Estourar veia de paciente gera obrigação de indenizar

Foto da criança: facebook

Estouro de veia é um rompimento baseado em uma (punção) de um vaso, que evoluiu para equimose e inchaço.

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou o Governo do Distrito Federal (GDF), em 16 de setembro de 2019, a indenizar Alexandra Teixeira, mãe de um bebê que teve a veia do braço direito estourada por uma técnica de laboratório do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) em 2016. Alexandra Teixeira Luiz ganhou a ação e receberá R$ 56.220,00.

Em 13/09/16, Alexandra Teixeira levou Luan, de oito meses, hoje com 1 ano e 10 meses, para tratar de uma gripe no HRT. No procedimento de punção venosa de (retirada de sangue) do menino, a técnica de laboratório estourou uma veia do braço dele, causando-lhe equimose e inchaço.

A mãe alegou ter avisado a técnica de laboratório que não havia veia disponível no local onde a profissional queria perfurar, porém a mesma insistiu no procedimento.

O direito de regresso da Administração Pública em face do agente público causador do dano

O indivíduo que sofre um dano em virtude de uma conduta praticada por um agente público estatal, no exercício de suas funções, pode pleitear a e reparação pelo dano sofrido perante a entidade pública a qual o agente é vinculado. Contudo, a parte final do §6º do art. 37 da Constituição, garante o direito de regresso da entidade pública em face do agente causador do dano, para reaver a quantia que foi condenada a pagar à vítima.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal afirmou que a profissional responderá regressivamente pelo fato ao erário público. 

Ivan Rodrigues é enfermeiro e blogueiro pelo simples prazer de informar

    

320 Comentários

  • Katielly disse:

    Esses mesmos que hora nos condenavam, são eles e seus familiares que nos aplaudem diariamente. Que fique registrado para a história do mundo quem somos e a importância que temos em suas vidas. O juiz (a) que condena uma profissional que busca fazer o seu melhor, onde há adversidades, especificidades e risco na assistência a ser prestada, condena o direito de salva vidas e ao exercício da profissão.

  • Ronaldo disse:

    Nós profissionais da saúde, biomédicos, bioquímicos, técnicos de laboratórios, enfermeiros estamos sempre sujeitos a isso. A veia pode estourar por “N” coisas e em 90 % das causas não é culpa de quem está realizando o procedimento. Nós não recebemos nada pela coleta e nem por colocar o acesso. Apenas médicos recebem por procedimentos, nós não. Talvez se isso ocorresse existiriam profissionais de coleta muito mais qualificados. Isto acontece com profissionais com 30 anos de experiência, é extremamente comum.

  • Fernanda R.R disse:

    Sou formada em Técnico em Análises Clínicas, fiz estágio em laboratorio e durante todo meu curso e estágio aprendi a ouvir os pacientes (afinal, sou paciente também, faço exames de sangue a cada 3 meses é transfusão de sangue a cada 20 dia – tenho talassemia maior igual a Brenda da novela amor de mãe), os pacientes, mesmo não sendo profissionais da saúde, conhecem seu corpo, sabe onde tem a melhor veia para puncionar. Os profissionais tem que ouvir os pacientes (ou seus parentes no caso de criança), olhar o local onde o paciente fala que a veia é melhor ou procurar outro local onde a veia seja mais calibrosa. As veias mais finas são mais fáceis de se romperem (“estourarem”). O correto nesse caso seria uma profissional capacitada para atender bebês e crianças, nesse caso a mãe agiu corretamente.

    • Alaine disse:

      Estou de acordo! Escutar os pacientes é uma das melhores decisões que um profissional pode fazer. Primeiramente gera empatia e confiança pro paciente e estou segura que se tivesse ouvido a mãe dessa criança e ainda assim tivesse estourado a véia, a mãe não teria reclamado. Muitas vezes não é falta de profissionalismo, a maioria das vezes é falta de empatia e aproximação ao paciente.

  • Luisa disse:

    Processo médicos, enfermeiros, o Papa, Bolsonaro…quem vier a causar lesões em minhas crianças.

    • Ricardo disse:

      Cuide dos seus filhos para que não precise do servido de saúde, esse tipo de coisa pode acontecer de pendendo do estado de saúde de qualquer ser humano.

      • Beatriz disse:

        Acontece sim com um profissional que não trabalha por amor, eu sou tec em enfermagem nunca me aconteceu isso.. Já perdi veia em paciente na mesma hora fechei o soro e procurei outra veia pra correr a medicação, infelizmente nem todos trabalham por amor, eu amo cuidar da pessoas e ver elas bem.

        • Gisele Caetano disse:

          Nunca aconteceu com você? Então você quase não punciona minha querida! Ainda mais se você extravasou um acesso, não é o soro ou a medicação que faz o hematoma e sim o sangue desse acesso rompido. Hematomas acontecem dependendo do paciente, idosos SEMPRE tem hematomas devido a fragilidade capilar, bebes por se movimentaram muito e o responsável não segurar direito por pena da criança faz com que a punção seja extremamente difícil para o profissional, podendo sim ocasionar hematoma. Existem casos e casos, essa questão de indenização deve ser muito bem avaliada

    • Flávio Santos disse:

      Então não porucre os serviços de saúde, pois iatorgenais podem acontecer em qualquer indivíduo, iatorgenais acontecem até pela variabilidade fisiológica e Estado de saúde do indivíduo!

      • MILSANI disse:

        EU NUNCA QUIS TRABALHAR NA PEDIATRIA , É MUITO DIFICIL A PUNÇÃO VENOSA EM ADULTO , IMAGINA EM CRIANÇA , TEM VEIA QUE VOÇE PUNCIONA , ELA SAI DO LUGAR , TEM VEIA MUITO FUNDA , É MUITO COMPLICADO SER ENFERMEIRA ….

      • Maria José disse:

        Os profissionais da saúde, não se importa muito com o paciente. Eles são arrogante e prepotente, frequenta a faculdade só pra adquirir o diploma. Mais depois que se inicia no trabalho, vira uns selvagens sem coração. Tem muitos bons que trabalha com amor, mas muitos são apenas pelo salário que recebem.

    • Hamilton disse:

      Todo procedimento tem um risco. A cautela é necessária para determinar se a técnica em enfermagem cometeu realmente impericia, negligência ou imprudencia, independente de causa ganha ou nao. Anatomicamente a fossa braquial é o local mais utilizado para se encontrar veia, tudo depende do paciente também, por isso o processo precisa ser avaliado com critério e conhecimento por um profissional habilitado. Se por um lado o profissional deve ouvir os pais da criança quando eles dizem não ter veia em determinado local, os pais devem também tomar cuidado para não prejudicar o procedimento que já é difícil.

    • Francisca disse:

      Aconteceu isso com minha filha só q foi na mão a mão dela passou tempo roxa , ela tentou umas 2 vezes aí n deu certo depois q estorou passou pra outra mão dela , ela tava com dias de nascida. Eu n fiz nd

  • Aline disse:

    Mimizada hein… Qnd médico puncionando femural, q perfura a bexiga. Vocês batem palmas?? Qnd são eles pucinando na radial, deixando o braço dormente, vcs gostam né.?
    Palhaçada, acha o q? Q os profissionais de saúde causam um rompimento pq quer? Óbvio q não! Se sente a veia, mas na hora da punção é uma caixinha de surpresas! Não querem ficar com um roxo, não vá ao hospital ou aprendam se puncionar! Lavem melhor tbm a pele de vcs, um furo aí é porta de entrada para infecção… A maioria por bactéria q tá na pele, pq não tomam banho direito…. Estamos ali para ” salvar, manter a vida” …..

    • Luisa disse:

      Foi um bebê e não uma pessoa adulta, duvido se fosse teu filho vc estaria com esse discurso tosco sua imunda.

    • Eu disse:

      Vc deve ser uma escrotinha de uma enfermeira de merda se um dia eu levasse minha crianca pra ser atendida e fosse vc atender e acontecesse isso vc iria tomar um murro no meio da sua lata

    • Daniela Santos disse:

      Acho até normal perder a veia mas se foi o caso da foto não foi um simples rompimento n hora da pulsão, tá muito feio.

    • MIDIAN disse:

      Sério vc deve ser umas desta enfermeira mal amada que trabalha pelo dinheiro não pelo prazer de salvar uma vida sorte desta enfermeira que não e um filho se a pessoa procura um hospital e porque tá doendo porque realmente precisa ser tratado aí chega lá quando não e mal atendido pelos médicos são mal atendido pelos inferneiros até quando temos que assritar isso pessoal como vc mal amada nós atendendo achando que não e obrigação de vc nós tratar bem até quando não gosto de lidar com passientes pessoa demissão vai procurar uma coisa que li agrade mogeuenta

    • Jorge disse:

      Aline ,você só pode ser uma pessima profissional. Além de não saber escrever direito, mostra-se que é uma pessoa mesiocre!

    • Elaine Freitas Oliveira disse:

      Aline concordo com você

    • Sueli disse:

      Estourar uma veia não significa que o profissional seja incapaz, depende da anatomia de cada paciente e das comorbidades que ele tem. ( idoso costuma ter fragilidade capilar; febre faz a veia estourar com maior facilidade; paciente oncológico tambem) Então, antes de falar besteira vai estudar a respeito do assunto pra fazer um comentário pertinente. Z

  • Luiz Barroso disse:

    JÁ OUVIRAM FALAR DE CPF CANCELADO? EU DIGO, QUE É PRECISO MAIS COREN E CRM CANCELADOS PARA SEGURANÇA DA SOCIEDADE.

    • Jacqueline disse:

      Morre que passa!

    • Rafael Moreira disse:

      Por segurança da sociedade(dos clientes), existem os conselhos de classe para supervisionar atos e condutas. Há 18 anos sou técnico em enfermagem.
      Não ganho por punção ou sinto prazer em causar dor em ninguém, pelo contrário, minha satisfação profissional é ajudar a aliviar a dor e cessar a causa dela. Puncionei veias de bebês de 3 dias de vida e de um Sr de 103 anos. Não existe em área nenhuma 100% de sucesso. Seja uma cozinheira que faz diariamente arroz, uma hora pode queimar ou salgar, ou em engenheiro que projeta uma estrutura que pode não sustentar o peso.
      Talvez a solução para a questão das punções venosas cliente assinar um termo dando ciência sobre puta riscos inerentes ao procedimento. Inclusive o insucesso na primeira tentativa. Ou recusar a prescrição médica por esta via.
      Para veias de bebês, além de tudo ser mais frágil existe o movimento de reação a dor causada pela picada da agulha, ele contrai o braço.
      Já retirei do carro um Sr obeso em parada cardio respiratória, além dos danos ergonômicos que sofri ao retirar o corpo do carro, dor lombar, trauma no joelho para ele não cair, ( não estou me queixando, apenas citando coisas inerentes a minha função), na punção venosa num corpo onde o coração não estava fazendo a circulação, consegui só na terceira tentativa. Felizmente reverteu a parada, foi para UTI, três dias depois estava de alta. Mas na avaliação da família no impresso de qualidade no atendimento havia uma queixa pelas marcas deixadas pelas duas tentativas minhas das punções com insucessos.
      Não me considero incompetente por isso nem espero que o coren casse meu registo por este fato. A remuneração financeira que tenho pelo trabalho que presto segura meu sustento e de minha família.
      Desejo o bem e faço o bem sem olhar a quem. Só lamento o julgamento e condenação, ao meu ver, injusta.

      • Dilson disse:

        Top suas palavras, nem sempre vamos conseguir puncionar de primeira, porém tem técnicos de enfermagem que precisam sim rever suas técnicas de punção venosa .

        • Liana disse:

          Concordo. Tem endermeiros que tinham q ter coren cassado. Eu passo por isso minhas veias sao frageis. Nao por frescura por questoes fisicas esempre aviso onde tem veia boa e que nao aguenta agulha grande. Eles sempre pagam pra ver e estouram minhas veias bom saber que tenho esse direito pois o proximo que fizer isso comigo vou processar
          Sempre a mesma coisa depois ficam com cara de bunda todo sem graça pedindo desculpa por nao ter acreditado. Ja chrgaram e me furar mais de 7 vezes.
          Enfermeiros de hj em dia fazem o curso por dinheiro. Na visão de trabalhar 6 hs por dia e ganhar dinheiro nao tão nem ai. E como toda profissao maos ainda Medicina pois cuida vidas. Tem que ter amor pelo trabalho e falo: enfermeiros de hj tudo moleque tudo gente jovem irresponsavel. Pelo menos a maioria pois acredito que tenha enfermeiros bons ainda. Mas esses são pouquíssimos.

          • Luky disse:

            Se fosse por dinheiro Nao iríamos aturar gente chata q nem vc. E outra nos técnicos e enfermeiros ganhamos mt pouco para aturar certas situações, quando forem ao hospital peçam para o médico funcionar vcs seus filhos familiares pq eles podem tb

          • Andreia disse:

            Sábias palavras, perfeito posicionamento! Por mais profissionais sensatos , conscientes de sua função e dever e valor. Parabéns!

        • Monica disse:

          A enfermeira do posto de saúde que frequento, não quis usar minha melhor veia, aliás minhas veias são otimas, por medo , pois é uma veia de calibre grosso, foi tirar o sangue de uma veia fininha. …advinhe o que aconteceu? ?? ESTOROU !! ESTOUROU!!! Meu braço está horrivel, dolorido, todo roxo. E ela disse: e eu nao quis tirar da grossa e olha o que deu…. Virou as costas e saiu. E aí COREN eu faço o que?

      • Parabéns pelas palavras. O mundo é assim vc faz dez coisas certas e comete um erro e te julgam pelo erro. E não veem o seus acertos

      • Meiriely disse:

        Sou tec. em enfermagemtbm e concordo plenamente com vc, crianças e bebês quando estão desidratados, febre ou diarréia fica muito mais difícil o sucesso da punção na primeira tentativa. As veias são muito frágeis, não tem como o profissional garantir que a veia não vai romper.

      • Alcione disse:

        Corretíssimo o que vc falou!!!!! Deveria mesmo ser criado um termo da mesma maneira que é assinado termo quando se passa um cateter central, cateter de.picc, etc.

