Para que serve a Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs) se não forma médicos para o SUS e sim para a rede privada?

A Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs), é uma instituição de ensino superior pública, mantida pelo Governo do Distrito Federal, através do dinheiro dos usuários do SUS, ao custo de R$ 19.531.086,00 milhões anuais.

Muitas Regiões Administrativas (RAs), se quer dispõem de vultuoso orçamento para suas demandas e manutenção de suas atividades gestoras nas cidades do DF.

É o caso das cidades como Vicente Pires, com orçamento de R$ 10.000.000,00 em média; Núcleo Bandeirante, R$ 10.296.429,00; Riacho Fundo I, R$ 10.728.523,00 entre as mais de dez cidades pesquisadas em nosso levantamento no Quadro de Detalhamento de Despesas (QDD) do Governo do Distrito Federal.

[Reaberta em março com a contratação de 22 médicos temporários, a emergência infantil do Hospital Regional do Gama, no Distrito Federal, foi fechada novamente. Segundo a Secretaria de Saúde, a demanda “dobrou” em relação ao previsto, e os profissionais nomeados se demitiram. Não há data prevista para o retorno das atividades.] Do G1.

Cadê o Ministério Público do Distrito Federal que não manda prender os ‘pseudos-gestores’? Nossas crianças serão atendidas na Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde Prosus?

Doutores Promotores de Justiça Marisa Isar e Jairo Bisol façam justiça ou continuarão calados sem ações concretas diante da injustiça com nossas crianças? Onde será que os filhos de vossas excelências, netos são atendidos, no SUS? 

Há 14 anos, a faculdade funciona com servidores cedidos da Secretaria de Saúde e lotados irregularmente na Fepecs, ou seja, uma situação que deveria ser transitória perpetuou-se no tempo.  

A Fepecs deveria formar seus próprios médicos, de acordo com sua necessidade interna, dentro de um planejamento sistemático de demandas por especialidades.
A Fundação possui dois campus, um localizado em Brasília, na Asa Norte, onde oferece o curso de Medicina, com formação de seus médicos para iniciativa privada, com dinheiro público e outro em Samambaia, onde oferece o curso superior de Enfermagem.

19 Comentários

  • Roberto disse:

    Concordo em parte com o argumento dos gastos com a Fepecs, porém devemos lembrar que a formação do Médico e do Enfermeiro é feita no serviço público de Saúde, atendendo a população em geral, após sua formação, ele tem liberdade de escolher onde vai trabalhar, issó ocorre em todas as profissões. O que vem se dincutindo é o fim de uma Instituição de ensino superior de qualidade, e que as crianças que não tem saúde amanhã não terá escola superior de saúde para estudar, essa defesa só aumenta a necessidade da utópica UnB, ou das instituições privadas, de valores variáveis de 1000 a 2200 reais para Enfermagem e 5.000 a 7.000 reais de mensalidade, onde 80% dos estudantes de Enfermagem são da rede pública de educação,

  • Getúlio Morato disse:

    A FEPECS não apenas forma centenas de profissionais para o SUS (médicos, enfermeiros) por ano, como faz a capacitação de técnicos, é responsável por todas as residências médicas e multiprofissional, que coloca mais de mil médicos, enfermeiros e nutricionistas atendendo a população, a uma carga horária de 60 horas semanais, Talvez seja o melhor custo-benefício da secretaria de saúde, pois com esse valor, seria incapaz de contratar nem 150 profissionais para a secretaria de saúde (colocando apenas um salário médio de 10.000 reais (no caso de médicos, é maior que isso, por 13 meses). Fora isso, ainda capacita médicos, enfermeiros e demais profissionais com cursos de mestrado, melhorando ainda o nível dos profissionais do SUS. Quem sabe se o investimento fosse ainda maior, o SUS estaria funcionando ainda melhor. É uma das poucas coisas na secretaria de saúde que ainda funciona bem, com profissionais capacitados.

  • ... disse:

    O digníssimo confundiu o orçamento da ESCS (Escola Superior de Ciências da Saúde, que abriga os cursos de enfermagem e medicina citados no texto), com o da FEPECS (Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da saúde), sua mantenedora.

    Essa cifra de orçamento da FEPECS não é relativo ao orçamento da ESCS apenas, e sim à soma do orçamento do pessoal da FEPECS e de todas as partes mantidas pela fundação (ESCS, ETESB, Programas de Pós-graduação e Mestrado, Fomento à pesquisa, Comitê de Ética em Pesquisa, Biblioteca Central e rede de Bibliotecas da SES-DF, entre outros).

    Espero ter esclarecido que FEPECS NÃO É UMA FACULDADE.

  • Leila disse:

    Estou me formando na Fepecs e nunca que irei trabalhar na SES-DF. Pior lugar para se trabalhar. Não somos obrigados a isso!

