Sexo oral tem causado câncer de garganta?

22 de Outubro de 2019


Dr. J. Alexander Sistiaga, membro da Comissão de Base de Cabeça e Pescoço e Crânio da Sociedade Espanhola de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço / Foto fornecida pelo médico

Dr. J. Alexander Sistiaga Suárez – artigo

Os tumores de cabeça e pescoço localizados na mucosa das vias aéreas superiores, um espaço que nos permite respirar e engolir, têm sido tradicionalmente relacionados ao consumo de tabaco e álcool.

No entanto, desde que a Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC) descreveu o vírus do papiloma humano (HPV) como causa de tumores na faringe, tanto sua incidência quanto sua relevância clínica têm sido resultado de debates entre especialistas dedicados a Oncologia de cabeça e pescoço.

A infecção pelo papilomavírus humano é uma doença sexualmente transmissível, e isso é algo completamente novo nos tumores da garganta. Vamos agora resumir, portanto, o que sabemos hoje sobre esta doença em nosso ambiente.

Os tumores mucosos da cabeça e pescoço, localizados no trato aerodigestivo superior, representam na sua totalidade o quinto a sexto tipo mais frequente de tumores no corpo.

Segundo dados da Sociedade Espanhola de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SEORL-CCC), mais de 11.500 novos casos são diagnosticados a cada ano na Espanha.

Esse diagnóstico é dado em alta porcentagem em estágios avançados e sua taxa de mortalidade geral após 5 anos de diagnóstico é de cerca de 50%, apesar dos tratamentos complexos que geralmente combinam cirurgia, reconstrução, radioterapia e quimioterapia.

Além disso, as seqüelas desses tumores nos sobreviventes longos são frequentemente visíveis e incapacitantes, exigindo processos de reabilitação que incluem fala, deglutição, respiração e humor, entre outros, bem como a reintegração laboral e social de pacientes.

Esses tumores ocorrem predominantemente entre 50 e 70 anos, com maior incidência em homens (embora o número de mulheres que sofrem com eles esteja aumentando), consumidores de tabaco e álcool e com um estado de saúde que frequentemente a eficácia dos tratamentos disponíveis.

Dentro dessa realidade, os tumores orofaríngeos, a parte da garganta imediatamente após a boca, representam 0,9% do total de tumores do organismo, segundo dados da GLOBOCAN.

Esses tumores tradicionalmente atendiam ao padrão descrito, com tabaco principalmente e álcool sendo a causa deles.

Em vez disso, com o advento do HPV na última década, esse cenário está mudando completamente. Os tumores orofaríngeos produzidos pelo HPV são uma entidade patológica não apenas nova, mas radicalmente diferente a priori do restante de nossos tumores. Embora sejam carcinomas escamosos, que são o tipo usual de células malignas, da mucosa da faringe, eles diferem em tudo o mais.

Os tumores orofaríngeos positivos para o HPV, ou seja, causados ​​pelo vírus, são tumores com predileção especial por certas áreas da faringe, como as amígdalas palatinas e a base da língua.

Eles frequentemente geram microtumores ocultos nos mesmos ou pequenos tumores no momento do diagnóstico, mas com a presença de nós cervicais grandes, císticos e múltiplos.

Talvez a característica mais marcante descrita sobre esses tumores seja que eles ocorrem, ao contrário de todos os outros, em pacientes mais jovens e não fumantes, com um estado de saúde muito melhor.

Mas a característica diferencial desses novos tumores é que eles são cânceres com prognóstico de sobrevida cerca de 30% maior que os cânceres nessa área não causados ​​pelo vírus, independentemente de quão avançados eles estejam no diagnóstico e independentemente do tratamento realizado.

No entanto, devemos ser rigorosos ao interpretar essas declarações. Estamos diante de uma entidade muito recente (2007), da qual há muito mais que não sabemos do que podemos afirmar com certeza.

É de rigor científico ser extremamente cauteloso, portanto, com as informações que fornecemos a nossos pacientes e, acima de tudo, criticar completamente a interpretação que fazemos da literatura disponível.

Se já é fato que 12 anos de literatura científica não dão conclusões imóveis, isso é ainda mais verdadeiro se assumirmos que praticamente tudo o que sabemos sobre câncer de orofaringe devido ao HPV provém da literatura americana e, portanto, de uma população com hábitos de vida muito diferentes dos nossos.

Os dados nacionais confiáveis ​​que temos sobre o real impacto desta doença em nossa população nos obriga a ser prudentes ao tirar conclusões hoje.

E é que os dados que vêm da literatura americana nos dizem sobre uma futura pandemia de câncer de orofaringe positivo para HPV (relacionado ao vírus), com publicações que afirmam que excedeu a incidência de câncer de colo de útero.

Até 70% dos novos diagnósticos de câncer de orofaringe nos EUA são positivos para HPV em algumas séries. Esses dados, embora inegáveis ​​e devem nos alertar, não contrastam com a realidade de nossa população. Pode-se estimar que cerca de 20 a 30% dos tumores orofaríngeos no território nacional são atribuíveis ao vírus, embora ainda exista literatura insuficiente para afirmá-lo.

Além disso, o perfil habitual de idade e hábitos do paciente com neoplasia positiva da orofaringe por HPV permanece semelhante ao do HPV negativo (não relacionado ao vírus), provavelmente determinando um prognóstico intermediário para a sobrevivência, menos favorável que o início esperado.

Resta ver se a população espanhola deixa de fumar e muda seus hábitos sexuais no nível dos Estados Unidos, a fim de extrapolar os dados que vêm daí.

Por fim, devemos abordar rigorosamente o novo cenário que enfrentamos, pois o fato de ser uma doença sexualmente transmissível gera um debate e um alarme social do qual não podemos ficar à parte.

Não se sabe até o momento a existência de uma fase pré-maligna demonstrável nesses tumores, ao contrário do que ocorre no câncer de colo uterino.

Portanto, não existe um método de rastreamento que permita um diagnóstico precoce da doença. Além disso, a presença do vírus do papiloma humano na saliva ou nos tecidos da cavidade oral e da orofaringe não implica necessariamente o início de um processo carcinogênico.

Estima-se que mais de 90% da população sexualmente ativa tenha tido contato com o HPV ao longo da vida nas vias aéreas superiores.

Destes, a grande maioria é capaz de eliminá-lo, sendo sua presença indetectável posteriormente. Além disso, dessa baixa porcentagem (5-10%) de pessoas nas quais o vírus permanece em seus tecidos, provavelmente menos de 5% correm o risco de desenvolver um tumor orofaríngeo maligno induzido por ele.

Também é importante observar que a latência com que essa infecção é capaz de causar uma neoplasia é às vezes superior a 20 anos, tornando praticamente impossível discernir o momento exato e o parceiro que causa a transmissão viral.

Conclui-se, portanto, que o câncer de orofaringe causado pelo papilomavírus humano representa um novo desafio para especialistas envolvidos no manejo de tumores de cabeça e pescoço, o que nos obriga a estar alerta e constantemente atualizado para responder a a demanda de nossos pacientes contra esta doença.

É necessária mais literatura para apoiar e ajudar na tomada de decisões em questões críticas, como vacinação da população, diagnóstico precoce e seleção do tratamento mais adequado para cada paciente.

Leave a Comment