OTAN: RÚSSIA e CHINA são as maiores ameaças à segurança mundial e ao Ocidente

Por: Redação

A Rússia e a China são as maiores ameaças à segurança mundial e ao Ocidente, disse a Otan.

Boris Johnson advertiu contra uma nova Guerra Fria quando os líderes do G7 se encontraram com o presidente dos EUA, Joe Biden, pela primeira vez.

China presidente Xi Jinping
A Otan alertou sobre as ‘políticas coercitivas da China’ sob o presidente Xi Jinping
Eles também destacaram os movimentos da China para trabalhar secretamente com Vladimir Putin da Rússia

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) disse que a agressão da Rússia por armas nucleares, hacks cibernéticos e intimidação maliciosa ainda são uma das principais preocupações da aliança.

Após suas reuniões na Cornualha, os líderes do G7 voaram para Bruxelas ontem para conversas sobre como manter o Ocidente seguro.

Talvez você também tenha interesse:

>Eurostat: pela primeira vez, China ultrapassa os EUA como principal parceiro comercial da Europa

>China: 4 chaves do notável crescimento após sua queda com a pandemia

Eles concordaram em trabalhar juntos contra o “desafio sistêmico” postado pela agressão da China – e avisaram a Rússia sobre o desrespeito descarado das leis internacionais.

A aliança teve como objetivo as tentativas da China de construir armas nucleares e seus movimentos para trabalhar secretamente com a Rússia na tentativa de construir influência no cenário mundial.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que havia preocupações com as “políticas coercitivas da China” sob o presidente Xi Jinping, mas ressaltou que não eram um inimigo.

E ele avisou a Rússia que ainda estava no frio, sem retorno aos “negócios como de costume” tão cedo.

‘MENSAGENS CONSIDERAVELMENTE DIFÍCEIS’

Os aliados também exigiram que a Rússia retirasse suas forças na Ucrânia, Geórgia e Moldávia – onde posicionou tropas “sem consentimento”.

Mas o primeiro-ministro insistiu na noite passada que ninguém queria uma nova Guerra Fria com a China, apesar do risco que representava para a segurança das nações aliadas.

O primeiro ministro revelou que levaria algumas “mensagens muito duras” ao líder russo, mas disse que até agora tem sido decepcionante como as relações entre as potências ainda são gélidas.

Boris Johnson insiste que ninguém quer uma nova Guerra Fria, apesar do risco para as nações aliadas.

“Estou sempre esperançoso de que as coisas vão melhorar. Quando vi o presidente Putin, deixei isso muito claro. Eu disse: ‘Sabe, estamos prontos para tentar ter relações mais estreitas, mas você tem que mudar a forma como se comporta’.

“Você se lembrará do que aconteceu em Salisbury, onde membros inocentes do público enfrentaram o envenenamento de Novichok. Uma mulher perdeu a vida tragicamente.

“Isso não é jeito de se comportar. Os aliados da Otan apoiaram a Grã-Bretanha na época e sei que o presidente Biden levará algumas mensagens duras ao presidente Putin nos próximos dias. ”

Comentários