Depois de Tancredo Neves, passaram pelo SUS, os políticos: Jair Messias Bolsonaro e Rodrigo Delmasso

Por: Ivan Rodrigues

Por Ivan Rodrigues – S&DS

Brasília – 03 de Novembro de 2020

Ex-presidente Tancredo Neves - Hospital de Base
Tancredo Neves no Hospital de Base ao lado da equipe médica. Divulgação

Tramitava na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 5331/16, apresentado pelo ex-deputado Cabo Daciolo (PTdoB-RJ), que obrigava os agentes públicos eleitos para os poderes Executivo e Legislativo federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal a utilizar o serviço público hospitalar em caso de doença. A proposição foi arquivada em (31/01/2019), pela Mesa Diretora da Casa.

No dia 14 de março de 1985, o presidente eleito Tancredo Neves foi internado no Hospital de Base de Brasília com um tumor benigno. Após submetido a uma operação, ele pegou uma infecção hospitalar. Neves foi transferido para o Instituto do Coração, em São Paulo, onde morreu em 21 de abril, daquele ano.

Passados 33 anos, da entrada de uma autoridade política no SUS, o então deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), em 06 de setembro de 2018, sofreu um atentado durante um comício de sua campanha eleitoral para a presidência do Brasil, dando entrada na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG).

Presidência da República - Jair Messias Bolsonaro
Bolsonaro operado na Santa Casa de Juiz de Fora.

O presidencialista teve lesões nos intestinos delgado e grosso tendo que passar por cirurgia. Bolsonaro foi internado na UTI da Santa Casa.

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi transferido para o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo na capital, na manhã de sexta-feira (7).

Outro político a dar entrada no Sistema Único de Saúde (SUS) foi o deputado distrital Rodrigo Delmasso (Republicanos), em 18 de janeiro de 2020, no Hospital Regional do Guará, após uma forte crise de asma.

CLDF - deputado distrital Rodrigo Delmasso
Delmasso no Hospital do Guará em assistência ventilatória.

Os deputados distritais possuem um dos melhor plano de saúde [Fascal] Fundo de Assistência à Saúde dos Deputados Distritais e Servidores da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Nosso levantamento no CONECT SUS e outras plataformas não encontrou dados de outras autoridades que tenham feito uso do SUS nos períodos compreendidos na matéria.

Se quem destina a verba pública tivesse que usar o sistema público de saúde, ele teria mais recursos e funcionaria melhor.

Comentários