“Quem estiver imaginando que o Rodrigo está morto…” Jofran Frejat. Para Meio Entendedor…

Jofran Frejat tem 80 anos, nasceu em Floriano (PI) e se mudou para Brasília em 1962. É formado em medicina pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e pós-graduado pela Universidade de Londres em 1972.  

Foi eleito deputado federal pela primeira vez em 1986 pelo extinto PFL, participou da Assembleia Nacional Constituinte que elaborou a Constituição de 1988. Foi reeleito em 1990, mas licenciou-se para assumir a Secretária de Saúde do DF, na gestão de Joaquim Roriz, cargo que ocupou por quatro vezes. 

Já filiado ao PP, foi reeleito deputado federal em 1994 e em 1998 se reelegeu. Em 2002 disputou o cargo ao Senado Federal, mas não se elegeu. Em 2006, pelo PTB, ganhou mais uma eleição para a Câmara dos Deputados. Como deputado, atuou em projetos voltados à saúde e ao serviço público.

Desde 2007, Frejat está filiado ao PR.  Também foi secretário-geral do Ministério da Previdência Social e Diretor do IML (Instituto Médico Legal) na década de 1970.

Com a saída de José Roberto Arruda (DEM), da corrida eleitoral, que liderava as pesquisas, Frejat ficou encarregado de manter a campanha ao governo do Distrito Federal.  As pesquisas eleitorais se confirmaram e Frejat encerrou o primeiro turno em segundo lugar na preferência do eleitorado.

Na disputa pelo Palácio do Buriti, conseguiu derrotar o atual governador, Agnelo Queiroz (PT), no primeiro turno, com uma diferença de 113 mil votos. Sendo derrotado no segundo turno por Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). 

 

Blogueiro Ivan Rodrigues em entrevista a Jofran Frejat

O site SaúdeDireitosSociais&Inovações, entrevistou o pré-candidato ao Palácio do Buriti, novamente, Jofran Frejat do (PR), em seu escritório político no dia 30/10. Parte da entrevista em áudio.   

SaúdeDireitosSociais&Inovações: Como você avalia a campanha para 2018?

Jofran Frejat: Uma campanha que não vai ser fácil. Quem estiver imaginando que o Rodrigo tá morto, está mais morto do que qualquer um. Porque daqui pra frente ele vai usar todo o recurso, toda máquina para se reeleger. E ele tem um espaço grande aí, inclusive se vocês observarem só o que ele está gastando com a imprensa, com os blogs etc é um artificio nota preta. É muito difícil você é, se você deixar a coisa andar, complica!   

SaúdeDireitosSociais&Inovações: Por que ser candidato ao governo de Brasília nesta fase de sua vida?

Jofran Frejat: O que, que acontece. Nós tínhamos um entendimento antes que aquele que tivesse melhor nas pesquisas seria o candidato. Ocorre que, muitos aceitaram isso e meu nome começou a aparecer. Começou a aparecer, por uma razão muito simples: primeiro o resultado da última eleição, segundo o trabalho que a gente fez em saúde, que foi um trabalho reconhecido pela população e terceiro é que a gente tem o nome limpo. Então, isso aí pesou e a população começou a perceber isso e começou a dar apoio. Na verdade a gente acabou ficando entre os primeiros. Na medida em que isso surgiu, muitos se apresentaram como candidato, ah! Eu sou candidato, ah! Eu sou candidato… Não tenho nada contra ninguém ser candidato, só que nós temos que tentar ver se não nos dividimos. Se a gente nos dividir, acaba ganhando o outro. (…). O que você vê, por exemplo, na área da saúde, na área da segurança pública, na área da mobilidade urbana, na área… é uma tristeza. E a gente, até não tem nenhuma preocupação pessoal, mas a gente tem compromisso com a cidade. (…). Aqui, aqui tinha que ser o modelo para ser o exemplo. E não tá sendo! Pelo contrário, está sendo uma situação extremamente delicada!         

SaúdeDireitosSociais&Inovações: Drº Frejat,  quem seria hoje o melhor vice aos seus olhos?

Manuscrito de Jofran Frejat explicando sua ex-promessa de campanha de passagem a R$ 1,00 na capital federal. 

Jofran Frejat: (risos) Ah! Não vou fazer uma coisa dessa! Quer me comprometer! Só digo uma coisa, não eRRer duas vezes. (RR em referência ao atual governador Rodrigo Rollemberg). 

