Teste do Pezinho identifica 40 doenças mais as lisossômicas, imunodeficiências e atrofia muscular espinhal

Por: Redação

Atualmente o teste do pezinho feito no Distrito Federal é o mais completo do país identificando 40 doenças desde 2011; nas outras unidades da federação, apenas seis são notificadas

A coleta do sangue para o exame acontece, geralmente, com 48 horas de vida do recém-nascido e o ideal é que o teste do pezinho seja feito até o quinto dia de vida | Foto: Breno Esaki / Agência Saúde DF

Segundo a Referência Técnica Distrital (RTD) de Triagem Neonatal, Kallianna Duarte Gameleira, o teste do pezinho é uma medida de saúde pública que visa detectar doenças ainda na fase pré-sintomática, permitindo assim, o diagnóstico precoce e a instituição do tratamento em tempo oportuno, diminuindo assim os danos causados pelas doenças aos recém-nascidos.

Talvez também tenha interesse: No DF, crianças com suspeita da Covid devem ser encaminhadas ao HMIB

O Teste do Pezinho realizado no Distrito Federal faz a triagem das seguintes doenças: Fenilcetonúria; Hipotireoidismo congênito; Fibrose Cística; Hemoglobinopatias (Hemoglobinopatia S, Hemoglobinopatia C, Hemoglobinopatia D, Hemoglobinopatia E, Beta Talassemia e outras variantes); Hiperplasia Adrenal Congênita; Deficiência de Biotinidase; Deficiência de G6PD; Toxoplasmose Congênita; Galactosemia; Alterações em aminoácidos e acilcarnitinas (Aminoacidopatias, Distúrbios do Ciclo da Ureia, defeitos na Beta-Oxidação do Ácidos graxos, Acidemias orgânicas).

“Hoje estamos na fase 2 do escalonamento previsto na ampliação recentemente sancionada e em fase de implantação das fases 3 e 4, que inclui as doenças lisossômicas e as imunodeficiências combinadas graves. Iniciaremos o processo da fase 5 que é a atrofia muscular espinhal (AME) tão logo possível”, explica Kallianna Duarte Gameleira.

As seis doenças abrangidas atualmente no Teste do Pezinho de outros estados são: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, hemoglobinopatias, fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase. Com a nova lei, o exame passará a abranger 14 grupos de doenças. Essa ampliação ocorrerá de forma escalonada e caberá ao Ministério da Saúde estabelecer os prazos para implementação de cada etapa do processo.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Comentários