  • Quase médico disse:

    Vou pegar meu diploma e abrir meu consultório. Também pago pelo SUS e tenho direito de escolher.

  • Alessandro disse:

    Sou playboy, filhinho de papai.
    Eu tenho uma ESCS/FEPECS pública para estudar!
    Vou virar médico com o dinheiro público sim, gostem ou não. Rede Pública? Tô Fora!

  • Cidadã disse:

    Reportagem mal escrita, não falou nada do que a ESCS representa para a saúde do DF, além disso a Fepecs é responsável pelos residentes que prestam serviço a população do DF. E além disso os médicos que atuam como docentes tem sua carga horária aumentada para trabalhar, não estão saindo da assistência.

  • Egresso disse:

    […] onde oferece o curso de Medicina, com formação de seus médicos para iniciativa privada, com dinheiro público […]. ???

    Agora as faculdades de medicina direcionam a vida de seus egressos? O curso de medicina da ESCS “forma seus médicos para a iniciativa privada”? Escrita infeliz.

    O que não falta é egresso da ESCS querendo trabalhar na SES-DF, apesar de todas as dificuldades… Mas cadê os concursos? O aluno da escs é habituado ao SUS e ao funcionamento de toda a rede (ubs, caps, hospitais) da SES-DF desde o primeiro ano de formação. Que faculdade de medicina particular recém criada oferece algo próximo a isso?

    Esse apelo à falta de cuidado de “nossas crianças” é injusto e mostra certo desconhecimento acerca da formação e capacitação dos profissionais de diversas áreas que a ESCS/FEPECS promove… Mas o mundo é feito de injustiças e interpretações enviesadas não é mesmo?

  • Rpbi disse:

    Não interessa se sou Playboy ou filhinho de papai.Todos que passaram na faculdade estudaram muito,independente de terem dinheiro ou não.Eu estudei toda a minha vida em escola particular,no entanto,sempre com desconto na mensalidade por ser bom aluno.Fui aceito em escolas caras ,com descontos em mensalidade,devido as minhas notas exemplares.Fui o aluno de maior nota em muitas escolas pelas quais passei.Se não fosse bom aluno nunca teria estudado em tais escola devido ao valor da mensalidade.
    Hoje tenho condições financeira muito melhores do que durante meu ensino médio e fundamental.
    Fiz cursinho privado também com desconto em mensalidade devido boa colocação em concurso de bolsa.
    Independente de condição financeira ou não.Isso é inerente ao sistema econômico em que vivemos.
    O fato é:eu tenho liberdade pra escolher onde vou trabalhar e se o serviço público não é atraente ,não são só os médicos que não vão querer trabalhar nesse sistema falido.Qualquer profissão para a qual sejam ofericidas condições de trabalho indigna resistirá a ocupar o cargo.Nenhuma classe profissional aceita ser desvalorizada …nem a classe política que aumenta o próprio salário e mordomias.
    A fepecs forma médicos e diversos profissionais da área da saúde.Se não formasse,o problema da falta de médicos estaria pior ainda.Muitos formados trabalham sim na rede pública.Faça pesquisas e informe se.
    O título do texto passa a impressão de que os ex-alunos não querem ou simplesmente não ficam no sus.Algo extremamente equivocado.Façam um levantamento.

  • João da Silva disse:

    Que bizarro uma mesma pessoa fazer três posts seguidos se passando por aluno da ESCS. Não sabe nem o nome da Escola.

  • Jackson de Loreans Bragança disse:

    Sou da monarquia e certamente farei ESCS para posteriormente trabalhar no Santa Helena.

  • Audari Pestenha disse:

    O maior exemplo de confirmação desta matéria é o próprio secretário de Saúde, Humberto Lucena Pereira da Fonseca, que se formou na instituição e foi trabalhar no senado.
    Parabéns por está matéria. Doa a quem doer.

    Entrarei com uma Ação Popular no TJDFT contra essa situação.

    • ? ?? ??? disse:

      Senhora, o secretário público é formado em direito antes de se formar em medicina e já trabalhava no senado antes de entrar pra medicina. Informe-se

  • Lindenberg Farias disse:

    O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) dorme em berços esplendidos das negociações como Drácon e UTIs, estando muito ocupado para menores assuntos de moralidade e publicidade de concurso público e afins. Avante Sucupira!

  • Advogada Tatiana Silva disse:

    Parabéns pelo post/matéria, mexeu no vespeiro da [zona de conforto] de muitos bacanas. Ação Popular nessa situação é o mínimo a se proceder. Estão totalmente contra a lei dos concursos públicos, uma situação escandalosa contra os princípios da administração pública que encontra respaldo em qual ordenamento?

    Querem defender o erro o errado? Juntem-se aos políticos do Brasil.

    Entrarei ainda esta semana, com uma ação, questionando o judiciário esse escárnio público sem fim.

Deixe uma resposta