Aterrorizante – Vídeo mostra ataque do Coronavírus no cérebro

Por: Ivan Rodrigues

Ivan Rodrigues

O intruso espreita sua presa com furtividade e precisão, preparando-se para perfurar a armadura de sua presa. Uma vez dentro, o agressor força seu hospedeiro a produzir mais intrusos, e então o faz explodir, expelindo uma multidão de invasores que podem continuar sua fúria em uma escala mais ampla.

O drama, retratado em um vídeo microscópico do SARS-CoV-2 infectando células cerebrais de morcegos, fornece uma janela de como o patógeno transforma as células em fábricas de vírus antes de causar a morte da célula hospedeira.

O vídeo foi produzido por Sophie-Marie Aicher e Delphine Planas, virologistas do Instituto Pasteur de Paris que ganharam menção honrosa em um concurso de vídeo microscópico patrocinado pela Nikon, a empresa de fotografia.

Filmado durante 48 horas com uma imagem gravada a cada 10 minutos, a filmagem mostra o coronavírus como manchas vermelhas circulando entre uma massa de bolhas cinzentas – as células cerebrais do morcego.

Depois de infectadas, as células do morcego começam a se fundir com as células vizinhas. Em algum ponto, toda a massa explode, resultando na morte das células. A Sra. Aicher, que é especialista em doenças zoonóticas – aquelas que podem ser transmitidas de animais para humanos – disse que esse rolo compressor infeccioso era o mesmo em morcegos e humanos, com uma distinção importante: os morcegos, em última análise, não ficam doentes.

Em humanos, o coronavírus é capaz de escapar da detecção e causar mais danos, em parte ao impedir que as células infectadas alertem o sistema imunológico sobre a presença dos invasores. Mas seu poder especial é a capacidade de forçar as células hospedeiras a se fundirem com as vizinhas, um processo conhecido como sincício, que permite que o coronavírus permaneça sem ser detectado enquanto se replica. “Cada vez que o vírus precisa sair da célula, corre o risco de ser detectado, então, se puder ir direto de uma célula para outra, pode funcionar muito mais rápido”, disse Aicher.

Ela disse que espera que o vídeo ajude a desmistificar o vírus e tornar mais fácil para as pessoas entenderem e apreciarem esse inimigo enganoso que derrubou bilhões de vidas. “É importante ajudar as pessoas a superar o jargão científico para entender que este é um vírus muito sofisticado e inteligente, que é bem adaptado para tornar os humanos doentes”, disse ela. Escolhas dos editores A cura milagrosa para todos os nossos problemas de energia? Receitas vegetarianas que nossos leitores não se cansam dos artistas negros que estão saindo da América Andrew Jacobs é um repórter de saúde e ciência, baseado em New Y “Cada vez que o vírus precisa sair da célula, corre o risco de ser detectado, então, se puder ir direto de uma célula para outra, pode funcionar muito mais rápido”, disse Aicher.

Comentários