      • Loide de Sá disse:

        Não espere agradecimento por salvar essa vida, esse povo é cego e ingrato!!!

      • Ana Quinaglia disse:

        Parabéns pelas palavras, infelizmente só sabem ver as falhas.

      • hurda disse:

        👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

      • Luciana disse:

        Só li verdades! Só quem é da área e passa por isso diariamente sabe quão difícil é uma punção em certas situacoes.

      • Rafael…sou enfermeira e parabenizo sua coloção. Não estou julgando se certo ou errado a situação, mas devemos antes de apontar avaliar situação, circunstâncias. Antes de criticar…melhor avaliar. Perfeito Rafael, só lamento a família que queixou sobre a punção, sem avaliar o contexto. Infelizmente muitos julgam a enfermagem…

      • Rosângela disse:

        Concordo com tudo q disse e lamento profundamente atitudes d certas pessoas…

      • Rosa disse:

        Você disse tudo, nem vou continuar lendo os outros comentários.

      • Ana Paula disse:

        É amigo ,é lamentável a nossa sociedade que tudo se resolve na porrada,penso como vc, eu estou no sexto período de enfermagem ,e tudo que quero é trabalhar, dá um atendimento digno e humanizado, tentar fazer a diferença , e me deparo com uns comentários tão agressivos que tenho medo.

      • Cristina Silva disse:

        Certíssimo

      • Cristina Silva disse:

        Certíssimo Rafael Moreira

      • Elaine Freitas Oliveira disse:

        Rafael Moreira, concordo , também sou auxiliar e Técnica de enfermagem

      • Andre disse:

        Concordo com vc👏👏👏, por mais que fazemos, nunca é bom o suficiente para a família, infelizmente isto pode acontecer, e com toda certeza não é nossa intenção, porém o estado geral do paciente faz toda diferença. 👏👏👏

      • Elaine Rodrigues disse:

        Verdade Rafael! Trabalho como técnica de enfermagem ,atuo junto ao paciente e familiares com respeito, empatia e sempre faço cursos,voltados a aperfeiçoar e reciclar as técnicas inerentes a profissão. Infelizmente,mesmo realizando o procedimento de forma adequada,existe o risco de falha na punção venosa . Como pais, o erro é inadimissivel,mas como profissional , principalmente para o que executou o procedimento, é frustrante.

      • Sincera disse:

        Parabéns pelo seu grande trabalho na sociedade meu amigo…não espere que ninguém te agradeça por fazer o algo bom, mas acredite se errar, sem querer lógico, terá milhares para te apontar e julgar, espero que continue acreditando na sua profissão, que com certeza é uma das mais difíceis na minha opinião, pois eu não consigo puncionar a mim mesma se um dia precisar de socorro imediato mesmo estando consciente…meu respeito a classe de tecnicos,auxiliares,socorristas e afins..

      • Rosmeila disse:

        Olá!
        Fiquei internada 16 dias, na época tinha 38 anos, sou daquelas pessoas q infelizmente ñ tem veias aparentes, todas “estouraram” mas eu sei do meu problema é sei o qto sofri, porém também sei o qto fui bem tratada e percebia a angustia da equipe de enfermagem. Enfim., saí do hospital com os braços e mãos totalmente roxas de hematomas. Jamais imaginei colocar a culpa nas pessoas q me atenderam.

      • Telmo disse:

        Nota 10
        Há maus profissionais mas a grande maioria faz o melhor que pode num país que tá se lixando pra saúde há pelos menos 30 anos.

    • Robson disse:

      Para a segurança da sociedade. É necessário que pessoas com o mesmo pensamento que o seu, estejam enclausuradas em um manicômio.

    • Rute disse:

      Isso aconteceu com migo em 2018 dentro de uma UTI, até hoje sinto dor no braço, meu braço ficou da cor de um carvão, duro que nem mexia, e a enfermeira ainda veio me dizer que foi somente uma veinha que tinha estourado , em outubro vai fazer 2 anos.

    • Anderson LS disse:

      Lamentavel saber que existe pessoa com esse tipo de pensamento.
      Infelizmente o corpo humano não é como uma maquina cujas as peças são idênticas como se fosse entre um carro e outro de mesma marca.
      Nem mesmo a sua mão é uma igual a outra.
      Veias são difíceis de se realizar a punção. Leva se em consideração muitos fatores para que tudo de certo.
      Pense bem… se vc precisar de uma medicação de emergencia na veia, deixe avisado os profissionais que eles devem acertar de primeira, caso contrario vc vai processa los. Aí sim vc vai entender a necessidade de se deixar ser puncionado quantas vezes forem necessárias para que possa gerar seu bem estar. Imagine se num acidente vc tiver a perna amputada, sera preciso conter a dor, quem sabe com tramadol ou morfina endovenoso… não estou jogando praga, kkkkkkkkk mas vai que acontece kkkkkkk
      Não é querer jogar praga viu kkkkkkkkk

  • Fátima Passos disse:

    A médica pediatra Fernanda Sousa, do HMIB em Brasília, que receitou superdosagem de adrenalina (3,5 ML) para a menina Rafaela Luiza Formiga de Morais, de 1 ano e sete meses, que veio a óbito, insistiu, que o enfermeiro aplicasse a super-dosagem na criança. A menina começou a passar mal poucos minutos após a aplicação de adrenalina. Ela foi entubada ainda no HMIB e foi transferida para o Hospital de Santa Maria. Na tarde da quarta-feira, a menina teve cinco paradas cardíacas e morreu. “Apliquei intramuscular, que tem absorção mais lenta, e não intravenosa, como é de costume. Se fosse prescrito de forma intravenosa, eu não faria”, afirmou o enfermeiro (Técnico de Enfermagem) que não teve o nome revelado.

    De acordo com o código de ética de enfermagem, o profissional poderia ter se negado a aplicar a substância. No depoimento, o profissional afirmou que temeu que algo pudesse acontecer com a menina, caso não aplicasse a quantidade exagerada de adrenalina.

    A criança teve várias lesões por punção, intubação entre outros procedimentos errados.

    Tanto a médica quanto o enfermeiro continuam trabalhando na secretaria de Saúde do DF. A médica na regulação do SAMU matando mais crianças? O enfermeiro o advogado conseguiu fazer mágica escondendo-o em algum lugar.

    SEM PALAVRAS! QUE CORPORATIVISMO DESSES PROFISSIONAIS QUE MATAM E MATAM!

    • Regina disse:

      Gente fico muito triste com isso. Sou técnica e já trabalhei em hospital, onde acontece o seguinte o médico prescreve pois ele estudou pra isso. Os técnicos aplicam o que os médicos passam e se VC se nega eles vão te responsabilizar pelo que ocorrer com o paciente se não receber a médicacao presqrita por médico. Acho que o médico deve se responsabilizado e não o técnico que aplica pois o técnico não é médico e não prescreve apenas aplica o que o médico manda. Se ele não aplica e a menina vai a óbito a família vai em cima dele pois logo vai ficar do lado do médico que prescreveu e o irresponsável que não estudou pra isso não fez o que o doutor mandou. É assim a corda sempre quebra pro lado mais fraco.

  • Valéria disse:

    Valéria Araujo Drigo
    Meu esposo possui Oi porthocath por possuir acesso venoso . O mesmo foi o último dia 12/02 no hospital sepaco em São Paulo. Ele avisou da difículdade, mostrou o pirthocath para a equipe mesmo assim puncionaram a sua mão. Meu esposo está com flebite da mão direita, já tomou várias medicações mas a mão não desincha, ela dor está muito forte. Já foi no vascular, PS, e não há melhora, ele está com o nível de açúcar alterado e sinceramente estou muito preocupada, não sei o que fazer . Podem me orientar??

    • este tipo de cateter só pode ser puncionado por Enfermeiro treinados. Não pode ser puncionado por técnicos de enfermagem.
      ¨”Do questionamento quanto a competência da punção do cateter Port-a-Cath®
      , por ser
      uma atividade assistencial de alta complexidade, compete ao Enfermeiro. Vale salientar que
      este profissional deve ser dotado de competência técnica e científica, além de habilidades que
      sustentem as prerrogativas da legislação para a realização do procedimento.
      Ao Técnico de Enfermagem compete acompanhar a infusão do medicamento, sempre
      sob orientação e supervisão do Enfermeiro, além da comunicação imediata de qualquer não
      conformidade”

  • Priscila disse:

    Estourar veia é uma coisa (flebite), saber q não conseguiu é continuar insistindo principalmente no mesmo local é outra!
    A flebite acontece quando os vasos se rompem, ou quando o fluxo de infusão é maior q o calibre da veia.
    Infelizmente temos profissionais q ainda insiste no mesmo lugar causando edema, feridas e etc!
    Mas temos q pensar tbm q há pessoas q são de difíceis acessos como os idosos e crianças!
    Como eu disse, insistir no mesmo lugar isso é um absurdo ( q é o q aparece nessa foto), agora querer milagre de pessoas q são de dificil acesso ai é dose, nem todos os hospitais e pronto socorro disponibiliza de cateter venoso central ou de Pic.
    E nem todos sabem puncionar uma jugular externa, cabe a enfermagem avaliar e vê se não há competência passar a bola para outro colega; sempre tem um mais safo!
    Além do mais os técnicos de laboratório infelizmente tem o vício de puncionar nessa dobra, e geralmente os exames sanguíneos de pacientes internado são diários e no mínimo 2x nas 24 hrs!
    Aí é fd!

    • Veronica Rodrigues de Oliveira Alves disse:

      Flebite é inflamação causada por agente químico (meficamento), físico (presença de cateter) ou biológico (microorganismo): a veia fica dolorida, com hipremia, podendo ter secreção ou não; rompimento do vaso ocorre por transfixação da veia pela agulha ou cateter, resultando em hematoma e equimose devido ao extravasamento de sangue no tecido adjacente.

    • infelizmente a difícil punção ou o transfixar o acesso são riscos inerentes ao procedimento. Independe da experiência profissional ou da competência técnica. Se tivermos que arcar com as indenizações pleiteadas melhor procurar outro ramo profissional…Por amor a profissão aceitarmos os riscos e não nos sentimos felizes quando o procedimento não sai a contento.

    • Silvana disse:

      Em dezembro fiquei 15 dias internada por uma pancreatite. Tenho sérios problemas com acesso, por isso indicaram o pic, nunca tinha ouvido falar, nem seus prós e contras. Foi feito numa quinta feira, meu médico só veio no sábado, na sexta havia vindo uma médica da sua equipe. Quando ele chegou no sábado e viu meu braço, pediu um usg de urgência, feito. Resultado um tombo enorme no local de entrada do pic. Na dobra do braço, tendo 42cm de cateter dentro do braço, lá fui eu p UTI, tomar anticoagulante em dose cavalar. O braço na dobra estava próxima dobra e inteiro inchado, no que ainda não voltou totalmente ao que era antes.

      Ninguém se responsabilizou por nada e nem sei a quantas anda esse trombo, pois ninguemme informou sobte nenhum procedimento a seguir.

  • MATHEUS CAVALCANTE disse:

    Prova prática para todos os profissionais da saúde. Falei todos, inclusive os médicos! Não somos mais pacientes e sim clientes. Processei o ortopedia, Humberto, do HRAN por ter feito uma punção de joelho desastrosa em mim que lesou-me para sempre. Não posso mais jogar bola, andar de bicicleta… Assim farei com qualquer profissional por qualquer futura lesão que venha sofrer, inclusive estourando minha veia como o fato da matéria acima. Quer ser profissional então honre o ser profissional sem causar lesão ao cliente. Se não sabe ou não dá conta, chame por ajuda.

  • daniele disse:

    meu filho que hj tem 3 anos.teve esse tipo de descazo ele nasceu prematuro de 33 semanas e ficou entubado,mas o medico avisou que ele nao podia tomar as vacinas de imunizaçao.que o meu filho so iria ser imuni quando completace as 40 semanas mas uma enfermeira deu as vacinas dele que um mes depois começou a inçha o braço dele e o criou um enchaço no local hj meu filho tem um ederma intra muscula que o vaso criou uma hemoragia e nunca consegui tratamento fico mando eu pro lado e outro ate em infectologista ele ja foi e tambem tratamento pelo tropical mas que nada resolveram muito triste

    • Jéssyca disse:

      A cada dia que passa está pior exercer a enfermagem! Sinceramente eu não sei onde isso vai dar… Gente, erros acontecem em TODOS os lugares a todo instante! Existem algumas coisas que não são erros, não dependem do profissional que executou o procedimento… Em punção periférica é super normal acontecer de romper uma veia, e digo mais, a depender da condição do paciente é impossível encontrar uma veia! As pessoas devem estudar mais antes de destilar tanto ódio, chamar o próximo de imunda por causa de um caso isolado! Já passei horas com uma equipe tentando pegar acesso em pediatria, também já passei bastante tempo tentando reverter uma RCP e diversos outros procedimentos que nem sempre deram certo por diversos fatores! Fico chateada com essas coisas por ver pessoas dizendo em dar um soco na cara da enfermeira que furar o filho mais que uma vez… 😞

  • Elaine disse:

    👏👏👏👏poucos falaria por nós como vc falou…agradeço em nome da equipe de enfermagem

  • Gumercinda Pereira disse:

    Eu sou mãe, não sou da área de infermagem. Mais observando os comentários percebi que muitas pessoas não têm conhecimento. O caso de uma veia estourar não é a enfermeira que é incompetente.. Isso varia de indivíduos para indivíduos, uns apresenta. Uma veia de fácil acesso. Outros as veis são fracas e de difícil acesso. Entendo que estourar uma veia, não seja porque o profissional é incompetente. Já aconteceu comigo, com meus filhos, mesmo assim não estou aqui para recriminar o trabalho de ninguém. Todos estudaram e tem competência. Mais isso pode acontecer com os melhores profissionais do mundo.

    • Vera Abreu disse:

      Por isso não concordo com a divulga ao desse tipo de matéria. A população em geral não tem conhecimento técnico e não sabem como o corpo funciona. Se cada veia estourada a pessoa for processar o profissional, ninguém mais vai querer trabalhar. Sendo que às vezes é o paciente que tem fragilidade capilar!!!!

