzés, mas a diferença (de aproximadamente 1,2%) é importante, uma vez que temos entre 20 mil e 25 mil genes operacionais.

“Deveríamos refletir sobre nossa relação próxima com esses primatas, nossos primos em primeiro grau”, completa o cientista espanhol.

2. Mais da metade do seu corpo não é humano

Estima-se que cerca da metade do nosso corpo seja composto de células humanas, mas o restante é uma mistura de bactérias, vírus e fungos que compõem o que é conhecido como microbioma.

Esse microbioma, que é tão particular quanto a impressão digital de cada um, tem influência sobre uma ampla variedade de funções — da digestão ao sistema imunológico.

Ilustração de bactérias no intestino
SCIENCE PHOTO LIBRARY – As células humanas representam apenas 43% do nosso organismo

“Você é 43% humano de acordo com as estimativas mais recentes, se contar todas as células”, afirmou à BBC em 2018 o professor Rob Knight, da Universidade da Califórnia, em San Diego, nos EUA.

Se pensarmos em termos genéticos, os números são ainda mais surpreendentes. Microbiólogos da escola de medicina da Universidade Harvard e do Joslin Diabetes Center, ambos nos EUA, analisaram o DNA de cerca de 3,5 mil amostras da boca e intestinos.

Os resultados do estudo, publicado neste ano na revista científica Cell Host & Microbe, indicam que havia cerca de 46 milhões de genes bacterianos, sendo 24 milhões no microbioma da boca e 22 milhões no dos intestinos.

3. Estamos repletos de vestígios evolutivos

A evolução é um processo que pode ser muito lento — e alguns de seus vestígios podem permanecer por muito tempo depois que deixam de cumprir uma função.

Um exemplo é o apêndice, que teria desempenhado uma função relacionada à digestão da celulose das plantas em nossos ancestrais.

Ilustração dos ossos da coluna vertebral e do quadril
SCIENCE PHOTO LIBRARY – O cóccix, o último pedaço de osso da base da coluna, é um dos nossos vestígios evolutivos

Os dentes do siso, que foram úteis para moer alimentos fibrosos, são outro exemplo.

O cóccix também é considerado um vestígio evolutivo, que no passado contribuiu para manter o equilíbrio. É o vestígio de uma cauda que, no caso de embriões humanos, aparece no final da quarta semana de desenvolvimento embrionário e desaparece no início da oitava semana.

E se você fica arrepiado quando sente frio ou medo, isso significa que suas fibras musculares conhecidas como arrectores pilorum (arrector pili, no singular) estão se contraindo involuntariamente, o que provavelmente causará arrepios.

Se você é um animal selvagem, pode ser útil ter os pelos arrepiados, há que assim podem capturar mais ar para reter o calor. Ou você pode parecer maior do que é, o que poderia desencorajar seus predadores.

Mas, no caso dos seres humanos, nossos arrectores pilorum não oferecem nenhum desses benefícios.

4. Nossa espécie surgiu há cerca de 300 mil anos

A história da nossa origem tem mudado constantemente à medida que novos fósseis são descobertos.

“Nossa espécie, Homo sapiens, surgiu na África há pouco mais de 200 mil anos. Alguns pesquisadores acreditam que certos fósseis de um sítio arqueológico no Marrocos (Jebel Irhoud) já pertenciam à nossa espécie. Esses fósseis têm 315 mil anos”, explica Bermúdez de Castro.

Comparação do tamanho do cérebro do Homo naledi (espécie extinta) e do Homo sapiens, de acordo com fósseis encontrados em Jebel Irhoud, no Marrocos
SCIENCE PHOTO LIBRARY – Comparação do tamanho do cérebro do Homo naledi (espécie extinta) e do Homo sapiens, de acordo com fósseis encontrados em Jebel Irhoud, no Marrocos

“Independentemente deste debate sobre datas, não se sabe de nenhuma mudança importante no ambiente da África na época do Pleistoceno.”

As eras glaciais afetaram o hemisfério norte e tiveram impacto no enfraquecimento da espécie Homo neanderthalensis.

“Mas na África subsaariana e no norte da África o clima não sofreu mudanças significativas. Portanto, nos escapa saber que circunstâncias favoreceram o surgimento dos primeiros hominídeos semelhantes a nós na maior parte de sua anatomia.”

“Certos aspectos culturais, como a arte ou o simbolismo, ainda levariam algum tempo para serem consolidados no Homo sapiens. Mas, do ponto de vista da anatomia, os homens africanos de 200 mil anos atrás eram praticamente indistinguíveis de nós.”

Atualmente, há muita discussão sobre a possibilidade de ter havido diferentes rotas de expansão do Homo sapiens para fora da África e por dois lugares diferentes: o Levante e o Estreito de Bab El-Mandeb, no Chifre da África.

“Não seria estranho. Os dados não são contraditórios e não afetam o resultado final: agora somos a única espécie de hominídeo do planeta.”

5. Não paramos de evoluir

Copo de leite
GETTY IMAGES – Em regiões com longa tradição de produção de laticínios, como a Europa, a população é muito mais tolerante à lactose do que na Ásia

Ainda estamos nos adaptando ao mundo ao nosso redor. Um exemplo é o rápido aumento, nas últimas 100 gerações do Reino Unido, do gene de tolerância à lactose, o açúcar do leite.

Estima-se que há cerca de 11 mil anos, os homens adultos não eram capazes de digerir a lactose.

À medida que os seres humanos começaram a depender da produção de leite em certas regiões para se alimentar, seus corpos se adaptaram para digerir este alimento, que antes era tolerado apenas por crianças.

Em regiões com uma longa tradição de produção de laticínios, como a Europa, a população é muito mais tolerante à lactose do que na Ásia.

“É claro que não deixamos de evoluir e nunca deixaremos, enquanto continuarmos sendo uma espécie na Terra”, diz Bermúdez de Castro.

“A própria cultura está influenciando de maneira decisiva a nossa evolução. E essa influência será cada vez mais importante, no momento em que a tecnologia nos permitir manipular com segurança o genoma humano.”

“Pode ser que os experimentos de que temos notícia não sejam muito éticos e tenham riscos. Mas, ao longo dos anos, vai ser possível realizar essas manipulações. Se chegarmos a esse ponto, a mudança evolutiva será extremamente rápida”, avalia.

BBC

Leave a Comment