As mulheres e suas dependências dos filhos

 Educação dos FilhosOuvir de centenas de mulheres as seguintes frases:

“Que só estariam realizadas quando tivessem filhos”;

“Não sei o que seria de minha vida sem meus filhos”.

Nunca ouvir de nenhum homem que sua realização existencial passaria pela condição da paternidade.

Mais, realmente o que querem as mulheres é que os filhos continuem em seu ventre, no ninho materno.

Falam da boca para fora que criam os filhos para o mundo. Pois, na verdade, em seu íntimo, não querem que o dia do voo chegue – da independência materna.

Com o nascimento dos filhos aprendemos mais sobre o companheiro. Alguém vai impor ao outro sua superproteção, idolatria… Quase normal, quando se respeita a individualidade de ser do sexo oposto ou igual.

Muitas mulheres chegam a confundir o amor com a dependência que se tem pelos seus filhos, esquecendo-as que breve partirão para o mar da vida.

E nós homens como lidamos com isso, dentro da nossa razão e racionalidade da vida.

Aprendi de uma ex-namorada, também com dois filhos como eu, que somos fracos, não aguentamos os – “chiliques dos filhos, suas intempéries…”.

Realmente, em vários momentos esquecemos que já fomos filhos.

Depois publicaremos os depoimentos dos homens sobre o assunto.

Uma fase difícil para as mulheres e aceitar que os filhos vão crescer e se desprender do seio materno. Principalmente para as que já sabem de todas as necessidades dos filhos, antes mesmo de eles precisarem.  Isso poderá ocasionar nos filhos já adultos, a procura pela companheira (o) que os tratem de forma maternal ou paternal, reproduzindo relações de dependências.

PML, uma amiga que não vou revelar certa vez me disse:

“Eu prefiro estar dependente emocionalmente dos filhos, a um homem”. Os dois são patologias segundo a ciência. Procurem tratamento.

É evidente que estão com medo de perdê-los! Mas, esse será o fluxo corrente natural dos filhos. A vida é feita de chegadas e partidas.

Eu como pai, me sinto aprendendo com meus filhos, que é preciso se desprender. É preciso vivenciar os novos conhecimentos, culturas e deixar-nos voar.

Todos nós somos uma vírgula e um ponto final. Enquanto vírgulas, deixemos pontuarem as linhas existenciais de suas vidas.

Este texto reflete o cenário do século passado que ainda persiste no mundo contemporâneo.

ivan_rodrigues_da_rocha

Por Ivan Rodrigues, enfermeiro e blogueiro nas horas vagas da vida.

2 Comentários

  • Claudio Monteiro disse:

    Interessante na vida é ver que o sexo feminino busca também nos animais, gato, cachorro, cavalho…afetividade em substituição ao seu vazio. Minha ex-noiva agora cria gatos como se fossem homens. Tudo que ela posta está relacionado a animais. Terminamos numa boa, foi bom enquanto durou. Andressa, seu problema foi acreditar em fofocas, msn de instagram, facebook…Olho para você e vejo que és melhor com os animais ao invés dos homens. Com eles, você consegui fazer o que quiser, comigo não. Seja feliz com seus homens gatos.

  • Luiz M Dias disse:

    Sou professor e me identifiquei em seu post. Tenho dois filhos e não me sinto realizado em tê-los. Viveria normalmente sem eles. Todo homem quer é transar com o maximo de mulheres abaixo dos 35 anos. Depois do casamento e os filhos vem aquela monotomia, filhos chatos, mulher com pouco libido e muita dor de cabeça semanal. De 10 palavras que falam, 09 são filhos! Haja paciência! Com meus 50 anos, divorciado, vivo plenamente a vida com as de 35 anos. Amo meus filhos, mas minha ex-mulher não sabia falar outra coisa! Obs: pensão em dia, escola paga, viagem…Marta arruma alguém para comer você e vê se me deixa em paz. Parabéns Dr Ivan!

Leave a Comment