    • Flávia Tatiana disse:

      Exatamente, não somos máquinas , somos seres humanos, um vaso estourado na maioria das vezes não é incompetência, mas sim o risco do procedimento em sí. Não acontece pq somos incompetentes ou pq queremos lesar ninguém… Pelo contrário , estamos alí para ajudar e conseguir o acesso de primeira é o nosso objetivo, tanto para o nosso trabalho , quanto para o bem do cliente. Se formos pagar por acessos venosos estourados oi transfixados , vamos responder muitos processos durante nossa carreira, pq isso é bastante comum de acontecer, infelizmente é a vdd.
      Muito obgda pelo seu comentário. A enfermagem agradece.

    • Ana Paula disse:

      Achei seus comentaria de uma lucidez ,mas gente como vc Gumercinda.

  • Núbia disse:

    Você foi muito feliz com suas palavras, poucos reconhecem a importancia da enfermavem, o profissional.está ali porque sabe o que está fazendo.
    Oque me assusta é a reportagem enfatizar que a mãe havia dito que ali não tinha veia para puncionar, como assim assim a me sabe mais que a profissional habilitada para fazer isso e outra nem.sempre um veia é visível, primeiramente sentimos, tateamos para encontrar a veia. Muito difícil ter quem aponte o dedo mais do que ter quem reconheça o dia a dia.

    • Denize disse:

      Desculpe mas eu discordo de vc. Mesmo vcs sendo profissionais nem sempre sabem tudo. Já passei por essa experiência duas vezes, uma com meu filho, a técnica de enfermagem não achava a veia dele e ficava fazendo do bracinho dele uma peneira e eu falando pra ela que não adiantava insistir e dei um basta, aí veio uma mais experiente e disse que realmente não tinha jeito e pegou a veia do pezinho dele. A segunda foi com minha mãe, uma senhora idosa, que não tem veia aparente no braço. Normalmente tiram o sangue dela da mão com cateter infantil, e a gente avisando pra técnica, mas como ela achava que sabia tudo, insistiu e deixou o braço da minha mãe todo roxo. Por fim acabou tirando da mão e depois deu gelo pra colocar no braço. Podemos ser leigos no assunto, mas muitas vezes sabemos mais que vcs. Então eu acho que se a gente avisa é pq sabemos o que vai acontecer e vcs deveriam acatar o que falamos e não serem arrogantes. Ninguém sabe tudo. Sempre temos algo pra aprender.

  • Alanna Duarte disse:

    Estamos falando de profissionais e profissionais, enquanto tem uns que são ótimos e realmente estourar uma veia acontece, agora temos que ser justos e t profissionais que não consegem nem saber por onde os vasos passam e fazem seus pacientes de peneiras culpando os mesmos por nao terem acesao.

  • Edilma Ferreira disse:

    Sou técnica em enfermagem, Dra., agradeço sua defesa. Quando puncionamos uma veia por diversas dificuldades podemos perder aquela veia que se desejou puncionar. Veias de criançao e bebês são de difícil acesso, porém não conseguir a punção é sinônimo de incompetência. Se essa moda pega, de processar o profissional por perder uma punçao , haja dinheiro para indenizações.

    • Patricia disse:

      Eu não sou técnica de enfermagem nada parecido,Mas na minha opinião existe técnica de enfermagem maravilhosas que sabem lidar com crianças meu filho ficou 6 meses na uti ele tem algumas marcas porque foi preciso para poder colocar o soro…Agora meu filho mais novo tem trauma de enfermeira pq passou mal levei ele na UPA nossa eu quase chorei com ele a moça furava no mesmo lugar várias vezes até que por Deus chamou outra moça que em menos de minutos conseguiu achar a veia .
      Por esse motivo eu acho que não devemos julgar todos por causa de 1 ou 2… Tem técnicas maravilhosas como tbm tem algumas que não sei oque acontece… mas processar já é de mais….na minha Opinião

    • Natália Mended disse:

      Eu deixaria a profissão. Não pela irresponsabilidade , mas pelo fato de trabalhar todos os dias com medo de puncionar uma veia fina ou uma artéria é ser processada mesmo tentando fazer o meu melhor . É relativamente comum os hematomas ( não falo o caso da foto ) mas quem é da área sabe o quanto é comum , até mesmo se a veia for calibrosa e o paciente nao apertar após a punção pode haver formação de hematoma . E ainda assim seremos responsabilizados por algo que não podemos garantir que não vá acontecer . Gente ! Quem é técnico sabe o quanto é ruim ver o braço roxo , não fazemos por maldade e nem falta de técnica necessária . ( na verdade eu continuaria sim na área laboratorial ou sendo técnica em enfermagem , mas só se o coren garantisse pra gente que nós profissionais podemos recusar a puncionar um paciente na situação de ( desitracão , crianças ou qualquer situação pela qual a veia possa não ser tão favorável a ser puncionada ) a menos que o pct autorize o mesmo .

  • Gilberto Medina disse:

    Decisão infeliz por parte da justiça. Ora é evidente que quem faz a coleta quer apenas retirar o material com a maior rapidez e com o mínimo de dano, porém ha muitas variáveis a serem consideradas em uma coleta sanguíneo e pode sim acontecer que o vaso rompa. O que de faz com essa decisão infeliz é inviabilizar as coletas sanguíneas uma vez que não há previsibiladade de qual paciente e em qual vaso isso irá acontecer. Apenas para ilustrar o texto diz que “a mãe avisou que não havia vaso sanguíneo naquele local”,ora, se não houvesse tal vaso não teria feito o rompimento.

    • Fatima Gonçalves disse:

      Muito complicado acharem que um técnico em enfermagem deseje causar um mal tão grande a alguém e principalmente a um bebê! Sou técnica e amo a minha profissão apesar de não querer mais exercer por questões com esta de injustiça! O erro da colega foi somente não ter procurado ajuda assim que a mãe reclamou ! Mas infelizmente alguns profissionais pelo ego não querem ajuda pra não ter a imagem de falta de competência! Todas as vezes que preciso tomar medicamento venoso ou fazer exames passo por está situação de levar muitas agulhadas por acesso ruim! E nem por isto vou sair processando ninguém!! Realmente muito difícil imaginar um técnico pagar uma indenização como está! absurdo!!! Atenção colegas corram atrás do respaldo,tentou não conseguiu chame ajuda e principalmente de crianças,chamem ajuda e testemunhas!!!

  • Luciane disse:

    Bom sou técnica de enfermagem do setor da pediatria temos um aparelho para melhor visualizar o local a ser puncionado exatamente para que todos inclusive a mãe ver onde o cateter está perfurando e se realmente está na veia mesmo assim todos visualizando não é garantido que não estoure ou perca essa punção cada ser humano tem um tipo de veia já peguei recém nascido com veias parecendo de adulto e adulto com veias de criança mega finas e sensíveis então não é culpa do profissional ou dos pais cada um nasceu de uma forma mas eu também sei que a culpa só cai para a enfermagem o certo é fazer conforme o Coren nós respalda somente duas tentativas e depois o médico que mude a conduta para o tratamento do paciente e os pais podem sim recusa a punção nem todo tratamento é endovenoso só se for caso grave

  • Karolyn Senne disse:

    Obrigada pelo carinho e defesa de nossa classe doutora 😘😘

  • Sandra disse:

    Perfeita colocação De Paula!!

  • Andresa disse:

    Complicado, sou adulta e semana passada fui ao hospital ser medicada e pasmem 4 técnicos e uma enfermeira foi tentar colocar o soro p medicar cada um furava em um local e não dava certo sei q tem dificuldade mas percebi q alguns deles não tinha habilidade e se sentia mais aflito do que eu q estava sendo furada inúmeras vezes sem resultado ..resumindo com muito custo conseguiram p piorar depois de 2 dias retornei ao hospital e foi a mesma coisa ninguém conseguia e ia passando a vez p outro técnico ou outra enfermeira …é desgastante toda vez q penso. Em fazer exame de sangue em determinados laboratórios ou ir ao hospital tenho pavor pq já sei a tortura q vou passar

    • Silvânia disse:

      Tbm sou assim.tenho veias q chamam de bailarina. Peço sempre p.nao tirar naquele lugar que não vão achar.mas sempre me machucam. Aí vê q ñ dá certo aí vai p a mão. É horrível

  • Luis Francisco Mesquita disse:

    Realmente se a moda pegar vai ter 99% dos profissionais sendo procesados, pois sim e dificil uma punção venosa mesmo sendo o profissional qualificado, pois muitas vezes as veias não sao visiveis., veias frageis, desidratação onde fica dificial o aceso venoso periférico, muitas vezes vão estravassa devido a todos estes morivos que coloquei!!! Outra a enfermagem ja e mau renumerada aí vc imagina ser procesado por tentar salvar uma vida ou punciona para ser medicada o paciente independente de idade ou em casos de emergência ou urgência? Ondevamos parar???

  • Alexandre disse:

    Algumas questões importantes: 1. Pra quer levar uma criança pra um hospital regional apenas por uma gripe? 2. Pra que pedir exame de sangue apenas para uma gripe? 3. Se ali não havia veia, como q danificou a veia? 4. Qual a respondabilodade da mãe em a técnica estar fazendo uma punção e ela tagarelando no ouvido da técnica q ali não tem veia até ela lesionar a veia?
    1 culpado: a mãe q leva uma criança pra um hospital regional pra tratar um doença q minha avó tratava em mim com xarope de angico.
    2. A médica q pede exame sem indicação para uma doença q trata com dipirona e chá em casa.
    3. O SUS q não cria mecanismos para evitar de atender resfriado nu. hospital regional.

    A bem.da verdade essa técnica deveria ser indenizada por exposição indevida de sua imagem.

  • PAULA MARTINS BALDUINO Matrícula: 16580818 disse:

    Sou médica pediatra no Hospital Materno de Brasília e sei do compromisso dos profissionais de enfermagem com os pacientes. Não se medem suas capacidades e competências por uma punção venosa. Nós médicos não sabemos puncionar veia como esses profissionais com tamanha destreza. Imaginem um serviço de saúde sem esses profissionais para aplicação de medicação endovenosa?

    • Márcia Andrade disse:

      Obrigada pelo apoio a classe doutora!!! Por mais profissionais como a senhora no mundo! Deus a abençoe

    • ROSANA SILVA disse:

      Gratidão pelo seu comentário

    • Pois acho que a senhora teria a obrigação de saber…é o mínimo…

    • Caique Tassito De Sousa Ferreira disse:

      Nossa a Sra está de parabéns pelo reconhecimento. Sou poucos e posso aposta que vc e muito querida onde passa pela tamanha humildade onde uma civilização julga classes!

    • CLEMERSON DOS SANTOS OLIVEIRA disse:

      Obrigado, Dra

    • Elaine disse:

      Parabéns por defender nossa profissão são poucos que nos defende Elaine

    • Florence disse:

      Parabéns pelo seu comentário.Isso aí em 22 anos de enfermagem nunca vi um médico ou uma médica a nosso favor. Parabéns mesmo a sua equipe de enfermagem deve se orgulhar de trabalhar junto com a Dra.

    • Sandra disse:

      Adorei sua resposta Dr Paula!!

    • Vanessa disse:

      Voltam para a faculdade então, pq se tratam de vidas, queria ver se fosse seu filho ou sibrinho se vc se possisiinaria da mesma forma, ou se vc daria uma solução.
      Então faça reflexão Dra., consciência e livre arbítrio Deus deu para todos.

    • Karine disse:

      Eu concordo com você. Agora falo como paciente. Tenho lúpus. Fiz sessões de pulsoterapia. Muitas sessõesz… sinto muitas dores em tudo. O que menos me preocupou foi a marca da ceia estourada. O meu braço não tinha mais veias! Saí com o braço todo marcado e agradeci a todos os profissionais (médicos enfermagem, fisio, medicos…. minx tive grandes problemas. Eles puncionaram até o pé! Precisou e me levantaram. Gratidão eterna àqueles profissionais! ❤️
      M

    • Luciomar Furuta disse:

      Perfeita a sua colocação Dra. Paula, infelizmente somente quem trabalha na área de saúde sabe disso.

    • Maurício Miranda disse:

      Concordo. A punção em.crianca é .muito mais difícil.

    • Rosa Mendes disse:

      Seria um verdadeiro transtorno , obrigada Dr pelas suas palavras em nossa defesa

    • Alex disse:

      Concordo plenamente com vc Dr.Paula,sou técnico de enfermagem, exerço muito bem meu papel no ramo da enfermagem,errar é humano e tudo mundo sabe,ninguém machuca lesionando outra pessoal pq gosta ou tem prazer,temos ciência de nosso papel no auxílio a salvar vidas,levar conforto,a anatomia pode variar de indivíduo a indivíduo,uma punção pode parecer algo simples,mais na prática a realidade se torna outra,muitas vezes vc pode ver o acesso,pois por nervosismo da família,ansiedade e medo da criança esse acesso se perde,tornando o trabalho complicado,agora a questão eu como técnico devo arriscar e fazer ao máximo para que esse paciente consiga ser puncionado com sucesso e medicado ou devo simplesmente cruzar as pernas e falar não consigo,já que a família só olha o lado dela?se não pulsionar e medicar a pessoa pode ter complicações mais sérias e até óbito se for caso?

    • Savio disse:

      Médico tem que saber puncionar veia! Muitos negligenciam tal obrigação e delegam meramente a enfermagem… Se a enfermagem tem dificuldade, cabe ao médico ir lá e fazer a punção! As escolas médicas sao uma vergonha!

