RJ: um governador ‘impeachmado’ e cinco que foram presos

Por: Redação

Governador impeachmado Wilson Witzel (PSC)

Impeachment

Wilson Witzel (PSC) é o primeiro governador da história do estado a sofrer impeachment desde que Badger Teixeira da Silveira foi destituído pelo regime militar, em 1964.

O ex-juiz federal deixou o cargo acusado de desvios na Saúde em meio à pandemia de Covid-19. No Superior Tribunal de Justiça (STJ), ele responde a um processo criminal semelhante, onde é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Governadores do RJ que foram presos

  • Sérgio Cabral (preso e condenado)
  • Pezão (em liberdade)
  • Moreira Franco (em liberdade)
  • Rosinha Garotinho (em liberdade)
  • Anthony Garotinho (em liberdade)

Assim como o antecessor, Witzel deixa o cargo antes do mandato. Antes dele, Luiz Fernando Pezão MDB) foi preso a 31 dias do fim da gestão.

O emedebista foi denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Mas teve melhor sorte na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Comandada por um outro investigado e correligionário, Jorge Picciani (MDB), a Casa não chegou a levar o processo de impedimento ao fim. Um deles se arrastou por quase dois anos.

O chefe da organização, segundo o Ministério Público Federal (MPF), era o também ex-governador Sérgio Cabral (MDB) — o único dos governadores que continua preso.

Moreira Franco

Governador do Rio entre 1987 e 1991, Moreira Franco foi preso no dia 21 de março de 2019 pela Lava Jato no Rio de Janeiro, em uma operação que também tinha como alvo o ex-presidente Michel Temer. A investigação é relacionada a obras da usina nuclear de Angra 3.

Dono da Engevix, José Antunes Sobrinho disse que Moreira Franco foi um dos que pediu propina a Temer. Ele foi solto dias depois da prisão.

Pezão

Pezão foi preso em novembro de 2018, com base na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Cabral.

Ele diz que Pezão tinha uma mesada de propina de R$ 150 mil e que chegou a receber bônus de R$ 1 milhão de propina.

Cabral

Sérgio Cabral foi preso em novembro de 2016, suspeito de receber propina para a concessão de obras públicas. Cabral segue preso e está na penitenciária de Bangu 8.

Governador do Rio entre 2007 e 2014, ele responde a 31 processos e foi condenado em 14 deles, somando 293 anos de prisão na Justiça Federal do Paraná e do Rio de Janeiro.

Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho

Rosinha Matheus Garotinho foi presa junto ao marido, Anthony Garotinho, em novembro de 2017 por crimes eleitorais. Eles negam a prática do crime.

A ex-governadora ficou presa por uma semana na Cadeia Pública de Benfica e está solta desde então. A ação que prendeu Rosinha e o marido apurava os crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação das contas eleitorais.

Garotinho foi preso três vezes no período de um ano. A primeira, em 16 de novembro de 2016, na Operação Chequinho, que investiga um esquema de compra de votos envolvendo o programa social Cheque Cidadão na eleição municipal daquele ano.

A segunda prisão de Garotinho foi em setembro de 2017, quando foi condenado por fraude eleitoral. Na ocasião, o ex-governador cumpriu prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica. A terceira prisão foi em novembro de 2017, com sua mulher, a também ex-governadora Rosinha Matheus.

Rosinha foi governadora entre 2003 e 2006 e Garotinho entre 1999 e 2002.

O que dizem os citados

A defesa do ex-governador Moreira Franco nega os crimes e disse que houve inconformidade na prisão cautelar, já que ele sempre se apresentou quando solicitado e está a disposição das investigações em curso.

A defesa de Pezão disse que ele nega que tenha recebido qualquer valor a título de propina e também de que tenha recebido R$ 400 milhões para a campanha à reeleição, como dito por Cabral em fevereiro de 2020.

A defesa de Garotinho e de Rosinha disse que a prisão dos dois não tem relação com a Lava Jato e são casos do âmbito da Justiça Eleitoral de Campos.

Em redes sociaisl, Wilson Witzel se diz inocente, perseguido politicamente por ter combatido a corrupção e criticou o o julgamento, segundo ele baseado em uma delação mentirosa, do ex-secretário de Saúde Edmar Santos.

Por Gabriel Barreira, G1 Rio

Comentários