Pesquisa aponta que motoristas de ônibus e recepcionistas de hospitais públicos são os mais mal-educados com o público

Exatamente. Esta foi a conclusão de uma pesquisa do site #SaúdeDireitosSociais&Inovações cuidadosamente apurada nas ruas de quatro Regiões Administrativa (RAs), do Distrito Federal com [335] entrevistados.

O método utilizado na pesquisa foi bastante simples. Por dez (10) dias, um grupo de 04 pessoas distribuídas nos centros das cidades de Taguatinga (3 dias); Ceilândia (3 dias); Gama ( 2 dias) e Sobradinho (2 dias) perguntaram à população local quais seriam os profissionais mais mal educados com respostas livres, sem apontamentos por parte dos entrevistadores.

Dados

Na cidade de Taguatinga, 80% dos 90 entrevistados (72), responderam considerar os motoristas de ônibus como os profissionais mais mal educados; somente 20% dos entrevistados (18), apontaram os atendentes/recepcionistas de hospitais públicos como os mais mal educados com o público. 

Em Ceilândia, 70% dos 60 entrevistados (42), responderam considerar os motoristas de ônibus como os profissionais mais mal educados; já para 20% dos entrevistados (12), os atendentes/recepcionistas de hospitais públicos são os mais mal educados e 10% dos entrevistados (6), a Polícia Militar.

No meu dia a dia, as pessoas dependem do transporte público, mais infelizmente, os motoristas se colocam como alguém que está nos prestando um grande favor em ser educados, dirigir responsavelmente, esperar senhoras e grávidas sentarem e só depois seguirem viagem, mais atenção com deficientes e idosos, terem um pouco de paciência com os passageiros, diz Regina Sampaio, moradora de Taguatinga. 

 

Hospital de Base do Distrito Federal com recepcionistas em 2013. 

 

Diferentemente dos moradores de Taguatinga e Ceilândia, os da cidade do Gama, 85%  dos (97) moradores entrevistados (82,45), afirmaram que os atendentes/recepcionistas de hospitais públicos são os mais mal educados; apenas 15%  desse total (14,55), elegeram os motoristas de ônibus como  os mais mal educados.

O recepcionista nunca sabe de nada, responde monossilabicamente às nossas perguntas, não consegui informar nem se interessa em saber uma resposta correta para nós usuários que pagamos essa saúde. No hospital do Gama, quem deveria apenas fazer a guarda patrimonial, os seguranças, formam a dupla de mal educados com os recepcionistas, diz Arleila Silva de Carvalho.   

*Em (25/06/13) a Secretaria de Saúde do Distrito Federal contratou, por licitação, um grupo de 519 recepcionistas que trabalhavam em vários hospitais, clínicas da Família, UPAs e centros de saúde, para orientar e acolher os pacientes. Os vigilantes que são responsáveis apenas pela segurança deixaram de ser desviados de suas funções, erro que se repete até a presente pesquisa. 

Para 75% dos 88 moradores da cidade de Sobradinho, (66) entrevistados, os motoristas de ônibus são os profissionais mais mal educados; e para 20% dos entrevistados (17,6), os atendentes/recepcionistas de hospitais públicos; já para 5% dos entrevistados (4,4), os agentes do Departamento de Trânsito (Detran) são os profissionais mais mal educados com o público. 

 

*A pesquisa foi realizada em dias da semana, com início em 27 de novembro e término em 08 de dezembro.        

Leave a Comment