      • Edilaine disse:

        Não o médico ele tem que saber passar um cateter central que vai direto no coração ou dessecar uma veia mas são procedimentos mais envasivos então correm o risco de levar alguma contaminação para o coração Puncionar acesso periférico e de exclusividade da enfermagem

      • Luanda disse:

        Punção e função da enfermagem, e médico ñ delega função nenhuma para a equipe de enfermagem. A equipe de saúde funciona de forma igual cada funcionário com a sua função é obrigações.
        E 01 primeiro ponto vcs que falam sobre isso sem nunca ter passado pelo sofrimento do outro lado de olhar para o braço do paciente e ver que ele é de dificio punção ou que sabe que vai aplicas aquela medicação correndo o risco de perder o acesso. Essa pessoas que nunca sentiram isso ñ podem questionar.
        02 nos dá equipe de saúde lidamos com estresse diariamente a cada segundo durante um plantão, pois nos nunca sabemos o que vai acontecer ou pode vim muitas vezes a equipe de saúde passa plantões com mais pacientes que deviam perdemos o direito de respondo pelo o coren para poder tentar ajudar mais um mais uma vida, lidamos tanto com o nascer o sofrimento e a morte de até paciente que se tornam parte da nossa família do hospital.
        03 se eu estou ali e porque eu me formei fiz um processo seletivo e passei então eu tenho conhecimento para tudo que está ocorrendo dentro de um leito e o salário muitas vezes não compensa o que eu estou passando alo naquela situação então antes de falar mal da saúde pense que estamos ali para ajudar e não para piorar

    • Daus disse:

      Concordo com vc Doutora mas tem que ter responsabilidade sei que uma veia estoura fo nada e sei muito bem que ninguem quer causar dano ou dor fisica. Mas com todo o respeito tem muitos colrgas seus de profissao que deveriam ser processados quando deixam de atender. Se alguem procura atendimento e porque com certeza nao esta bem. Ninguem conhece o seu corpo melhor do que a prppria pessoa. Existem muito descaso por parte de alguns medicos. O CRM e extremamente corporatista. Deveria ser imparcial

    • Augusto disse:

      E isso isenta a profissional de sua responsabilidade?

    • Tiago disse:

      Sou profissional da saúde e concordo com os familiares do paciente, ninguém quer ver um familiar passando por isso e tendo o corpo todo lesado por erro de profissionais preguiçosos da área da saúde. Enquanto meus colegas de trabalho exercem enfermagem de qualquer maneira, passo meus dias de folga estudando na biblioteca pública da minha cidade para poder ser um profissional melhor, e por mais que ainda ainda estudo todos os dias ainda tenho dificuldades e procuro melhorar para melhor atendimento dos pacientes de minha cidade. O que se deve realizar antes de todo procedimento é explicar aos familiares os riscos, existe risco em punção venosa? Sim, e é direito do paciente saber quais. Existe o risco de infecção( por ser um acesso invasivo que expõe o organismo ao externo), existe o risco de vermelhidão, dór e existe o risco de do rompimento do vaso se romper durante procedimento. Porém também pedimos a compreensão de nossos pacientes a ignorância dos profissionais que não se atentam a explicar um procedimento antes de realizá-lo.

    • Mauro disse:

      Ninguém está acima do bem e do mal. Errou, tem que arcar com as consequências. É isso não está denegrindo a classe dos auxiliares de enfermagem, mas apenas a essa profissional e todos que ajam como ela.

    • Nilda Santina Ferreira disse:

      Endosso suas palavras, Paula Martins e vou além infelizmente a difícil punção ou o transfixar o acesso são riscos inerentes ao procedimento. Independe da experiência profissional ou da competência técnica. Se tivermos que arcar com as indenizações pleiteadas melhor procurar outro ramo profissional…

    • Dalva disse:

      Sou técnica de enfermagem, e obrigada por reconhecer o trabalho da enfermagem… Uma veia estoura não é pela forma de puncionar e sim por ser uma veia dito, ‘ fraca’. O que pode ter ocorrido com este bb foi a insistência para encontrar uma veia pois existem outros lugares para o acesso
      venoso.

    • Samantha disse:

      Exatamente Doutora! Obg por suas palavras!!

    • Rodrigo Patatas disse:

      Sem contar, que deve ser considerado o estado de saúde dos pacientes, aqueles desidratados, que sofrem tratamentos quimioterapicos e entre outros que podem afetar fisiologicamente o tecido. Deixando-os mais frágeis à uma punção.

    • Martha Regina de Oliveira disse:

      Obrigada Dra Paula Martins Balduino por defender a classe da Enfermagem e suas palavras de compreensão carinho qto ao triste fato ocorrido infelizmente com essa criança e muito triste lamentávell

    • Silvana Maria de Almeida Mota disse:

      Obrigada Dr-pelo carinho expressado nem todos da sua categoria pensão assim,mais vc é uma exceção
      Obrigada mesmo que o bom Deus te abençoe e que sempre venha ungir suas mãos para salvar vidas.
      Att Silvana Mota
      Técnica de enfermagem do hospital fornecedor do cana em Piracicaba SP.

    • Fernanda Souza disse:

      Parabéns pela colocação, se vira moda ninguém vai querer mas trabalha com crianças, onde trabalho o pessoal não vai de maneira nenhuma para o PSI eu ja trabalhei mas é bem dificil trabalha devido aos pais, me coloco no lugar deles, mas eles não ser coloca no lugar a Enfermagem, mas tbm tem profissional que não sabem trabalhar tentou duas vezes passa para Enfermeira, acho que precisamos analizar rico benéficil

    • Renato Alves disse:

      Já trabalhei como enfermeiro e passei por essa situação. Quem nunca? Qual profissional de saúde que não experimentou o dissabor que É causar qualquer mal a um paciente, por menor que seja! Olha…ninguém perguntou, mas falo assim mesmo. Do ponto de vista jurídico, comprovado a imperícia (agiu quando não podia) negligência (agiu sem cuidado) ou imprudência (agiu sem habilidade), até concordo, pois aí gerou a responsabilidade subjetiva. O hospital responde objetivamente, ressarce o dano e em ação regressiva cobra do profissional, mas precisa provar a vontade daquele em causar a lesão, pois na realização do procedimento presume-se que o objetivo visa cuidar, tratar, acolher e não causar lesão. Nesse caso, como houve a insistência da profissional, agiu com negligência…as “Maria processo” não vão achando que é assim não, ok? Estourou a veia…pá…processo…😂😂😂. Se a moda pega!

  • Lella disse:

    Disse TD colega..

  • Sheila Nunes disse:

    Se os hospitais particulares querem profissionais altamente capacitados se atentem para esta matéria. Pagam miséria, exploram os profissionais e querem excelência? Isso mesmo população, comecem a processar os hospitais particulares também.

    • Gisela disse:

      Enfermeiras/os devem fazer o procedimento CORRETO, não importa se é rede pública ou particular. Se não sabe fazer punção correta deixem de ser enfermeiros. O povo não é boneco pra vcs fazerem o q fazem. Eu aciono a justiça e ferro com a vida de vcs!!!!

    • Vanessa disse:

      Não concordo, todos tem consciência, Deus deu , se não sabem fazer o profissional pedem ajuda , bebês e pessoas não são cobaias , tratamos de vidas, se estão insatisfeitos com salários não aceitam emprego, os pacientes não precisam pagar por isso.

  • Miria disse:

    Então antes de levar seu filho nós hospitais, puncionar vc eles em sua casa e veja se e fácil. A veia extoura do nada.

    • Giulaine disse:

      Se todos os problemas fossem apenas veias. Pessoas morre em hospitais por descaso de médicos e nada acontece.

      • Paula disse:

        Mas não estão falando de médicos incompetentes e sim de uma acesso que pode sim ser difícil de pegar, pois até mesmo o melhor profissional capacitado pode estourar uma veia. Portanto se acha que o outro não sabe fazer o seu trabalho, então faça vc mesma.

        • Heloisa disse:

          Minha querida se estamos levando nossos filhos nos hospitais o dever de fazer isso é seu e não nosso. O faça você mesmo devia ter sido pensado antes de fazer a faculdade meu amor.

          • Assim como o colega falou, veias estouram do nada, fragilidade capilar, todas as pessoas tem, ainda mais crianças e pessoas que fazem tratamento oncológico, onde ambas tem veias sensíveis e que se rompem do nada até mesmo durante a medicação corre. Apenas pare e pense no que está fazendo e falando, se não entende sobre anatomia e anatomofisiologia, não questione e nem julgue….

          • Kkkklk. Meu Deus que mundo é este? Vc não tem noção do que fala. As veias rompem as veses e, não dependem só do profissional…as vezes só de furar a veia ela se rompe devido ao próprio estado em que a saúde do pte está. Exemplo: Tem pacientes com problemas de coagulação do sangue…. quando um médico faz uma cirurgia, o sucesso e recuperação do paciente vai fedepender muito fele mesmo, do seu próprio organismo. Por usto se assina um termo de responsabilidade antes do procedimento.

          • Pablo disse:

            Na faculdade não ensinam a ser Deus querida, as dificuldades de cada procedimento depende dele mesmo e do paciente, impossível garantir susseso

        • DJULLIE MARIA DE LIMA disse:

          Verdade

        • Clinton disse:

          Se fosse seu filho vch daria essas resposta?? Se nós leva nosso filho pq confia no trabalho deles e eles recebem pra isso mim poupar do seu comentário né queria vê se fosse um filho seu pra vê se vch diria iss,,,vc sabe a dor e agonia sue essa criança sentiu por causa de uma irresponsabilidade?? Então pronto

        • Carolina Oliveira disse:

          Feliz em ver e ser reconhecida por uma profissional como vc.
          Tendo em vista a dificuldade encontrada em punções de bebês,pacientes desidratados e outros que precisam de atendimento, nós profissionais de enfermagem buscamos sempre o melhor para efetivação do atendimento.

          • Glaucia disse:

            👏👏👏👏 Isso mesmo! Sou Técnica em Enfermagem, ninguém leva em consideração a dor no seu corpo de ficar de pé o dia inteiro, sua dor na coluna, seu cansaço, noites sem dormir, deixar de ficar junto com sua família.
            Fazemos o bem, ajudando a amenizar a dor e o sofrimento dos pacientes.
            Sempre haverá o acerto na segunda ou terceira tentativa na punção de uma veia.
            Ninguém tem visão de RX.

        • Márcia disse:

          Mas, segundo a reportagem, a mãe avisou antes a profissional que ela não deveria tentar puncionar aquele local, pois não daria; porém, a profissional não quis ouvir a mãe, que pague as consequências da arrogância.

      • Sergio disse:

        Na matéria ficou muito claro que a mae avisou que naquele lugar não seria o ideal. Nós, profissionais de Enfermagem temos que sim, ouvir os pais e acompanhantes. Eu, como Enfermeiro Pediatra, levo isso muito a sério, ouço sempre o acompanhante. E também, acalmar a criança, usar técnica correta, escolher com calma o local da punção… pois, rapidez não significa eficiência. Se a tecnica tivesse ouvido a mae e puncionando em outro local, e mesmo assim rompido o vaso, pode ser que ela não teria acionado na justiça.

      • Neuza disse:

        Falou td,sem falar dos erros medicos q acontecem,usam como desculpas,parada respiratoria,infarto etc etc…

      • Ingrid Silva disse:

        Com esse tipo de resposta você com certeza não representa a minha enfermagem. Não devemos atacar outra categoria de profissionais,devemos nos unir e mostrar que existem ótimos profissionais e que este é apenas um fato isolado.

    • Rose disse:

      Acho que os hospitais deveriam se dispor de técnicas e aparelhos para facilitar a punção nesses pacientes que são difíceis de acesso, o que talvez ajudaria na tentativa de puncionar uma veia boa!

    • Billy disse:

      Se a mãe disse que não havia veia o local como foi que a técnica estourou ?

    • Daniela disse:

      Pera aí gente estamos falando de um BB de 8 meses. Todos sabemos o quanto é difícil achar a veia de uma BB, porém existem profissionais especializados em crianças. Uma vez levei meu filho que na época tinha 8 meses .a miserável da i feemeira furou meu filho mais de 8 vezes é não achou a veia .ate que eu fiquei P da vida e não permitir mais .levei ele em um hospital referencial chamado Sabará em SP. Onde na primeira picada já havia encontrado a veia …tem sim que ter profissionais capacitados para isso .lembrenbrandi BB não são adultos !

  • Luciana Mitsue Sugae disse:

    Esse direito só é válido contra instituição pública? Ou o paciente tem direitos também contra planos de saúde que enviam profissionais não qualificados para a função?

  • Clarissa disse:

    Sou enfermeira… lendo isso parece que nos profissionais nos sentimos tranquilos quando isso acontece com uma veia. A nossa maior intenção é conseguir puncionar esta bendita veia para atingir o objetivo, cessar o desconforto do paciente e tranquilizar os familiares…

    • Mo disse:

      Quem é profissional da área sabe, que somente técnica correta não garante que a veia não se rompa, Pq infelizmente para o cidadão médio a culpa sempre é do profissional é só olhar os comentários sem noção abaixo. O ideal é seguir a orientação do Coren, fazer somente duas tentativas e não se sinta um mau profissional por não conseguir e vamos criar a consciência que o bom profissional não se resume só em uma punção venosa.

      • Sergio disse:

        Exatamente! Se existe orientação do Coren, é porque houve algum estudo a respeito. Infelizmente o profissional peca em não perceber que, se não está seguindo uma orientação do seu Conselho de Classe, pode estar indo além….

      • Thamyres disse:

        Exatamente, em uma parte da matéria diz ali q a mãe alegou q n tivesse veia disponível no local. Isso acontece muito de os pais ou responsáveis dizerem oq o profissional deve fazer ou não , mas se o profissional insiste nas suas duas tentativas permitidas picar ali é pq ele sabe oq está fazendo; Não depende só do profissional para q o processo ocorra bem. Eles n se sentem tranquilos de errar pq sabem q n é brincadeira. Empatia gente!

  • Renata Silva disse:

    O ideal é deixar cada um se puncionar…mae punciona filho..finho punciona a mãe! No mundo de hj todo mundo quer tirar vantagem! Chega no hospital…a criança mal tem uma veia boa pra acesso, as mães são um porre e não ajudam com nada…a criança perde o acesso e a culpa é do profissional! Pq q a propria mãe que é a “bozuda” não vai la e punciona!

    BANDO DE OPORTUNISTA!

    • Kelle disse:

      Se não está apta a fazer a função, pede pra sair do emprego. A mãe não é profissional da saúde.

      • Erica disse:

        Vcs acham que temos prazer nisso…. lamentável….
        Isso não é falta de competência…
        Engraçado que tudo vem para o lado da enfermagem, quando o médico que fez a cagada toda sem diagnóstico específico vcs tratam eles como deuses….