SaúdeDireitosSociais&Inovações: Em seu grupo muitos ex-candidatos e forte empresários respondem na justiça por malversação do dinheiro público. E então?

Jofran Frejat: Que cada um responda por si! Eu sei de minha conduta limpa quando na administração da coisa pública.    

SaúdeDireitosSociais&Inovações: Você voltaria a Fundação Hospitalar diante desse modelo que está sendo todo reformulado pelo Rollemberg?

Jofran Frejat: Deixa eu te contar. Essa coisa quem fez, quem trabalhou em cima disso foi o Valdivino que era secretário de Fazenda. Eu fui e inclusive me posicionei contra, no jornal, eu publiquei o Roriz ficou zangado (…). Qual era o objetivo, o objetivo do Valdivino é que ele queria ficar com o recurso na mão dele. Bom! A Fundação Hospitalar era independente, ou seja, o recurso caia no caixa da Fundação Hospitalar que dava o lançamento e você tomava providência ou fazia o que você achava conveniente. Quando acabou isso, não foi só a Fundação Hospitalar, acabou com a Fundação Educacional, Fundação Zobotânica foi acabando com as Fundações todas. O objetivo dele era concentrar os recursos na mão da secretaria de Fazenda. Tá! E aí aconteceu um problema difícil, o Roriz até (…) eu comecei a dizer pra ele, olha! Vai dar problema! Porque você tava com recurso no orçamento, você fazia a licitação, ganhava a empresa X, aí você pedia a cota orçamentária pra secretaria de Fazenda e a secretaria de Fazenda não mandava. Ficava te enrolando, te enrolando. E aí você tinha dificuldades! Você tinha que chegar para o dono da, o cara que ganhou a licitação e dizer assim: fulano me adianta um pouco do coisa, você já ganhou! Você que vai ter prejuízo que vai receber depois, mais o dinheiro vai vir! E você ficou com essa dificuldade. Esse foi o problema. Que se eles tivessem mantida a transferência imediata da cota orçamentária não teria dificuldades. Agora, acho que a volta da Fundação poderá ser uma boa solução. Uma boa solução!

SaúdeDireitosSociais&Inovações: Drº Jofran Frejat, mais por que não essa força enfática contrária, relacionada ao Hospital da Criança, eu não vejo tanta movimentação relacionada ao Hospital da Criança e ele está nesta situação?

Jofran Frejat: Não! Ele funciona bem! Agora, tem muito dinheiro!

SaúdeDireitosSociais&Inovações: O Drº Frejat, eleito governador, Instituto Hospital de Base montado, você voltaria ou manteria o Instituto?

Jofran Frejat: Eu acho que você não deve – aquilo que tá funcionando, você deve deixar. Agora, o seguinte! Nós temos que encontrar uma saída, porque existem aproximadamente 15 mil crianças que não conseguem acesso lá. Ah! Então você diz assim: como o Sarah. O Sarah é excelente! Excelente! Agora, vê qual é o percentual de atendimento. Se você tiver um doente, que tem uma lesão medular, de acidente, e ele tem uma ‘escarazinha’ aqui na região sacra, não te internam não, vai para o hospital de Base, até sarar aquilo lá, para não ter infecção, pra depois te atender. Ele atende doente fraturado? Teve acidente de carro fraturou! Não atende! (…). A própria, a própria, como é que chama a presidente, hoje? A Lúcia, ela me disse assim: Olha o que querem fazer com o hospital de Base não é o que é o Sarah não. (…).  

Quanto que é que está gastando, eu quero saber quanto que é que está gastando? Eu vou ter que saber disso aí! Quanto que é que está gastando no hospital infantil. (…). Mas você vê – 15 mil crianças que não consegue acesso a aquilo lá – não pode ser um bom negócio!   

*[Em 2010, o Tribunal de Justiça do DF condenou o ex-secretário da Fazenda do Distrito Federal, Valdivino José de Oliveira, por improbidade administrativa. A decisão judicial determina que ele não pode mais assumir nenhum cargo público, fica proibido de contratar com órgãos públicos e tem seus direitos políticos suspensos por cinco anos, além de pagar multa no valor de R$ 441 mil.

O ex-secretário é acusado de concessão de benefício fiscal para a empresa Só Frango, durante sua gestão no governo do DF. Ele ocupou o cargo entre 1999 e 2006, no governo Roriz, e depois retornou na gestão de José Roberto Arruda.]

Leave a Comment