Jovem de 23 anos gastou US $ 45.000 para se tornar uma fotógrafa de casamento – agora ela ganha US $ 177.000 por ano

Por: Redação

O negócio de fotografia de Grace Torres é mais do que um projeto de paixão que se transformou em carreira. Para o jovem de 23 anos, representa liberdade financeira.

Depois de se apaixonar pela fotografia aos 13 anos, Torres passou anos documentando as festas do Sweet 16 em Nova Jersey por pouco dinheiro e trabalhando na Chick-Fil-A para comprar um equipamento de câmera de US$ 500. Enquanto frequentava a Southeastern University em Lakeland, Flórida, ela ganhou alguns clientes e dinheiro – mas não estava confiante de que a fotografia pudesse pagar as contas depois da faculdade.

Então, ela aprendeu que fotógrafos freelancers de sucesso geralmente começam investindo em equipamentos de alta qualidade. Então, depois de se formar na faculdade em dezembro de 2020, Torres investiu em novas câmeras e lentes e, gradualmente, passou a dedicar-se à fotografia em tempo integral.

Ao todo, Torres diz que gastou cerca de US$ 45.000 para fazer seu negócio decolar. Está valendo a pena: em 2021, ela faturou US$ 177.000 – e hoje ela fatura mais de US$ 10.000 por mês, de acordo com documentos revisados ​​pela CNBC Make It.

Torres diz que às vezes é subestimada como jovem empreendedora, mas fazer o que ama vale a pena: “Ser uma empresária asiática americana de 23 anos com um negócio de seis dígitos… definitivamente vem com seus altos e baixos”. Jonathan Cortizo para CNBC Make It

“Sempre trabalhei em vários empregos durante a faculdade e, portanto, poder ter apenas um trabalho que é meu próprio ambiente, meu próprio horário, fazer minha própria agenda foi uma bênção para mim”, disse Torres à CNBC Make It. “Acordo todas as manhãs tão animada para trabalhar com os clientes com quem trabalho e fazer o que amo.”

Veja como Torres transformou um hobby em uma atividade paralela e depois em um negócio de seis dígitos em tempo integral.

Do hobby à agitação lateral

Torres comprou sua primeira câmera – uma Canon Rebel T3 – em 2012, antes de uma viagem em família de Nova Jersey ao Colorado. Ao longo do caminho, a família parou em vários parques nacionais e Torres se apaixonou por capturar a natureza por trás das lentes.

“Mesmo com 13 anos, eu via isso como um investimento”, diz Torres. “Comprei com o dinheiro que economizei em aniversários e natais.”

Torres fell in love with photography at age 13 on a family road trip. Last year, her photography business brought in $177,000 in revenue.

Torres se apaixonou pela fotografia aos 13 anos em uma viagem em família. No ano passado, seu negócio de fotografia rendeu US$ 177.000 em receita. Cortesia de Graça Torres

Inicialmente, seu plano era seguir a ciência na vida depois da faculdade. Então, no ensino médio, ela direcionou seu foco para os acadêmicos, criando tempo para fotografar retratos e festas de aniversário por diversão – ocasionalmente ganhando US $ 100 por quatro horas de trabalho.

Então, na faculdade, sua agitação paralela ganhou força: em 2019, aos 20 anos, ela ganhou cerca de US $ 2.000 com fotografia freelance e design gráfico. Ela começou a considerar como seria um trabalho de fotografia em tempo integral.

Investir em uma paixão

No início, diz Torres, as perspectivas pareciam sombrias: ela já trabalhou em dois ou três outros empregos ao longo da faculdade, em grande parte para ajudá-la a pagar seu equipamento de câmera. Mas depois de seguir outros fotógrafos no Instagram, ela percebeu que, se equilibrasse os custos do equipamento com mais fotos, teria a chance de ganhar a vida em tempo integral.

Ela aumentou sua disponibilidade e começou a agendar shows a cada duas semanas, em vez de a cada dois meses. Cerca de um ano depois, ela se formou na Southeastern University e fez um estágio remunerado em meio período com uma organização sem fins lucrativos para ajudar a complementar suas finanças até que pudesse se orientar como fotógrafa freelancer em tempo integral.

This year, Torres plans to shoot 34 weddings. Next year, she wants to dial that number down to 27.

Este ano, Torres planeja filmar 34 casamentos. No ano que vem, ela quer discar esse número para 27. Jonathan Cortizo para CNBC Make It

“Não sou um grande tomador de riscos, especialmente quando se trata de finanças”, diz Torres. “Ter esse emprego de meio período realmente me deu a estabilidade e a confiança de que eu precisava para dedicar mais tempo à fotografia.”

Torres passou alguns meses pesquisando práticas de negócios sustentáveis ​​e trabalhando na aquisição de clientes por meio das mídias sociais. Em maio de 2021, cinco meses depois de se formar na faculdade, ela assumiu seu negócio de fotografia em tempo integral.

Combate ao esgotamento

Ao longo do último ano e meio, Torres delegou algumas de suas responsabilidades. Ela investiu em serviços jurídicos para ajudar com contratos, contratou um contador para ensiná-la a arquivar os impostos de sua nova empresa e tem um empreiteiro que a ajuda a editar fotos.

Na maioria dos dias, ela diz, ela sente que está vivendo um sonho. Outros dias, porém, a lembram dos desafios de ser uma jovem empreendedora.

O ano passado foi um ano marcante para casamentos, seguindo as restrições nacionais do Covid-19 de 2020 – e Torres diz que certamente sentiu a pressão. Ela fotografou 46 casamentos em um ano, 10 dos quais em um único mês.

Para combater o esgotamento, ela aprendeu a agendar menos casamentos, embora isso signifique sacrificar a renda. Este ano, ela está comprometida com 34. Ela planeja encerrar a contagem do próximo ano em torno de 27. Ela também começou a terceirizar alguns de seus serviços de seu escritório em Lakeland, Flórida, pagando empreiteiros para editar suas fotos e gerenciar a contabilidade.

Quanto mais equilíbrio entre trabalho e vida pessoal ela puder construir, diz Torres, melhor.

“Quero continuar construindo minha empresa e crescendo e escalando, para que eu tenha mais oportunidades de trabalhar com mais casais com quem realmente me relaciono e viajar para lugares que sempre quis ir”, diz ela.

Comentários