      • Amanda disse:

        como uma pessoa vai ter experiência se não tentar? Estagiários não estão aptos, estão ali pra aprender, assim como os recém formados. Tem pessoas que é mtooo difícil conseguir um acesso. As vzs vários profissionais tentam até conseguir até aqueles com anos de experiência não conseguem. Quando o profissional não consegue é taxado como incompetente. É mto fácil falar quando não sabe a realidade e não passa por aquilo.

      • Neuza disse:

        Porèm deveria acalmar a criança, mas faz o cotrario stressado. Msis ainda seu filho e os demais,…vc sabe ?, ñ quero que judie,chora junto com a criança, vc vai furar?,claro eu ñ conheço outro metodo.

      • Denize disse:

        Se a mãe não é profissional de saúde então a obrigação dela é respeitar os que são profissionais, ninguém chega no banco querendo ensinar os funcionários a fazerem seu trabalho, pq chegam no hospital querendo?

      • Pablo disse:

        Vc jamais trabalhou em hospital ou emergência, palavras com cobertura extra de ignorância

      • Exatamente… todo profissional q erra tem q ser.punido

      • Daniela Moreira disse:

        Se nao é profissional como pode julgar o procedimento? Não somos máquinas de rx e não depende somente da técnica uma série de fatores podem evoluir para um veia romper, não somente a forma que foi puncionada.Foi a profissão que escolhemos e mesmo dando o melhor de nós, somos humanos portanto impossível perfeição.julguem menos

    • Sergio disse:

      Acho que vc está trabalhando no setor errado….

    • Márcia disse:

      Pelo que fiz a reportagem, essa criança não tinha uma veia boa naquele local, a mãe avisou a profissional e mesmo assim ela prosseguiu com o procedimento. Portanto, não adianta passar pano, se a reportagem for verdadeira, a profissional errou por excesso de confiança.

  • Maria Rita disse:

    Processarei médicos, profissionais de enfermagem ou técnicos de laboratório que fizer qualquer lesão em meus filhos. Vocês estudam pra quê? Decisão acertada da justiça.

    • Anita Farias disse:

      Concordo plenamente, não e só crianças que sofrem adulto também eu já fui vítima de vários laboratório

      • Janaina disse:

        Nossa, li cada comentário de total ignorância.As pessoas sao muito egoístas , falam como se simplesmente fosse como receitar o remédio certo ou o errado, sendo que a punçâo de uma veia depende de vários fatores, e se estoura pode ser da fragilidade da veia e não dá punção nem tão culpa do profissional. As pessoas deveriam se informar mais E criticar menos. E nem sou profissional da enfermagem, para os ignorantes de plantão.

        • Talita Domingos Alexandre Talita Doom disse:

          Nossa eu não sabia disso hein, ano passado fiquei internada por 11 dias, estava gestante, devido a estourar algumas veias tive tromboflebite nos dois braços, um deles ficou endurecido, não conseguia mexer, até se encostasse nele doía… A falta de informação nos faz não correr atrás dos nossos direitos neh.

    • João Eustáquio disse:

      Sim, estudam e muito. Porém o que não se passa na sua cabeça é que não se trata de uma ciência exata! Existem variedades anatômicas e respostas fisiológicas diferentes de indivíduo para indivíduo. Casos de negligência ou imperícia é diferente. Má prática e condutas errôneas devem ser recriminadas no rigor da lei.

    • DJULLIE MARIA DE LIMA disse:

      Vê se avisa antes dai você será mais honesta e correta assim o profissional de saúde não corre riscos e nem seus filhos .Fica a dica ….

    • Pablo disse:

      A medicina não obriga ao susseso, tem obrigação de meios, oi seja fazer tudo conforme os protocolos, o resultado não depende do enfermeiro ou médico, ele só e obrigado a fazer tudo conforme o estabelecido

    • Paula Va disse:

      Dou parabéns a alguns médicos e enfermeiras competentes . E quando falo de competência . não e só quem sabe pegar uma veia boa sem machucar mas tbm um bom atendimento conversar com o paciente as vezes e melhor que muitos remédios. Sem que todo ser humano tem seu dia de fúria .mas existe algumas profissões que temos que deixar o problemas lá fora. Tem médicos e enfermeiros que nos tratam como se tivesse fazendo um favor para gente de nus atender nem olha na cara da gente direto.( E ganha para isso )pode ser pouco mas ganha . Mas tbem tem alguns profissionais da saúde que parece que nasceu pra isso te trata tão bem que a gente da vontade de levar para casa .a vida no hospitais sei que não e fácil . mas acho que ninguém vai lá para passear .um atendimento com carinho e atenção vale mais que mil remédio . mas estou falando isso para os profissionais que sempre trabalha pelo dinheiro não por amor a profissão. Agora aqueles que trabalha por amor a profissão meus parabéns. Aqui na minha cidade tem uma médica maravilhoso tomará que fique aqui muito tempo e graças a Deus tem várias enfermeiras competentes

    • Camila disse:

      Mesmo com muitos estudos, cada caso é um caso e ha pessoas que realmente tem veias dificies.. vc acha q nossa intencao como profissionais é ficar furando, pacientes? Se vc acha q é facil entao pq vc mesmo nao estuda e fura seu propio filho pra ver se é bom..e se e facil..

  • Priscilla soares galdino disse:

    Minha filha teve o braco mto perfurado pois nasceu prematura, hoje depois de 4 anos o braco dela e inchado e com problema de circulação por ter cido mto perfurado.
    Sera que depois desse tempo todo posso processar o hospital?

    • Hugo disse:

      Criança já é difícil de puncionar, mesmo com condições ideais e aparelhagem. Crianças prematuras, com baixo peso, patologias associadas e necessitando de acesso venoso vai ser muito mais complicado. Com quantas semanas e com qual peso sua filha nasceu? Em vez de agradecer os profissionais que trataram e cuidaram sua filha, fazendo que ela sobrevivesse, você quer processar o hospital por uma hipotética complicação de várias perfurações que devem ter sido necessário para fazer medicações e hidratação até que ela tivesse peso e condições de receber por via oral. Em mais de 30 anos de trabalho, recebi poucos “muito obrigado “, como se fosse nossa obrigação dar tudo certo e sem problemas. Ainda me lembro de uma vez que avisei um pai que tudo correu bem e ele falou que caso contrário ele me mataria. Mesmo em qualquer profissão as coisas não acontecem como o planejado.

      • Erisvania Rodrigues da Pires disse:

        Sábias palavras!!!!

      • Olivia disse:

        É muita ingratidão da parte dos pais. Pq sabemos q os profissionais não fazem por querer. Eu mesma sou adulta mas as minhas veias são muito difícil. Em 2015 fiquei internada por 34 dias e fiz pulsoterapia por 6 meses e vai a dificuldade q era pra localizar as veias por diversas vezes estouravam e saía do hospital toda roxa parecia q tinha sido chupada por um morcego . Nem por isso me chatiei pq vi os esforço q elas faziam e até hoje é assim. Estou internada pra fazer pulsoterapia novamente e é um martírio pegar veia pra coletar sangue. A culpa não é deles.

      • Nelci disse:

        Verdade! As coisas não são “redondilnhas””.Por mais cuidado que haja,acidentes acontecem,infelizmente!

      • Marly disse:

        Verdade, quando acertamos nem agradecem, mas quando erramos tentando fazer o correto somos considerados maus profissionais, veias de crianças é complicado a coleta, então antes de criticar e culpar e amendrotar, sorria, vai nos incentivar mais.

      • Samara Rabelo disse:

        A falta de informação trás estes tipos de comentário, esquecem que a falta de hidratação faz com que o acesso não resista medicamentos, e que quando o veia e muito calibrosa ou seja a velocidade mais o volume de sangue torna um acesso de fácil rompemento isso não e porque somos péssimo profissionais.

        Concordo com vc, ainda acho um abisurdo uma mãe que teve a filha salva no mínimo poderia ter gratidão, acha que estamos fazendo apenas nossa obrigação, se nós pessamos então deveríamos receber o equivalente o valor de uma vida, porque já salvamos muitas, assim como estamos sejuitos a perdelas…

      • Valéria queiroz disse:

        Cara colega, estou a 22 anos na área da.saude e pouquíssimos agradecimentos, as pessoas acham que por temos estudado temos a obrigação de funcionar sem nenhuma dificuldade, ninguém sabe o que é funcionar pacientes desidratados ou com rede venosa precária em decorrência até de uma anatomia diferenciada cheia de válvulas, ou bebes e adultos obesos que dificultam ainda mais a puncao, não temos visão de RX, vamos pela anatomia, eu me canso cada dia mais de pessoas como essas que só querem tirar proveito das situações e me canso mais ainda de gente como essas que desvalorizam e marginalizam cada vez mais os profissionais da enfermagem. Será que um dia vou ver isso mudar, parece que não viu! Abraços.

        • Florence disse:

          Vixe colega eu tenho 22 anos de enfermagem parece que a coisa tá piorando em x do Coren ou a lei ficar do nosso lado, não ficam parece que tudo que fazemos é errado.Parece que somos os vilões da história.

        • Neuza disse:

          E ainda tem aquelas pessoas o tecnico enfermagem se doa faz todos procedimentos o cliente direciona_se p enfermeiro e agradece

      • ROSANA SILVA disse:

        Gratidão pelo seu comentário

      • Mirian Maia disse:

        Excelente comentário!!!!!

      • Sergio disse:

        Colega, existem outras técnicas e equipamentos para substituir as várias punções… PICC, Cateterismo Umbilical…. tenhamos mais empatia, nos coloquemos no lugar dos pais…

      • Elaine disse:

        Sábias palavras mesmo em 17 anos da para contar o quantas vezes me agradeceram por ajudar e a salvar vidas

    • Desacreditada disse:

      Prpcessa o hospital agora que teu filho ta bem…..quando precisa é uma suplica pelo amor que deua abencoe….quando da tudo certo esquecem o quao dificil é para aqueles que se esforçam em fazer aeu pequeno anjo sobreviver……o ser humano tem.muito a aprender mesmo ainda…..

      • Florence disse:

        Agradecem o médico,a gente nem olham na cara,quem fica 24 horas fazendo os cuidados?E o médico né? Muitas x o médico nem visita passa e nem tá nem aí com os pacientes,não são todos,pois tem bons médicos.Mais a gratidão e mérito e só médico mesmo a gente capaz de falar que não fizeram por obrigacao,muitas x fazemos até mais do que e de nossa alçada.Povo ingrato.

    • Edileuza disse:

      Agradeça a Deus e a equipe que cuidou da sua filha.
      Querer processar essas pessoas que ajudaram a sua filha é ser no mínimo mal caráter.
      Minha neta nasceu prematura e passou pelo mesmo processo da sua filha. Só agradecemos a Deus e a toda equipe

    • Denize disse:

      Por conta dessas punções todas que provavelmente sua filha está viva! Povo ingrato!

  • Maria dos Anjos disse:

    Vdde. A técnica de punção influi muito,porém encontramos usuários com acesso venoso ruim, além do que,bebês mexem muito e as mamães/responsáveis nem sempre estão atentos a isso.

    • Gabriela Romao disse:

      Pois é chega ser uma absurdo,veia não é só questão de entendimento isso favorece,mais vai dá situação do cliente,em muitas situações os pacientes são ruins de veia,ou nós da enfermagem agimos com burrices,quero ver essas pessoas que nós crítica pegar uma veia ser quer, não julgue você conhece a outra versão,e outra quando arriscamos nossas vidas pra salvar outras,significa que queremos o bem não o mal,abre o olho, não julgue o raspas,triste essa imagem,mais não somos perfeitos

    • Sandra Regina Correia disse:

      Vai morrer muita gente sem punção por aí. Ah se moda pega

    • Florence disse:

      A mãe está ali para ajudar a cuidar do seu bebê,trocar fralda e cuidar dos acessos,e muitas x elas dormem,e as crianças ficam ali acordadas chorando e muitas x correndo o risco de cair do berço,acham que a gente com 5 ou 9 crianças p cuidar sozinha vamos dar conta como se elas já ficam ali para ficarem de olho nos próprios filhos,aí cai do berço a culpada e a técnica,ficou muito tempo cagado a culpa e da técnica.

  • Nilza oliveira disse:

    Concordo com vc Cláudia Aires, tem hospital público que não tem nem o catéter correto para punção dos bebês.

  • Lucimara disse:

    Só uma pergunta, se vc negar isso não seria omissão de socorro??? Não Estou indo contra os profissionais de saúde, mais vc como profissional entenderia que seria sim uma omissão ou não????

    • Samara Rabelo disse:

      Não se ela chamar socorro de outro pessoa, somos resbaldados, caso o profissional não se sinta qualificado ou preparado do procedimento pode se recusar a fazer, a parti do momento que solicitamos ajuda já estamos prestando socorro.

  • Seelma disse:

    Não só nos Hospitais Publicos, como TBM nós particulares, na grande maioria, as Técnicas de Enfermagem e de laboratorio, e algumas Enfermeiras são arrogantes , mal educadas, Ñ OUVEM O PACIENTE. Na minha família, minha mãe, eu e meu filho, temos veias muito finas, q se movimentam, e sempre peço uma agulha de calibre mais fino pois , às vezes, nossas veias são atravessadas e estouram provocando hematomas, ,sempre saímos cheios de lesões , a ponto de ficarmos passando reparyl e fazendo compressas .Horrivel!

    • Denize disse:

      Mas isso não é culpa ou falta de habilidade do profissional, se pade acontecer com qualquer um imagina com quem já tem na genética esse problema? Agora, imagina os profissionais terem que puncionar todo mundo com medo de ser processado? O paciente ia chegar na emergência e morrer! Essa história da matéria esta muito mal contada, se diz que a mãe avisou que naquele local não tinha veia, qual veia rompeu então?

    • Pablo disse:

      Qual é o fluxo de fluidos para um abocath 24 , 20 e 16 . Quando souber a resposta está ai o porque a escolha do tipo de cateter

  • Gege disse:

    Cadê os representantes de nossa classe e os órgãos de classe? Um maioral no alto da sua Onisciência condena e abre precedente para um absurdo deste. Esse achando que é linha de produção OU É UMA OFICINA MECÂNICA? Um desgraçado destes mama nas tetas do governo pra fazer sua justiça, será que houve imperícia mesmo ou, todos os fatores que estamos cansados de ver no plantão? Essa técnica teve direito de uma defesa?

