Senador Izalci aumenta bens declarados em 423% após entrar para a política

Por: Ivan Rodrigues

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF), pré-candidato ao governo do Distrito Federal, teve evolução patrimonial elevada nos últimos anos, de acordo com a declaração de bens apresentada ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 2018.

senador Izalci Lucas (PSDB-DF). Fonte: Agência Senado. Waldemir Barreto/Agência Senado

Quando tudo começou: Izalci assumiu seu primeiro mandato como deputado distrital pelo partido PFL, de 2003 até 2006, ocasião que apresentou sua declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) à Justiça Eleitoral no valor de R$ 3.576.799,55 milhões.

De 1º de março de 2007 a 29 de abril de 2008, assumiu como suplente de deputado federal, na Legislatura de 2007 a 2011, pois não conseguiu votos suficientes para se eleger. 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a condenação de Izalci Lucas (PSDB-DF) por omissão de informação na prestação de contas eleitoral referente à campanha para a Câmara Federal.

Em 18 de junho de 2008, licenciou-se do cargo de deputado federal para assumir o cargo de Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia do Distrito Federal.

Leia também: Trabalhar ninguém quer né! Mas ser deputado e senador até o bobo do cunhado de Bolsonaro quer

Quando Secretário, Izalci foi condenado pela Justiça do Distrito Federal por peculato, em um caso de desvio de 200 computadores e 200 monitores doados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) ao Governo do Distrito Federal (GDF), em 2009.

Apesar da condenação com sentença, de 2 anos e 8 meses de reclusão, a mesma foi extinta, por prescrição. Quando não pode ser aplicada porque a denúncia foi aceita muito tempo após o cometimento do crime.

No processo contra Izalci, o Ministério Público do Distrito Federal anexou fotos dos equipamentos no comitê de campanha, na eleição de 2010. Testemunhas ouvidas disseram que os equipamentos eletrônicos encontrados no comitê faziam parte do lote doado pelo TCU.


O deputado federal Izalci Lucas (PSDB-DF) também recebeu R$ 273 mil entre janeiro e dezembro de 2015 em pagamentos feitos pelo Diretório Nacional de seu partido por meio de uma empresa de sua propriedade a Consulthábil Consultores.


O portal S&DS investigou que o patrimônio de Izalci saltou de R$ 3.576.799,55 em 2002; para R$ 8.453.062,33 após entrar na vida política, sem computar o patrimônio de sua esposa pois não é obrigada pela lei a fazer declaração pública de bens e valores.

Bens declarados 2001

Bens declarados 2018

Comentários

  • Marcos Arruda disse:

    A matéria só esqueceu de mencionar o mega terreno adquirido pelo filho do Izalci em Brazlândia (Incra), feita pelo apadrinhamento do pai, no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Comprou a preço de banana.

  • Ana Beatriz disse:

    Alberto, veja só que paradoxo! Os políticos dizem que querem e vão defender o povo, mas a primeira coisa que fazem quando eleitos é irem morar longe do povo em áreas nobres.

  • Adriana Mascarenhas disse:

    Olha, nada contra a riqueza e ser rico, mas por que os políticos sempre aumentam seus patrimônios enquanto o povo fica mais pobre?

  • Alberto disse:

    Depois de mais rico, o Izalci deixou o Guará e foi morar na beira do Lago, região nobre de Brasília. Izalci, respeita o povo!