Imagens de HORROR: menina de 6 anos com pijama de unicórnio morreu após ser ferida em um ataque aéreo russo

Por: Redação

Imagens de HORROR mostraram uma menina de seis anos de pijama de unicórnio, mortalmente ferida após um ataque aéreo russo.

Apesar dos esforços heroicos da equipe médica, a menina não pôde ser salva, um médico revoltado disse: “Mostre isso a Putin”.

A menina morreu tragicamente após ser ferida em um ataque aéreo
A menina morreu tragicamente após ser ferida em um ataque aéreo Crédito: AP
A mãe de luto da menina, coberta de sangue e segurando um lenço rosa, espera do lado de fora da ambulância Crédito: AP

As imagens dolorosas mostram a menina sendo levada às pressas para o hospital em uma ambulância em Mariupol depois de sofrer grave ferimentos no bombardeio.

Sua mãe aterrorizada, coberta de sangue e segurando um lenço rosa, foi fotografada chorando enquanto esperava do lado de fora da ambulância enquanto a equipe médica tentava desesperadamente reanimá-la.

“Tire ela! Tire ela! Gritava um funcionário do hospital, enquanto uma enfermeira dava uma injeção na menina e outra tentava reanimá-la com um desfibrilador.

Um médico bombeava oxigênio para criança disse ao repórter que foi autorizado a entrar: “Mostre isso a Putin. Os olhos desta criança e os médicos chorando”.

A trágica criança de seis anos, que não foi identificada, não pôde ser salva.

Outra menina, identificada apenas como Polina, também foi morta ao lado de seus pais em Kiev.

Polina também teria sido morta por forças russas que abriram fogo contra o carro de sua família

A aluna da 4ª série, com cerca de nove ou dez anos, foi morta por um grupo russo de atiradores e reconhecimento de área que abriu fogo contra o carro de seus pais, disse o prefeito da cidade, Volodymyr Bondarenko.

O irmão da menina está atualmente no hospital infantil Okhmatdyt e sua irmã está unidade de terapia intensiva.

Pelo menos dezesseis crianças morreram até agora na guerra brutal, disse o ministro da Saúde da Ucrânia, Viktor Lyashko, ao canal de TV Rada no domingo.

Comentários