  • Ubiratan disse:

    Quem está aí a favor da decisão e, falando mal dos profissionais, que vá fazer o curso, o treinamento. Depois, na prática sinta o que é, como é difícil, e volte aqui para comentar. O caso envolve corpo humano, com sua peculiaridades. Se fosse tudo “certinho”, a saúde faria parte das ciências exatas. E ainda na engenharia , que é ciência exata, acontece de um prédio trincar a parede, desmoronar, a água não subir para os apartamentos, etc.
    Muito fácil quando existem vários juízes, que nem fizeram Direito. E ainda, o que fez, não entende de ser humano.

  • Fernanda disse:

    Por esta e outras razões cancelei meu corem este ano. O amor pela profissão se transformou em doença para o meu corpo( síndrome do pânico, depressão) .Essa pressão que sofremos ninguém que está do lado de fora vai entender. Só entende aquele que vive pelo amor aos pacientes , precisando romper as barreiras de ambientes sem estruturas, nenhum reconhecimento não só em salário o próprio órgão que temos que pagar mais de 200,00 por ano não fica do nosso lado quando acontece algo como exemplo esta matéria.. Sei que se fosse com meu filho TB ficaria muito brava … Mas volto a repetir só quem está na lunhacde frente e que sabe o quão estressante e o contexto desta matéria. Hoje o meu amor pela profissso se transformou em tristeza por ver tanta coisa triste neste meio. Sei que existem más profissionais como em todas as áreas., mas o difícil é o bom profissional ser punido por algo que não depende somente da técnica dele.

    • Sheila lopes disse:

      Infelizmente a justiça errou feio ao julgar esse fato, pois todo procedimento invasivo tem riscos exemplo estourar uma veia, edema , equimose e etc… Agora todo profissional terá que pede autorização aos pais por escrito no qual fala os riscos do procedimento.

  • Barbara Fessel disse:

    Lesao corporal por imprudencia e impericia deve ser avaliado. Houve relato e avaliacao em equipe para saber se o procedimento havia risco? Assim sem muitos dados é muito dificil avaliar. Mas é parte do risco a dificuldade das punçoes. Quando é feito uma subclavia e ocorre um pneumotorax. Esta dentro do risco. É preciso avaliar com critério.

  • A. disse:

    Gente, acorda!!! Á foto acima não é de ” uma simples veia estourada”.E Nenhum ultra-som garante tentativa de punção venosa 100%. O aparelho ajuda a visualizar a veia, mas não garante a inserção do cateter. A foto acima acima pode ser consequência de uma solução irritante infiltrada fora do vaso sanguíneo, não um hematoma pós punção. Um hematoma pós punção venosa não pode ser considerado lesão. Um quimioterápico vesicante extravasado sim, pode gerar lesăo corporal, pois não cicatrizar facilmente e é associado a negligência. Se errar um acesso venoso for considerado uma iatrogenia grave com está penalidade ninguém mais poderá funcionar veia.

  • Marco Aurélio disse:

    Qualquer procedimento é passível de complicação. Isso não significa erro.

  • Leda Costa disse:

    Nossa que loucura…. Eu e minha equipe ficaremos pobre somente neste plantão noturno!!!! Uma linda bebezinha com acesso extremamente difícil, precisando de sangue…. Furamos diversas vezes…. A culpa é nossa???? Trabalho em um dos melhores hospitais para neonatos….

  • Pediatra disse:

    Boa tarde.

    A ruptura de uma veia periférica é um risco inerente ao processo. Especialmente em crianças e idosos. Mesmo se guiada por USG há o risco. Decisão irresponsável do TJ-DF.
    Quanto aos comentários, lamentável atestar que muitos opinam baseados no achismo , vitimismo e ad hominem.

  • Lzan disse:

    Olha só,trabalho na área e estou revoltada em ver tal ignorância de pessoas falando: ” curso feito nas coxas” ( vá melhorar seu vocabulário, como vc é vulgar) outras chamando os profissionais de incompetente. Muito triste ver isso, pq nós profissionais deixamos nossa família em casa pra cuidar da sua, e ninguém em sã consciência faria isso propositalmente. Sou mãe e sou profissional de saúde… Portanto acho que infelizmente estourar a veia é algo que pode acontecer e vários fatores devem ser levados em conta , depende das condições do paciente tbém, não só da “. Competência” do profissional, são elas: desidratação, se o paciente faz uso ou não de anticoagulantes, estresse, agitação do paciente!! Então pessoal não é bem por aí, pro profissional conseguir o diploma ele passou por vários aprendizados durante o curso ou faculdade, conhece anatomia e fisiologia e jamais faria algo para prejudicar um paciente. Pensem um pouco se coloquem dos dois lados antes de julgar. Pouco tempo atrás levei meu bebê qdo estava com dois meses e precisou que realizasse uma punção para coleta sanguínea para exames, eu como mãe digo que não foi uma experiência agradável, assim como já tive que levar minha filha tbém hj com seis anos pra realizar o mesmo procedimento, digo que não foi agradável pq a profissional não conseguia pegar… Ela é incompetente? Não! Eu fiquei nervosa? Sim! As mães sempre ficam mesmo sendo da área. E como profissional digo que vi todo o cuidado que a profissional estava tendo em todo o procedimento. Muito difícil mesmo falar a respeito, as pessoas que são leigas e começam a julgar deviam se inteirar melhor do que estão julgando.

  • Marcele Oliveira Dutra disse:

    Processei uma técnica de enfermagem aqui de São Paulo por mesma situação, por razões jurídicas, não vou revelar o nome dá má profissional aqui, vou usar da jurisprudência de mesmo julgado de Brasília nos autos de meu processo. Se querem cuidar, tratar, reabilitar, proceder a procedimentos médicos em pacientes, que o fação com profissionalismo e responsabilidades. Não nos venham com cursos e formações feitos sem estágios, capacitações apropriadas, e, a formação continuada. Sabem o que quer dizer “formação continuada? Não. Então nos veremos no tribunais.

  • Juniar disse:

    Decisão absurda, baseada em quem não sabe nada de prestação de serviços de saúde ou técnica!
    Sou enfermeira e mesmo com anos de experiência em punção de crianças, idosos e pacientes oncológicos, afirmo que nem sempre temos sucesso dm todas as puncões! Ninguém está livre de passar por isso! Pode acreditar dói muito em nós quando acontece!
    O que acontecerá com os pacientes se todos decidirem não realizar as punções?

  • Tadeu Zannini disse:

    Se tivesse um bom advogado não pagaria nada, no texto diz: ” A mãe alegou ter avisado a técnica de laboratório que não havia veia disponível no local onde a profissional queria perfurar”
    Como a profissional estourou uma veia?
    Fim de processo.

    • Dani enfermagem disse:

      Kkkkkkk disse tudo como estourou uma coisa que não estava lá . deixem os sabidoes , que adoram processar tudo e mamar na teta dos outros , olha amo a enfermagem mas está cada dia mais difícil trabalhar.

    • Sergio disse:

      “Nao haver veia” significa um local ruim pra punção… Todos sabem que ali com certeza passa vaso sanguíneo…

  • Incidente muito mal explicado . Já que teve condenação deveria então ter tido uma investigação muito bem feita. Inclusive uma verificação a legislação da técnica punção venosa , e suas possíveis complicações. Cabe a condenada um belo recurso, aliás com o apoio da instituição e também COREN e COFEN para sua defesa.
    Agora se provar algum tipo de imperícia, imprudência ou negligência por parte da profissional ai não tem jeito nem pessoal .

  • Fernanda disse:

    Quem julga e critica um profissional por Perder um acesso venoso é pq não conhece nossa rotina diária. Idosos e crianças possuem acessos maia difíceis e Grand e fragilidade capilar. Ninguém perde acesso ou transfixa uma vida pq gosta ou pq quer. Equipamentos com luz ultravioleta são utopias para nossa saúde brasileira. Essa decisão realmente é absurda!

  • Maria Zilda de Jesus Santana disse:

    É uma situação complicado onde todos nós da área estão sujeitos a passar, o que deveríamos fazer é um protesto contra essa lei. Por que se essa moda pega todos nós vamos perder o emprego e até o Coren. E isso não é justo, acredito que nenhum profissional fará uma coisa dessas de propósito.

  • Nidiane disse:

    “Estourar veia”é um termo midiático. Li a opinião de alguns. O que vejo são opiniões de pessoas e profissionais que desconhecem a formação de um profissional da enfermagem e principalmente sobre fisiologia e resposta do organismo as agressões sofridas. Bem como a condição fisiológica de cada indivíduo que é diferenciada. E sim a imperícia leva a situações como esta. E é bem comum em qualquer lugar. Como enfermeira em instituição pública, onde os recursos são parcos e tecnologia e remuneração defasadas, com enfraestrutura sucateada, esses profissionais de enfermagem são verdadeiros guerreiros.. E quando estiverem com a dor e o desespero com a condição de saúde de seus entes é que irão verdadeiramente valorizar estes profissionais que tem sim amor a profissão… cuja formação e graduação é conquistada com muito esforço e estudo…

  • Lucia disse:

    Gente…isso é muito louco…..Se todos da área se negarem a fazer punção venosa ou seja para coletar sangue ou correr medição. …muita criança vai morrer e adulto tmb. ….e olha não estão nem errados em se recusar já que a unidade não lhé oferece condições. .. ..Quero ver se algum médico irá
    Fazer esse trabalho ..se liga gente. …As vezes o próprio paciente quem perde o acesso. .Sem condições de repuncio
    nar…Sul real isso. ….Pode acontecer com qualquer pessoa. …..

  • Olga disse:

    Para perfurar uma veia numa punção venosa, não quer dizer que o profissional não esteja qualificado, nenhum profissional iria fazer propositalmente. Acontece que corre o risco desse incidente acontecer até porque na hora da punção muitos pacientes têm a reação de se mover na hora que sente a picada da agulha, principalmente criança que mexe muito. Incidentes acontece. Não é justo essa punição, até porque é essa pessoa não ganha um salário digno nem pra sobreviver. A criança está sendo vítima dessa ocorrência desagradável e dolorosa, pra os pais também, mas existe outro meio pra solucionarem esse sofrimento.

  • Nice disse:

    Quem julgou esta ação por certo que não entende de veias .anatômicas.fragilidade capilar, nelhun profissional faz porque quer

    • Naiane disse:

      Você é várias pessoas a cima estão certas isso realmente acontece sem intenção, porém se foce com meu bb eu ficaria muito revoltada msm, não sei quantas aqui se colocaram no lugar da mãe do BB, muitas falam em Isto estar errado mais talvez se foce com seus filhos a reação seria diferente

  • Alexandre disse:

    Sou enfermeiro com formação superior há profissionais desqualificados no mercado profissional na área da saúde, isso é um fator negativo e não podemos negar, porém há quadros patológicos e diagnósticos que contribuem para a falta de sucesso de uma punção venosa periférica como por exemplo desidratação, plaquetopenia, entre outros além do fator fisiológico (fragilidade capilar periférica como pessoas que simplesmente tem os vasos sanguíneos mais sensíveis que o normal) e idade como bebês prematuros; e idosos com idades muito avançadas. Romper um vaso sanguíneo no momento da coleta de sangue ou na administração medicamentosa é algo que infelizmente acontece podendo ser culpa do profissional ou não, por isso não se deve criticar um profissional da área da saúde seja ele técnico de enfermagem, enfermeiro, biólogo, técnico de laboratório, coletor de sangue ou médico simplesmente porque errou na tentativa de uma punção sem avaliar seu currículo profissional ou o quadro clínico que o paciente apresenta. Assim como alguns cuidados devem se passados para o paciente após a punção venosa e o mesmo deve seguir a risca o que o profissional orientar( pressionar por alguns minutos o local da punção, não pegar peso com o braço que coletou o sangue ou foi feita medicação intravenosa para que não haja sangramento ou cause hematomas).

  • Alessandra disse:

    A melhor coisa então, é não puncionar veias difíceis. Vamos deixar os pacientes sem acesso venoso… Aí eu quero ver… Vai ter muitos médicos passando acesso venoso central….

  • Ana lima disse:

    Eu sou da área da saúde tmb,é afirmo nem todas as punções São Com Certeza na primeira picada,dependendo do diagnóstico do bebê, idoso ou adulto,as veias ficam mais frágil..ex:desidratação ..febre muito alta..eu sugiro q a instituição nos permita a ter um respaldo,fazendo um documento para que o responsável assine autorizando a punção..sendo ele orientado dos riscos do msm,se ela autorizar tudo bem..

  • Fica difícil trabalhar desta forma já temos que lidar com falta de certos recursos e qualidade nos produtos …tipo calibre de cateteres entre outros …o ser humano é tao sem noção que é capaz de levar o filho para punção como se fosse uma loteria já torcendo pra dar errado….deveria processar é os pais que não tem paciência em cuidar de seus filhos primeiro querem que puncionem colham exames depois não querem aguardar o tratamento….vai saber se não foi os pais que arrancaram o acesso pra poderem ir embora ….antes da alta….

  • Catia disse:

    No dia a dia existem as dificuldades ..acesso venoso difícil. ..paciente desidratado…quimioterapia. .pais de crianças que não deixam a técnica ser completada. ..vários fatores como ..dispositivos inadequados de acordo com o calibre venoso..falta até mesmo de preparo técnico. ..punção infantil requer paciência. .técnica segura e psicologia para acalmar …e discernimento para verificar com calma o melhor acesso e o melhor dispositivo a ser usado..chegar a esse ponto é inaceitável por mais errôneo que sejamos…

  • Marli disse:

    Sou técnica de enfermagem e trabalho com idosos e isso acontece muito , além do que gostariamos e não vem da experiência mas esse público e crianças tem vasos mais fragilizado. Se isso virar moda sinto muito, mas vai faltar profissionais nesta arte de cuidar e lembrando que é o cuidado que muitas vezes a própria família não quer realizar… lamentável

  • André disse:

    Ridículo! Todo procedimento existe a falha. E quando o paciente não fica parado com a merda na veia dele? Ai perde e a culpa ainda é da enfermagem? Me poupe. Primeiro tem que ter conhecimento do que está acontecendo ali no ambiente hospitalar, que não Estão em casa e muito menos num resort para ficarem perambulando com equipo enrolado no pescoço. Entao sendo assim, podemos processar por fazer isso acontecer? Pedir danos morais pegando filmagens que mostram o paciente que não fica quieto para manter a punção na veia como se deve! Se não fica quieto assuma sua consequência, o serviço de enfermagem é muito tumultuado para poucos funcionários. Parece que nunca entraram em uma emergência sus … dezenas de pacientes para um técnico. Quero ver ter tempo para checar veia toda hora. Alem disso ainda tem a demanda espontânea e urgências… fácil sentar numa cadeira e decidir isso. Va trabalhar como enfermeiro ou técnico que logo muda de opinião. E ainda ganha pouco e é desrespeitado.

  • Nina disse:

    A lesão apresentada nesta foto tem característica de infiltração de medicação,e não apenas de uma veia estourada em uma punção para coleta.

  • Eu sou um profissional de enfermagem à mais de 17anos em hospital público e nunca vi esse aparelho,muito menos falar dele. Mais cabe ao profissional decidir se vai ou não pucionar um paciente,por falta desse material?. E deixa-la sem ter a assistência que precisa?,e de repente vim até a óbito,porque o profissional se recusou a executar tal procedimento. A justiça vai entender como NEGLIGÊNCIA, e ai o que VC faria,diante disso?.

  • Schirley disse:

    E pra quelas pessoas que se desidratam devido diarréia e vômito, que passam dias doentes pra depois ir procurar um médico, chegam ao hospital praticamente sem veias e precisam de acesso venoso exigindo que acerte a punção com apenas uma furada?

  • Marcos disse:

    Esta foto nao parece ser de lesao devido acesso venoso periferico rompido. Devido a deformidade do mmss , ecmose cubital (sinal de kirmisson), presença de flictenas na fossa cubital, sugere fratura supracondiliana de úmero, claro que há necessidade de radiografia de cotovelo em 2 incidências para confirmação do diagnostico.
    Essa lesão só aconteceria devido a rompimento de acesso venoso se a criança apresenta-se alguma discrasia sanguinea previa.

  • Marlene disse:

    Concordo com você Lia. Só quem tem longas experiências podem debater sobre o assunto em pauta. Sou técnica em enfermagem a 15 anos e sei que podemos correr riscos de perfurar uma veia sensível e ela romper causando hematomas. Nunca desejamos isto e temos maior cuidado, mas isto não depende apenas do profissional. Sinto muito pelo bebê mas acho a decisao absurda da justiça.

  • Andrea disse:

    Para quem esta fora da rotina dos hospitais é fácil criticar. Teve alguém aí que disse pra reclamar das condições de trabalho e se recusar a fazer o procedimento. Amigo esqueceram de te avisar que tem uma fila de gente querendo a vaga desse profissional, especialmente dos terceirizados. Todo procedimento tem riscos. A decisão a justiça foi infeliz.

  • Lívia de Latorre disse:

    Sem dúvida deverá haver responsabilização do profissional pelo dano porém, há de se considerar também a exposição da linha de frente sem capacitações inclusive relacionadas ao próprio código de ética que nos orienta e protege da negligência, imperícia e imprudência. Anteriormente ao processo judicial os gestores devem supervisionar o exercício profissional e desenvolver as equipes também na tomada de decisões. Se, por exemplo, a punção venosa parece difícil então deve ser comunicada à Chefia e realizada por profissional experiente que deverá descrever o procedimento e cuidados de enfermagem e orientar a família. Isso é Segurança do Paciente. Pessoas tem morrido por erros relacionados à assistência em saúde.

  • Clareza disse:

    Decisão ridícula!!!
    Eh risco inerente do procedimento assim como quando um médico punciona a subclávia e pode… podeeeeee perfurar um pulmão!!! Eh risco e benefício!! Todo procedimento do mundo tem risco!!!
    Agora a mãe saber onde que tem veia no paciente… desde quando a mãe que não estudo sabe se tem veia ou não é qual lugar?!? Então a gente para de puncionar e deixa as mães puncionando!!! Eh cada uma

  • Concordo com todos os comentários mais também sei que existe muitos técnico incapacitados no mercado que através de padrinhos consegue um trabalho e faz dos pacientes uma cobaia. Passei uma de horrores no hospital Português na avenida Princesa Isabel em Salvador,onde o atendimento aos pacientes na UTI e totalmente desumano.Onde dão banho no paciente com a mesma bucha que deu em outro,onde dois técnicos furaram os dois braços da minha filha e ainda chamaram um terceiro quede primeira pagou a veia.Onde não dão alimentação aos pacientes….

  • Douglas de Paula disse:

    Não sei quem é o mais retardado, quem fez a lei? Quem aprovou a lei? Ou quem julga a lei? Pq eles não vão puncionar os bebês no nossos lugares para ver o quanto é fácil? Brasileiro adora um processo para ganhar dinheiro e não ter que trabalhar neh, povo vagabundo! A justiça faz tanta cagada e não é punida mas adora punir o que não conhece ou entende! Quem acha que faz melhor do que os profissionais da enfermagem e de laboratórios ficam à vontade para assumir nossos lugares e puncionar, mas não “ahhhh eu tenho medo e passo mal com sangue” cambada de safados!

  • Jessica disse:

    A casos e casos. Infelizmente acontece msm de estourar veia. Mesmo se for grossa. E se a pessoa tá doente a veia também fica bem frágil. Mas o problema é estourar e ainda tentar fazer o soro correr. Aí sim e negligência. Aconteceu com minha filha de 8 meses. Um tec enfermagem fpuncionou porem estourou… ate aí tudo bem. Porém ele tentou fazer o soro correr. Eu falei q tinha estourado e ele me ignorou; resultado bracinho ficou edemaciado. Isso foi mto negligente da parte do profissional. Procurei a SAC do hospital a nem tem…rsrsrs. absurdo. Aconteceu no hospital são Lucas de americana.

  • Marcos disse:

    Sou Técnico de Enfermagem há 16 anos trabalho em PS, tenho habilidade em acesso venoso, mas devo lhes dizer que o extravasamento de uma veia nem sempre é culpa do profissional. Há certos cuidados que se deve levar em conta… além disso, sempre tive como prioridade a persistência pelo bem estar do cliente. Lamentável que pessoas má intencionadas tentem usar uma brecha da lei pra denegrir nossa profissão que por sua natureza já é árdua.

  • Val Fé disse:

    Falta material de boa qualidade, absurdo esse proposito de ferrar c profissional.

  • De fato ninguém vai estourar uma veia de propósito, eu sou Técnica de Laboratório entretanto, não coleto em veia de RN, eu não tenho habilidade pra esse público, logo, prefiro não puncionar. Como defesa, a profissional condenada deve argumentar que o hospital não deu condições favoráveis para coleta de RN logo, deveria responder solidariamente no pagamento da indenização.

  • Tayane disse:

    Sou coletadora em Laboratório, as mães quase sempre fica insistindo em furar a criança outra vez. Mais se acontecer um acidente desses, elas não pensa em Lascar com a vida do profissional. Num. Tá. Nem ai.

    • Helo disse:

      Por isso colega, a partir de agora faço uma tentativa se acertar otimo mas se errar ja nao coleto mais mesmo q insista.

    • Catia disse:

      No dia a dia existem as dificuldades ..acesso venoso difícil. ..paciente desidratado…quimioterapia. .pais de crianças que não deixam a técnica ser completada. ..vários fatores como ..dispositivos inadequados de acordo com o calibre venoso..falta até mesmo de preparo técnico. ..punção infantil requer paciência. .técnica segura e psicologia para acalmar …e discernimento para verificar com calma o melhor acesso e o melhor dispositivo a ser usado..chegar a esse ponto é inaceitável por mais errôneo que sejamos…porém não estou julgando… protocolos devem ser respeitados…temos um registro a zelar e temos uma pessoa sob nossa confiança.

    • Ana disse:

      Já fui coletadora de laboratório em hospital, fazia o hospital inteiro a noite sozinha todos os setores deste PS até as UTIS então não dão, nenhuma assistência pra vc, te jogam p trabalhar sozinha, e vc precisando trabalhar, vc aceita, hoje sou enfermeira mais trabalhei muitos anos em UTI Neonatal e não tem essa de luz própria ou vice sabe ou você sabe, agora romper veia é a coisa mais normal deste mundo, basta ir passar um dia dentro de uma UTI Neonatal ou pediatria e saberão o quão difícil é árduo e nosso trabalho, mais só lembram de professores para dar aumento, ganhamos uma miséria e ninguém por nós, agora se está moda pega de cada veia rompida processar eu me recuso a puncionar acesso venoso .

  • André Angelo disse:

    pessoal, sugiro aos profissionais de laboratório que se não tem mecanismos adequado para se fazer a coleta, não façam.
    hoje na SESDF não tem seringa de 3 ml, 5 ml, e isso dificulta a coleta, nenhum profissional vai estourar uma veia de paciente por querer, isso esta sujeito a qualquer profissional, principalmente por se tratar de criança que pode ter uma fragilidade capilar.
    profissionais se não tem condições de fazer a coleta, NÃO FAÇAM.

    • Kelly disse:

      Porém não é tão simples…” O não coletem”, não coleta vai pra rua. O que deve haver é compreensão ninguém vai fazer isso por que quer machucar o PCTE. Da msm forma que qd as vezes os médicos vão fazer um acesso central e perfuram o pulmão do PCTE e ele ganha um dreno de tórax… Só que a diferença é que foi médico que fez né, aí m da nada pq geralmente a família n questiona nada com medico. Quem fica na ponta e que paga o pato.

    • Ismael disse:

      Amigo o problema é que a população não quer saber se tem ou não o equipamento adequado, se tem ou não o mínimo de condições de trabalho, a população quer ser atendida.

    • Helo disse:

      Isso mesmo! Além do mais essa decisao abre brechas para diversos erros médicos em procedimentos corriqueiros , se for assim terao que processar todos os profissionais que realizam procedimentos ivasivose ocorre esse tipo de coisa.

  • Daniel Franco Leão disse:

    Curso de formação nas coxas. Se fosse com um de meus filhos, não seria diferente! O que adianta passar em um concurso público, que não mede experiência profissional vivenciada para encher o peito e dizer como muitos funcionários ” Eu passei em um concurso público” para fazer isso? Meter atestados 0800, o que não fariam na iniciativa privada.

    • Lia disse:

      Vc demonstra nao entender nada do assunto em pauta. Puncao venosa em bebes e idosos nao e questao de somente pratica. Possuem veias de dificil puncao. Ha gd risco de acontecer perda de acesso ou perfuracao. A decisao foi ridicula.
      É preciso ter senso p criticar. Isto n acontece somente no Servico publico…muito mais no privado

      • Kelly disse:

        Vdd. Os técnicos de serviço público são mais capacitados que os de privado… Claro q tem as excessões. Mas esses dois extremos são ruins de veia, tem tb os pctes oncológicos q tb são ruins de veia. E outra vamos pela anatomia msm que o pai e mãe não vejam a veia nos estudamos anatomia pra isso pra saber onde p caso passa msm que ele não esteja aparente .

      • Jacqueline disse:

        Concordo em gênero, grau e número!

    • Vc deve ter pego na sua vida um monte de veias de crianças, com sua experiência deve ter mesmo bagagem para sair atirando. Deve ter passado em vários concursos públicos e não assumiu nenhum.por não querer ter estabilidade, não deve ser pai é nunca teve seu filho doente necessitando de um exame para poder ter o tratamento adequado.por isso fala tanta besteira . Quem vai querer causar lesão em uma criança ? Se não tem o que falar melhor ficar quieto.

    • Aristides disse:

      E quem te disse que concurso público no Brasil mede experiência de alguém. Pior, será que mede conhecimento? Lamento pelo ocorrido, desconheço as circunstâncias, mas não creio que a profissional é de todo culpada.

    • Deborah disse:

      É uma pena ter pessoas que pensam igual vc, sabe o que poderia acontecer não existir mais enfermeiro e vcs que ceiticam tanto puncionar um veia e da assistencia aos médicos, ser tão desvalorizado igual a gente ..quem sabe vc que não tem estudo de enfermagem consegueria melhor neh?

    • Deborah disse:

      É uma pena ter pessoas que pensam igual vc, sabe o que poderia acontecer não existir mais enfermeiro e vcs que criticam tanto puncionar um veia e da assistencia aos médicos, ser tão desvalorizado igual a gente ..quem sabe vc que não tem estudo de enfermagem consegueria melhor neh?

    • Ismael disse:

      Acredito que sua revolta não se trata de acertar ou errar a punção de um paciente seja criança, adulto ou idoso, sua revolta se dá pq alguém passou em um concurso e vc não. Lhe desafio a ingressar na formação e depois ir puncionar acesso venoso de pacientes debilitados, posterior a isso vir criticar quem executa suas funções sem o mínimo necessário.

    • Elaine disse:

      Nossa isto acontece em qualquer hospital seja ele público ou privado eu tive até flebite após uma cirurgia em um Hospital do Convênio

    • Rosangela disse:

      Daniel tú é um babaca e sua colocação é irrelevante. Criaturas como você não fazem diferença no mundo.

    • Nestor de Almeida Neto disse:

      Idiotas como vc(vide dicionário),nem sabem do currículo dos funcionários públicos pra ficar mimizando,não sei qual é a sua formação ou se já tentou passar em concurso público ,profissionais ruins e bons existem em qualquer profissão ,assim como também acidentes de trabalho ,generalizar todos por qualquer que seja ,já deixa claro o seu nível de inteligência.

    • Maria Zilda disse:

      Acredito que você seja um leigo na área da saúde, não sabe nem pra que serve um dipirona e os efeitos colaterais. Então acho que você deveria se informar um pouco mais sobre o assunto.por que perder o acesso (infundir medicações fora da veia isso sempre aconteceu e vai aconter) não cabe aqui explicar como é porque isso acontece, se tiver interesse em saber vai estudar um pouco sobre o assunto, então antes de falar merda se atualiza. Pq acredito que seja melhor seu filho com o braço inchado do que ele no caixão pq a Enfermagem se recusou a fazer uma medicação pq o seu filho não tem uma veia boa.

    • Silva disse:

      Pois vai lá você. Fazer o curso, fazer uma graduação. Com todos os ensinamentos do mundo uma punção venosa, embora, pareça um procedimento fácil, se trata de uma veia que não temos como enxergar através da pele, onde estar, a localização não é precisar. Falar é fácil. Gostaria de ver você lá no lugar dessa profissional da saúde…

    • Andrea disse:

      Quando não se domina o assunto, o melhor a fazer é ficar quieto. Você pode puncionar a veia dos seus filhos, se assim preferir!

  • Claudia Aires disse:

    Nos hospitais não existe aparelho de luz violeta,que permite visualizar as veias. O risco de errar a punção é real e corriqueiro. Como vão responsabilizar um profissional que não tem aparelhagem que impediria esse acidente? Nenhum profissional machucaria um bebê propositalmente. Se essa moda pega nenhum profissional vai querer puncionar um acesso venoso. E isso significa a morte de milhares de pacientes.

    • Alexandra Isidora disse:

      Então o profissional busque relatar que não há condições de prestar uma assistência adequada sem risco para as duas partes, paciente e profissional. Caso contrário, será de entendimento da justiça em imperícia.

      • ren disse:

        muitas vezes quando vc relata tais problemas vc corre riscos de ser demitido, nao se esqeça q aki e Brasil . pais q nao busca melhorar nem educaçao nem segurança muito menos a saude
        entao sim eu como profissional da saude, se a moda pegar eu vou me recusar sim, errar o acesso venoso e real e existe assim como medicos erram diagnosticos muitos erram a punçao, em bb criança nao e facil lembresse q se movem muito ainda tem aquelas mais coruja fungando no seu ombro so pra arrumar oq fala

      • Kelly disse:

        Até parece q isso só é suficiente… Aí vc faz isso é cai em omissão… Só quem vive sabe…. Uma criança vomita dia todo a noite vai procurar o serviço ao kd veia??? Aí a culpa é do técnico q foi puncionar? Exercendo a sua função é tentando ajudar o PCTE????

        • Elidian disse:

          Não se trata de tentar, mais de saber fazer o procedimento e melhorar com especialização. Existe técnico que não são bons em veia, fura até o dedo dizendo que tem veia.

          • Willian disse:

            Nossa mas em que mundo você vive?? É obvio que a gente tenta pegar a veia, principalmente quando nao vemos e só podemos sentir, as coisas não são como na teoria não meu bem, é tentando que a gente pega, as vezes temos que furar diversas veias, sem contar que em alguns hospitais parece que nenhum médico sabe puncionar um acesso Central e quem sofre com isso é a gente e principalmente o paciente.

      • Ismael disse:

        O profissional vai viver entre a Cruz e a Espada, pois os gestores não fornecem o mínimo necessário e o código de ética prega que nenhuma assistência deve ser protelada ou negada, e é próprio do ser humano prestar assistência a quem necessita. Há extrema necessidade de se rever esses pontos, caso contrário teremos uma encourado de relatórios denunciando a falta de condições e pacientes ficarão sem assistência, logo o dano será muito maior.

      • Enfermeira 👩‍⚕️ disse:

        Interessante essa sua visão, queria ver vc pensar assim em questão de risco a vida e o profissional se recusar por não ter o material adequado!!! Aí vcs iriam querer enquadrar o profissional em omissão de socorro… Pelo amor de Deus vamos falar do que sabemos é vivemos e expecular menos …#Por um mundo menos superficial!

        • Claudia disse:

          👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏Perfeita colocação!

        • Elisabeth scorcese disse:

          Gente, não oferecem mesmo condições adequadas para o trabalho. E se nos recusamos é omissão. Queria ver a pessoa chegar e ninguém querer atender.
          Infelizmente existe pessoas que vivem disso aí, processar. E tem maes que cobram do profissional da saúde cuidado que elas como mae não oferecem. Isso tem de ser revisto sim. Ninguém punciona pra ferir não, a intenção é ajudar.

      • Renato disse:

        Relatar pra quem ??? Sou da enfermagem, trabalhamos sem insumos básicos no serviço público. Se num hospital não tem dipirona ou até mesmo luvas, você acredita realmente que vai ter um aparelho desses ??? Já trabalhei em setor privado e não é muito melhor não. E outra coisa importante é que uma veia se rompe muitas vezes sem que o profissional tenha culpa, pacientes com febre, desidratados (vômito ou diarréia) estouram veia fácil. Má qualidade do equipamento, eu falo de agulha ou catéter. E o próprio paciente !!! Trabalho em pediatria, punção venosa é um dos procedimentos mais estressantes pra todos,criança, mãe e profissional. Um adulto põe o braço no suporte e fica quieto, uma criança tem veias que parecem às vezes “um cabelo”, de tão pequenas e delicadas e a mãe geralmente não consegue conter, segurar a criança que se contorce toda, chuta o profissional e puxa o braço e se o coitado do profissional não pegar “de primeira”, se reposicionar a agulha a mãe já reclama, muitas vezes ofende. Tem mãe que já te olha de cara feia antes de começar, como se você fosse um monstro que veio maltratar seu filho e às vezes elas até falam “só vai furar uma vez” ou “você não tem coração? É uma criança! Você não tem filho, né?” ou “se você não sabe trabalhar pede as contas” como se fosse obrigatório sempre acertar. Isso gera uma carga de estresse no profissional absurda porque acontece muitas vezes. Portanto, se uma veia estourada gerar indenização nós profissionais vamos começa a se negar a fazer o procedimento. Indenização nesse valor é muito maior que a renda anual da maior parte dos profissionais, e me incluo aí. O governo retira nossas gratificações, não reajusta nossos salários e até horas extras deixa de pagar. Condição lamentável !!!

        • Dani enfermagem disse:

          Trabalho em pediatria,tudo que vc disse pura verdade! Só quem passa por isso que sabe.. Quem acha que deve relatar que não tem o material, pode ter certeza que o 1 a precisar da enfermagem. Bom então muitas crianças vão morrer por desidratação … Aiai viu

        • Alessandra disse:

          Sou enfermeira, sei muito bem como funciona o serviço de saúde. trabalhei num hospital considerado o melhor de Minas Gerais. Não tinha esse aparelho. E resumindo a fala, o ser humano só enxerga o bem, pode fazer 999 certos se uma falha, tudo vai pro ralo. Triste!

      • Douglas de Paula disse:

        Deve estar de brincadeira só pode neh? Vc acha que está onde inteligência? No EUA? Canadá? Acha que o profissional rompe uma veia de propósito? Existem N fatores para um rompimento de veia e não é apenas responsabilidade do profissional, desidratação, hipertermia, paciente puxar o braço mesmo sendo adulto acontece, imagina um bebê? Os pais não seguram a criança de forma correta e querem culpar profissional de saúde? Se acham que fazem melhor do que nós eu convido vcs a puncionarem no nosso lugar então, cambada de hipócritas!!

    • Val disse:

      Concordo com você! E geralmente bebê e idoso tem o acesso mais difícil.

    • Marcelo disse:

      Vocês vivem em outra realidade.
      Esse aparelho não existe em todos os postos nem nos EUA.
      Esse tipo de risco é inerente ao procedimento. Decisão absurda.

      • Cristiane disse:

        Super concordo
        Decisão abusiva…. Trabalho em uma unidade de UTI Neonatal.. Então se isso virar moda nós profissionais deveremos não realizar punções venosas se a criança não apresentar veias visíveis….
        Isso foi abusivo
        A profissional deveria recorrer até as ultimas…

      • absurda porque nao foi no braço deum filho ou parente seu ne , caraca quero indenização , que odio , as tecnicas la quase estouraram a minnha , senti dores horrorosas , fiquei pedindo pra ver meu acesso e algumas ainda acharam ruim
        . tem que se ferrar essoas incompetentes mesmo

        • AdrianameQuita disse:

          Que absurdo seu comentário! Eu acho que quem iria se ferrar era vc se não tivesse esses “incompetentes” como vc chama!

        • Rosangela disse:

          Se todas as veias do bebê ou de qualquer pcte fossem externas, que beleza seria. Mas infelizmente é dentro do corpo. Alguns tem veias que falam ESTOU AQUI, que mesmo assim é difícil, imagina de bebê, braço gordinho, pequeno. Esse risco é inerente, cabe ao profissional, caso ocorra, orientar compressas frias e, caso apresente vermelhidão, calor local, dor, ou alguma secreção, procurar o médico, e, ainda e mais importante, REGISTRAR A INTERCORRÊNCIA E AS ORIENTAÇÕES FEITAS, O QUE NA MAIORIA DAS VEZES NÃO SE FAZ. Daí, corre esse risco de responder processo e ser considerado culpado.

        • Ubiratan disse:

          Comentário absurdo!

        • Dri disse:

          Pior que eu toda ver elas judiam de mim qd tiro sangue a ultima senti dores fortes no braco todo…ela tentava pegar a veia e torcia a agulha no meu braço ate estourar….pra depois tirar do outro braço….a maioria do posto sao umas inuteis…..qd tem profissional bom eles saem rapido do posto.. tinha um a muitos anos na 1 ja conseguia tirar sangue…sem fazer esse escarceu

        • Tenho muita prática de punsionar veia de criança, mas, confesso que não é fácil para qualquer profissional porquê têm criança que têm veias muito difíceis de ser puncionadas, principalmente as crianças muito gordinhas . E as mães nem sempre segura a criança com firmeza, causando um estouro e perda de uma veia.

      • Renato Costa disse:

        muitas vezes o infermeiro fura e quando não pega na veia ele fica mexendo dentro ,aquilo machuca…aconteceu com meu filho,falei pra moça não tentar procurar caso não achasse de primeira,ela errou e foi querer tentar achar,mandei ela tirar ,pq brincar no braço de uma criança e horrível.. veio o técnico e achou de primeira…em fim..

    • Alves disse:

      Vai todo morrer se o profissional não tiver equipamentos para garantir uma boa técnica de punção….. um governo que não esta nem ai para ninguém.

    • Hekena disse:

      Verdade!
      As pessoas que já sabem que é de difícil acesso usará de na fé!

    • Alcenita Freitas disse:

      Já vi profissionais ficarem tentando puncionar veias difíceis de RN sem ter capacidade para tal mêsmo que orientado a desistir e passar para um mais capacitado.
      Uma lei como essa vai tornar possível que os hospitais e laboratórios de equipe melhor e treine e supervisione mais seus técnicos

      • Ubiratan disse:

        Treinamento é excelente. Perfeito! Mas estamos falando de corpo humano e, cada um, com sua peculiaridade. Não é tão fácil quanto parece, especialmente em bebês gordinhos.

    • Daniele disse:

      Que notícia mais ridícula. Mesmo se houvesse um visualizador de veias, a fragilidade de um vaso pediátrico jamais será insento de risco de rompimento do mesmo. Saúde não é matemática.
      Então antes de realizar uma punção venosa temos que criar um termo e dar pros pais assinarem. Ooo Brasil veio, as pessoas sempre usando de má fé pra se darem bem na vida.

    • Pedro disse:

      Justamente! Quem trabalha em hospitais públicos sabe a real situação e como vc disse niguem em sanidade mental machucaria um bb ou seja lá quem for. Pois o nosso objetivo é o de salvar e tira-lo daquele quadro o mais breve possível!

    • Liz disse:

      Qdo um profissional, após a segunda tentativa, não conseguir puncionar, tem a obrigação de solicitar q outro profissional tente fazê-lo, aliás, isto é um direito dos pacientes. O problema é q profissionais não o fazem pq não querem admitir q em determinados casos não têm habilidade, e a maioria dos pacientes desconhece seus direitos.

    • Enfermagem mal preparada isso sim hoje qualquer cachorro quer enfermeiro vao estudar melhor meu filho ficou internado sofreu 20 picadas absurdo despreparo

    • A suposta profissional de enfermagem foi negligente em escutar a apelação e alerta! que o bebê não tinha condições de ser acessado naquele mesmo local…E a suposta profissional se achando acima de tudo progrediu com a ação!!! sabendo que deveria avaliar os riscos; pois é um procedimento evasivo que poderia fazer como fez, causando dor e desespero no mesmo e na sua mãe, então não é apenas culpa e falta de equipamentos pois um enfermeiro quando é capacitado ele consegué acessar em qualquer circunstância, como muitos fazem em locais de crise, como em guerras e desastres naturais. Esse caso foi olho grande em virar muitos plantões e causar falha humana, ou mesmo rispidez e brutalidade da parte dele, e sem duvidas falta de empatia da parte dela com próximo.

    • Jéssica disse:

      Pura verdade se isso continua Eu que não quero mais pucionar acesso principalmente de criança que meche e puxa o braço

    • Luzia disse:

      Como diz no comentário a mãe tinha alertado que não havia veia , por entanto a (o) profissional devia ter ouvido a mãe com atenção ! Também ouve um descauso com migo no hospital de branslândia falei com uma técnica que o soro não estava na veia da minha filha porquê ela estava queixando de dor ! Ela mim respondeu que estava sim so era muda de posição que o soro dessia mas quando musava o braço dela de posição ele gritava de dor depois ensistir com a técnica três vezes ela tirou o espaladrape viu que o local estava bem roxo e inchado devia ter arrependo ate hoje por não ter repudiado a ação da técnica ,eu tive que reclama três vezes e ter insistido para ela olhar ! Essa mãe fez certa temos que presta atenção para este tipo de fato não fica se repetindo , não acerta uma vez ou rompe uma veia tudo bem .mas ignora os fato achando que sabe de tudo este tipo de ignorância tem que ser responsabilizado mesmo.

      • Edwiges Bonazza disse:

        Tava na hora de tomar alguma providência. E essa medicina que não evolui?

      • Raissa disse:

        Do mesmo jeito aconteceu comigo quando fui ganhar meu BB a enfermeira furou várias vezes no mesmo lugar causando um inchaço e ficou roxo na mesma da hora ainda hoje eu sinto doer no local onde inchou e principalmente quando ta frio e isso já faz 7 anos mas as pontadas e dores e constantes

Leave a Comment